Tag Archives: Crianças

Obesidade Infantil

De acordo com entidades líderes em estudos da obesidade infantil, o Brasil é vice-líder da epidemia entre crianças de nove e onze anos, atrás somente da China e dos EUA, que dividem o primeiro lugar. Tomando ambos os sexos como parâmetro, nosso país lidera o ranking da obesidade infantil mundial na faixa etária.

Na média mundial, as crianças dessa idade costumam ficar sete horas sentadas e três em frente a algum tipo de tela: celular, tablet, televisão, etc. Isso comprova que quanto menor a faixa etária, mais propenso a obesidade a pessoa está. As gerações passadas tem em suas memórias o prazer das brincadeiras ao ar livre, o contato direto com outras crianças e com parques, coisas que as crianças da atualidade não tem com frequências em suas vidas.

<<Leia também: A verdade sobre as bebidas açucaradas e o consumo para crianças.>>

A grande parcela de tempo gasta com eletrônicos juntamente a alimentação desregulada pode acarretar outras doenças. Problemas cardiovasculares, hipertensão e diabetes são doenças que podem acometer crianças que sofrem com a epidemia.

Veja em quais as mudanças você pode apostar para combater a obesidade infantil

Já sabemos que a raiz do problema está na falta de exercício físico e na alimentação inadequada. Sendo assim, o tratamento deve ser multifuncional pois envolve diversos aspectos da saúde da criança: nutrição, condicionamento físico e até mesmo consultas com psicólogos. É necessário ressaltar a importância da família e de politicas públicas (como a necessidade de mais áreas verdes para incentivar exercício entre os pequenos) nesse processo de tratamento da obesidade infantil.

<<Veja na integra: Brasil lidera o ranking de obesidade infantil mundial, entre meninos e meninas de 9 a 11 anos.>>

Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

A verdade sobre as bebidas açucaradas e o consumo para crianças

O modo como a alimentação das crianças e seu estilo de vida influenciam em sua saúde é cada vez mais preocupante. Com o avanço da tecnologia, os pequenos têm contato com computadores, tablets e celulares cada vez mais cedo.  Com isso, brincadeiras ao ar livre tornam-se mais raras. O tempo gasto em brinquedos tecnológicos somado a uma má alimentação é prejudicial para as crianças. Mas como bebidas açucaradas podem piorar esse quadro? 

Estudos realizados em 2012 nos EUA confirmam que quase um quarto das crianças estadunidenses entre 12 e 19 anos tem diabetes tipo 2 ou pré-diabetes. O excesso de açúcar presente em bebidas açucaradas está associado com diabetes tipo 2, doenças cardíacas e problemas dentários. Quanto mais jovem a pessoa é ao ser diagnosticada, maior o risco de obter doenças que podem levar a cegueira. A diabetes pode causar ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais também.  

<<Leia também: Saúde renal das crianças>>

Mudando essa perspectiva: como contornar as bebidas açucaradas em busca de uma vida melhor

O excesso de bebidas açucaradas torna a manutenção de um peso saudável na infância muito mais difícil. O Brasil é vice-líder no ranking mundial de obesidade infantil, atrás de EUA e China que dividem o primeiro lugar. O consumo de bebidas açucaradas são uma pequena parcela do número total de calorias consumidas. Porém elas contribuem para o ganho de peso, além de não terem valor nutricional. 

É recomendável que os pais ofereçam para as crianças água e leite como bebidas frequentes. Sucos naturais, sem conservantes ou adoçantes em excesso também são uma boa dica. O consumo de bebidas açucaradas não precisa ser necessariamente proibido, uma vez por semana especialistas confirmam que não há grande problema. Porém é importante ensinar as crianças a consumirem bebidas benéficas até mesmo fora de casa, além de manterem hábitos saudáveis.

blog Homeopatia e Saúde  é uma publicação ligada à Clínica Similia e ao Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Homeopatia e crianças: entenda como é o tratamento

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, traz mais uma entrevista da Dra. Ana Lucia sobre homeopatia e crianças.

A homeopatia é um sistema de tratamento médico que pode ser usado em qualquer idade da pessoa. Agora quando o assunto é homeopatia e crianças, uma vez que a criança é um ser em formação, pode ser feito o tratamento homeopático a médio e longo prazo para que a saúde dela melhore bastante, explicou a Dra. Ana Lucia.

A homeopatia é um tratamento que considera a pessoa como um todo. A homeopatia utilizada uma abordagem holística para tratar as doenças, holística porque tem como objetivo resgatar o equilíbrio social, corporal e mental do indivíduo. Assim a homeopatia trata não só a doença, mas a sua origem considerando todos os aspectos da vida de uma pessoa.

Por se tratar de um método de tratamento que não possui efeitos colaterais a homeopatia e crianças vem sendo procurado por pais que buscam um tratamento mais natural para seus filhos.

Para que o tratamento homeopático seja eficaz é importante manter a assiduidade nas consultas com o pediatra, um profissional que também seja um médico homeopata. Além de seguir todas as recomendações médicas, lembrou a Dra. Ana Lucia.

Veja as principais recomendações da Dr. Ana Lucia para manter em dia a saúde das crianças:

Amamentação

É muito importante para as crianças principalmente nos primeiros meses de vida. O bebê deve se alimentar, exclusivamente, de leite materno até os 6 meses.

Alimentação correta

Ter uma alimentação equilibrada é essencial para o desenvolvimento infantil, por isso evite alimentos industrializados. A criança precisa de uma dieta balanceada que inclui frutas e vegetais.

Tomar sol

É importantíssimo para a criança tomar sol, enfatiza a Dra. Ana Lucia.

Saúde da família

Os hábitos alimentares da família como um todo são muito importantes, pois as crianças aprendem pelo exemplo. Pais que tem uma alimentação saudável e praticam atividades físicas transferem esses hábitos para os filhos.

Crianças e o carnaval: cuidados na festa, rua e salões

O carnaval é uma festa linda e democrática. Uma comemoração que todos podem participar e se divertir juntos. Nessa época do ano é comum vermos famílias inteiras caindo na folia e compartilhando das atividades carnavalescas. As crianças são as que mais se divertem no carnaval. Porém os pais precisam tomar alguns cuidados com as crianças e o carnaval, para que todos possam aproveitar sem maiores problemas.

Como as crianças e o carnaval já fazem parte da comemoração já existe festas criadas especialmente para entreter os pequeninos, e para que eles possam participar da festa com mais segurança e liberdade.

Para que os dias de folia sejam de alegria e diversão os pais precisam tomar alguns cuidados com as crianças durante o carnaval.

Não perca as crianças de vista

Fique de olho nas crianças durante a folia. Evite grandes multidões e consumo de bebidas alcoólicas enquanto estiver com os pequenos. Não se esqueça de colocar crachá de identificação – com nome, endereço e telefones para contato – para o caso da criança se perder.

Violência

Quando for aproveitar o carnaval com as crianças evite locais públicos com excesso de gente. Prefira clubes fechados e blocos de rua específicos para esse tipo de público.

Alimentação

Não podemos esquecer que o carnaval é uma comemoração que acontece no verão, por isso escolha alimentos leves e saudáveis como frutas e vegetais. Também é preciso que as crianças bebam muito líquido para manter o corpo hidratado. Evite alimentos gordurosos e a comida que é vendida na rua.

A criança precisa descansar

O sono é muito importante para o desenvolvimento das crianças, por isso mesmo nessa época do ano elas precisam dormir bem. Permita que a criança tenha períodos de descanso entre uma comemoração e outra.

Roupas

Escolha roupas e fantasias leves para as crianças e o carnaval. Se for usar maquiagem escolha produtos a base de água e feitas, especialmente, para elas.

Doenças

Durante o carnaval os pais não devem descuidar da saúde das crianças, por isso protetor solar e repelente devem fazer parte durante os dias de folia.

Com essas dicas do Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, toda a família vai poder aproveitar o carnaval sem maiores problemas. Artigo no link: https://goo.gl/tWcdG9

Repelente e as crianças

Picadas de insetos podem acabar com o piquenique em família, com a caminhada no parque ou uma viagem. Para se livrar dos insetos e garantir que sua família esteja a salvo desses bichinhos indesejados conte com a ajuda de repelentes. Entretanto é preciso tomar cuidado quando o assunto é repelente e as crianças, pois é necessário escolher o repelente correto para não prejudicar a saúde dos pequenos.

Nem todo repelente pode ser usado em crianças advertem os especialistas. Assim como o uso excessivo desse tipo de produto pode irritar a pele e ainda causar problemas mais graves.

Escolha um repelente e as crianças que não tenha uma concentração de DEET (Dietiltoloamida) superior a 10%. Nos casos onde a criança ficará somente entre uma a duas horas ao ar livre prefira concentrações mais baixa dessa substância. Já nos casos onde a criança ficará fora por mais tempo o indicado é usar repelentes com uma concentração superior de DEET. Pois quanto maior a concentração, mais tempo o repelente vai durar na pele.

Repelentes a base de DEET não deve ser aplicado mais do que 3 vezes ao dia, além de não serem recomendados para bebês com menos de 2 meses de idade. A seguir a indicação de uso de repelentes segundo a faixa etária da crinça.

Crianças de 0 a 6 meses

Não devem usar repelentes. No caso dos bebês usar óleo infantil para que o mosquito não consiga identificar o cheiro da criança.

Crianças de 6 meses a 2 anos

É recomendável continuar evitando o uso de repelentes. Mas se não for possível aplicar o produto na roupa da criança antes de vesti-la.

Crianças de 2 a 7 anos

Usar o repelente com moderação, e a concentração de DEET não deve ser maior que 10%. Aplicar somente duas vezes ao dia.

Crianças de 7 a 12 anos

Ainda precisam usar repelente infantil. Pode ser aplicado até 3 vezes ao dia.

A partir dos 12 anos

Já é liberado o uso do repelente comum. Mas ainda aplicar somente até 3 vezes no dia.

Ainda sobre repelente e as crianças não passar o produto nas palmas das mãos, pois a criança pode passar no rosto e irritar os olhos.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, com o objetivo de informar trouxe mais essa matéria. Saiba mais sobre o assunto em: https://goo.gl/732EHv

Nunca devemos forçar uma criança a comer

Uma das coisas que mais preocupa os pais é conseguir fazer os seus filhos comerem bem. Entretanto para o pediatra espanhol Carlos Gonzáles os pais não devem forçar uma criança a comer, uma vez que as crianças comem o que é necessário para elas.

Entre as opiniões polemicas de Gonzáles podemos destacar a cama compartilhada e o aleitamento materno sob livre demanda. Ele também defende o fim da punição e a criação com respeito e apego às crianças.

Ainda segundo Gonzáles os pais precisam resgatar o seu papel que foi transformado pela sociedade através de normas e conceitos que o pediatra considera absurdos.

O pediatra lançou um livro chamado “Meu filho não come”, pela editora Timo, cujo objetivo não é dar dicas para os pais em como fazer o filho comer, já que Carlos acredita que não devemos forçar uma criança a comer. No livro o pediatra explica sobre como incentivar as crianças a comerem dando autonomia. Aponta os principais erros dos pais com relação à alimentação infantil. E fala que as crianças precisam aprender a comer sozinhas.

Forçar uma criança a comer – O afeto faz toda a diferença na vida das crianças

Gonzáles afirma que forçar uma criança a comer é ineficaz, pois as crianças comem sem que seja preciso forçar. Além de ser uma atitude mais prejudicial que benéfica, uma vez que a criança começa a detestar a comida, principalmente a comida na qual os pais querem forçá-la a comer. Tentar obrigar a criança a comer é um hábito que demonstra a falta de respeito dos pais.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, acredita que com amor os pais podem criar crianças mais felizes e saudáveis. Não se esqueça de que as crianças aprendem pelo exemplo, pais que comem bem têm filhos que se alimentam de forma saudável. Entrevista completa no link: https://goo.gl/LwMrkn

Como fazer seu filho obedecer sem usar a força?

As crianças vão desobedecer aos pais, isso é um fato. Outro fato é que como pais vamos, vez ou outra, recorrer à punição e castigo para fazer o filho obedecer. Não podemos esquecer que somos seres humanos criando outros seres humanos, e como seres humanos erramos. Mais um fato incontestável na vida de pais e responsáveis.

Muitos pais querem ser bem-sucedidos e ter a chamada “família perfeita”. E para isso gostariam de ter filhos obedientes para alcançar uma vida mais confortável e livre de estresse. Assim como também querem que essa obediência, dos filhos, reflita as outras pessoas. Entretanto as crianças por não entenderem o real objetivo das regras vão contestar sempre que possível, e como seres em desenvolvimento que não sabem lidar muito bem com as emoções podem comunicar isso com agressividade.

Ao tentar disciplinar seus filhos os pais ou responsável pode encontrar desafios como a criança resistindo às ordens ou fazendo pirraça. A criança pode apresentar comportamentos rebeldes porque sente que as regras não se aplicam a ela. Independente da reação da criança é essencial reforçar as regras e continuar persistindo se quiser fazer o filho obedecer e aprender o valor e a importância da obediência.

É necessário que as crianças aprendam a importância de respeitar pais, autoridades, familiares, professores e idosos.

Tentar convencer a criança a fazer uma coisa que ela não considera importante é uma missão, quase, impossível. Os pais precisam levar a criança a fazer o que é preciso através de brincadeiras lúdicas. Porém isso deve ser feito num dia que estiver com mais paciência. Existem muitas formas de tornar uma tarefa em algo lúdico, uma experiência prazerosa na qual a criança queira participar.

Ao tentar disciplinar e ensinar seu filho obedecer lembre-se de demonstrar amor e carinho. Se a criança desobedecer às regras permita que ela tenha uma segunda chance. Dar para a criança uma nova oportunidade irá motivá-la a fazer o que e certo da próxima vez.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, compartilha mais este texto e ainda destaca a importância da disciplina na vida das crianças. Saiba mais no link: https://goo.gl/X7gN5s

Superproteção infantil

Pais superprotetores não percebem que poupar os filhos decepções é muito prejudicial para o desenvolvimento da criança. A atitude superprotetora de alguns pais causa um impacto importante na no futuro de seus filhos. Uma vez que a superproteção priva as crianças de algumas habilidades sociais que as crianças precisam para o desenvolvimento de uma personalidade saudável. Além de abalar a confiança dos pequenos frente os desafios da vida.

<< LEIA TAMBÉM: Limites nas crianças>>

Os perigos e efeitos negativos da superproteção são maiores do que os pais imaginam.

As crianças que crescem sob as asas de pais superprotetores recebem uma mensagem, inconsciente, de que o mundo não é um lugar segura para elas. Como resultado dessa crença a criança se torna um adulto incapaz de correr riscos.

Em outras palavras a consequência desse estilo de vida é desenvolvimento de adultos que teme se arriscar.

A criança criada por pais superprotetores não consegue sair de sua zona de conforto, a zona na qual ela foi ensinada a viver, mesmo que sua vida seja miserável. Assim não é capaz de abandonar sua zona de conforto mesmo que isso a fizesse uma pessoa mais feliz e realizada.

A superproteção também causa efeitos negativos na autoestima das crianças. Um dos problemas em poupar as crianças das mudanças é que elas começam a acreditar que são incapazes de enfrentar a vida sozinhas. O que acaba por deteriorar a autoestima da criança.

Apesar de ser dolorosa a decepção faz parte do crescimento. Desse modo para o desenvolvimento de adultos confiantes e capazes de solucionar problemas devem evitar superproteger os filhos do mundo que os cerca.

Os pais precisam permitir que a criança explore o mundo conforme a sua visão, ajudando somente nos momentos em que o auxilio se faça necessário.

O Blog Homeopatia e Saúde, é um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, se quiser saber mais sobre esse assunto acesse: https://goo.gl/SkpPjw

Como é o sono da criança nas várias idades

O sono da criança é mais importante do que imaginamos. Todos somos capazes de lembrar um momento onde não dormiu o suficiente. Está ai um problema que deixa a todos grogue e pesado. Com aquele sentimento de que não está desempenhando o seu melhor. Para tirar algumas dúvidas sobre o assunto a Dra. Ana Lucia Dias Paulo vai falar um pouco sobre a importância do sono da criança.

O sono da criança não é menos importante que comer, beber ou a segurança em suas vidas. Embora isso não seja assim tão obvio, mas muitos pais não permitem que o filho durma tanto quanto precisam para funcionarem e se desenvolverem adequadamente.

Dormir muitas horas durante o dia é muito bom para as crianças.  Pois isso indica sono da criança profundo atingindo todas as fases necessárias para o descanso dos pequenos, explica a Dra. Ana Lúcia Dias.

As crianças, no geral, começam a dormir direto sem acordar para mamar a partir dos 3-4 meses de vida. Desde que a amamentação seja adequada e tenha rotina durante o dia, deixa claro a Dra. Ana Lucia.

Veja a seguir um quadro onde a Dra. Maria Lucia sinaliza o quanto as crianças precisam dormir nas diversas fases de seu crescimento.

Bebês (de 1 à 24 meses) – eles precisam dormir até 18 horas por dia. Por isso, são considerados os maiores sonhadores.

Crianças de 2-7 anos de idade – crianças nessa faixa etária precisam dormir de 8-10 horas por noite. Um soninho de 1 hora ou 2 vezes durante o dia também é recomendado.

Idade em idade escolar (após os 7 anos até o início da adolescência) – precisam dormir no mínimo 8 horas por noite. Nessa fase elas não dormem mais durante o dia.

Adolescência (dos 13 anos em diante) – também precisa dormir 8 horas todos os dias para ter bom rendimento escolar e humor para as atividades do dia a dia.

Qual o melhor horário para dormir?

Outra coisa importante que os pais precisam saber é que os bebês e as crianças até 7 anos devem e precisam deitar antes das 20 horas. Isso é essencial para que às 8 da noite estejam dormindo com os olhos fechados para permitir o bom desempenho do hormônio do crescimento, acrescentou a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Você sempre pode contar com o Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, para tirar todas as suas dúvidas. Se quiser saber mais sobre o sono da criança acesse: https://goo.gl/z7J7Ac

Homeopatia e a internação Infantil

A saúde e o bem-estar de seus filhos é a maior preocupação dos pais. Por isso quando as crianças passam por algum problema de saúde que leva a internação infantil esse é um momento muito delicado para toda a família. Uma vez que os corpos em desenvolvimento são mais suscetíveis a doenças.

A homeopatia é uma ciência ideal para os pais que desejam proporcionar alívio nos sintomas das doenças genéticas ou naturais comuns da infância. Assim como ajudar as crianças a crescerem mais fortes e saudáveis.

No Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, a Dra. Ana Lucia vai falar um pouco sobre os principais problemas que podem levar a internação infantil.

Se a criança realizar o tratamento homeopático corretamente, com família levando os pequenos as visitas ao médico no tempo correto. Provavelmente, a internação pode ser evitada e proposto o tratamento na residência da criança, tranquiliza a Dra. Ana Lucia Dias.

Quais as maiores causas de internação das crianças?

Com relação aos bebês até quatro meses os quadros de febre alta, situações de comprometimento respiratório importante como as bronquiolites são a maiores causas de internação.

Já as crianças maiores as convulsões recorrentes, quedas de altura, e os acidentes importantes são as maiores causas de internação infantil. Explica a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Mas o que os pais podem fazer para evitar a internação infantil?

O que os pais podem fazer para evitar a internação infantil é cuidar da alimentação de seus filhos desde o nascimento. Manter o aleitamento materno, exclusivo, até os seis meses de vida. Depois desse período é preciso manter uma alimentação mais balanceada e saudável, preferindo sempre os alimentos naturais e comida caseira, indica a Dra. Ana Lucia.

Ainda segundo a Dra. Ana Lucia os pais precisam entender e respeitar as crianças em todas as diferentes fases de sua vida. Entretanto, isso não significa que devem fazer todas as vontades da criança. Mas sim por meio da verdade apresentar limites, estimular a amizade, fraternidade e amor para criar um adulto saudável e feliz.

Se quiser ler mais sobre bronquilite e crianças acesse: https://goo.gl/8YxLBN

Fralda: quando e como tirar?

 

A fralda faz parte dos anos inicias dos bebês. Além de serem extremamente convenientes para os pais nos primeiros dois anos de vida de seus filhos. Mas elas podem se tornar uma grande dor de cabeça para os pais quando chega o momento de fazer com que os pequenos abandonem essa peça. No texto de hoje, a Dra. Ana Lucia explica todos os passos: Fralda: quando e como tirar?

O sucesso no momento de retirar a fralda das crianças depende de aspectos relacionados aos estágios de desenvolvimento infantil. Pois o esforço que todo o processo exige dos pais, visto, dentre outra variáveis, que podem interferir no progresso.

Não existem métodos infalíveis, mas existe uma série de técnicas para ajudar a criança a abandonar a fralda o mais natural e rápido possível.

Em primeiro lugar, por mais que os pais acreditem que a criança já tem idade suficiente para largar as fraldas, existe uma idade recomendada para iniciar o processo. Porém essa idade é diferente para meninos e meninas, pois cada um tem suas particularidades.

Para as meninas a idade recomendada para deixar a fralda é a partir dos 18 meses, no caso dos meninos é 24 meses. Mas essa é só uma recomendação, isso não quer dizer que a criança tem que deixar a fralda nesse período. É preciso respeitar o ritmo de desenvolvimento de cada criança.

“O que nunca deve ser feito é repreender ou insistir demais no assunto. Pois o resultado de atitudes como essa pode ser o oposto do desejado. Isso significa que pode causar traumas nas crianças, o que vai dificultar, ainda mais, o processo. A regra número 1 é ter paciência”, Recomenda Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Como tirar a fralda?

O procedimento mais recomendado pelos especialistas para ajudar as crianças a deixarem a fralda durante o dia é bem simples. Consiste em levar a criança para sentar no troninho a cada duas horas e deixá-la à vontade para fazer o que tem que fazer. Essa é uma forma de criar o hábito. Se for usar o redutor de assento sanitário é recomendável ter um banquinho para que as crianças apoiem as pernas, explica a Dra. Ana Lucia Dias Paulo

A Dra. Ana Lucia também esclarece que os pais e responsáveis conhecem a rotina das crianças, e podem usar essa informação para levar as crianças para o troninho nos horários que elas costumam fazer suas necessidades. “A criança precisa associar que o que ela sente no corpo significa fazer coco, ou fazer xixi. Por isso, os pais ou cuidadores, que já sabem como o organismo da criança funciona, devem sempre associar os nomes, e tornar isso o mais natural possível”, explica a médica.

O procedimento de tirar as fraldas durante a noite é mais demorado. A pessoa precisa considerar que esse é um processo de longo prazo, afinal existem menos truques e recomendações que podem ser utilizados.

A orientação básica é sempre colocar a criança para fazer xixi antes de dormir. Evidente que essa atitude não é o suficiente quando estamos falando de uma pessoa que vai dormir a noite inteira, principalmente quando consideramos que muitas crianças têm uma maior necessidade de urinar no decorrer da noite. Mas isso já ajuda.

Com essas dicas que Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, seguindo as dicas da Dra. Ana Lucia o momento de tirar a fralda das crianças vai ser menos estressante para os pais, e traumática para as crianças.

O desmame precoce

Quando uma criança vem ao mundo a vida dos pais se transforma de uma maneira muito especial. Amamentar é um momento de interação entre a mãe e o seu bebê, esse simples gesto é capaz de criar vínculos entre mãe e filho. Entretanto, amamentar não é tão simples quanto parece. É preciso muita orientação a fim de evitar o desmame precoce da criança.

A amamentação é muito importante nos primeiros 6 meses de vida do bebê, sendo que a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda somente o leite materno durante esse período, e essa amamentação precisa continuar, de maneira complementar, até os 2 anos de idade.

O Blog Homeopatia e Saúde, que é um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, entende a importância do aleitamento materno e por isso traz algumas dicas para evitar o desmame precoce do bebê.

Mastite

Popularmente conhecido como empedramento de leite, é uma inflamação da glândula mamária provocada pelo excesso de leite. Para evitar a inflamação retire o excedente de leite após cada mamada, em seguida realize compressas frias para aliviar o incomodo.

Parto antes da hora

Em alguns casos de cesarianas programadas o leite pode demorar a surgir, o que preocupa muitas mães. Isso acontece porque durante o processo de parto natural o corpo se prepara para a produção do leite, mas esse processo não ocorre em partos cirúrgicos. Porém, as mães não precisam ficar preocupadas, pois assim que o bebê começar a sugar o seio o hipotálamo, glândula que fica no cérebro, vai começar a produzir a prolactina, e consequentemente o leite começa a surgir.

Pega incorreta

Para o sucesso da amamentação o bebê precisa estar na posição correta. Senão haverá problemas de fissura nos seios e no estímulo da produção do leite. É sempre bom contar com a ajuda de um profissional neste momento, mas na falta de um mantenha o bebê com o corpo voltado para a mãe, barriga com barriga, a cabeça precisa estar acima do bumbum, na altura dos seios. Os lábios do bebê precisam abocanhar o máximo que puder da aréola.

Matéria completa no link: https://goo.gl/yoZr1Z

 

TAGS: Desmame, amamentação, Bebês, Pais, Filhos, Crianças

Meditação ajuda a conter indisciplina na escola

Uma escola que fica em Baltimor, nos EUA, resolver inovar e para isso encontrou uma maneira alternativa de repreender as más atitudes dos alunos. Na escola Robert W. Coleman não existem castigos, nem as tradicionais formas de correção comportamental. Lá crianças agitadas são enviadas para uma sala de meditação.

Essa prática faz parte de um programa chamado “Holistic me”, que é uma parceria com a ONG “Holistic Life Foundantion”, onde existe um trabalho conjunto entre profissionais especialistas em comportamento humano e meditação de atenção plena. Essa experiência trouxe resultados tão extraordinários que, depois que o projeto foi implantado há cerca de dois anos, a escola não registrou mais nenhum caso de suspensão.

Os resultados apresentados pela escola são semelhantes aos verificados na prisão do Alabama. Em entrevista cedida ao jornal The New York Time, Ron Cavanaugh, presidente da prisão, disse que após a implantação do projeto de meditação os detentos se tornaram capazes de controlar a própria raiva. O documentário “The Dhama Brothers” da Netflix, fala mais sobre essa experiência bem sucedida do presídio do Alabama.

Em seu dossiê sobre medicação Elisa Kozasa, bióloga do instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, declara que “Pessoas que meditam com regularidade, são mais aptas à evitar respostas impulsivas”.

Além de ajudar no controle de nossas emoções a meditação traz outros benefícios para a saúde, como: elevação da espiritualidade, paz interior, sensação de bem-estar, desenvolvimento da compaixão, melhora da memória, cura de traumas passados, prevenção do estresse, dentre outras vantagens que ajudam a melhorar a qualidade de vida.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, também acredita que para manter uma vida saudável e plena é preciso manter o corpo e mente em harmonia. Reservar alguns minutos do seu dia à prática da meditação só vai trazer benefícios.

Materia retira do link: https://goo.gl/Ck6rVk

 

TAGS: Meditação, Escola, Comportamento, Crianças

Como prevenir o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes

O dia 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, essa data foi escolhida por causa de um crime que aconteceu na cidade de Vitória (ES) no ano de 1973. Neste dia trágico a menina Araceli de 8 anos de idade foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por uma família tradicional da cidade.

A violência sexual é caracterizada quando a criança ou adolescente é usada para o prazer sexual de uma pessoa mais velha, em outras palavras, qualquer ação onde existe o interesse sexual. O que denota a violação dos direitos da criança e do adolescente, por se tratar de abuso e exploração do corpo e sexualidade da criança, através de força ou coerção.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, traz algumas dicas da Dr. Ana Lucia Dias Paulo que tem como objetivo alertar os pais sobre este assunto tão delicado.

Uma das atitudes que devem ser adotada pelos pais é estar sempre atentos, às atitudes dos filhos. Qualquer mudança de comportamento pode ser um sinal de alerta, pois crianças que passam por algum tipo de abuso podem se tornar cada vez mais caladas e retraídas, apresentar atitudes agressivas, ou de medo em relação a um familiar, mesmo que seja bem próximo. Não devemos nunca subestimar esse tipo de atitude.

Geralmente, as crianças pequenas não mentem, mas se tornam tristonhas, melancólicas e até mesmo deprimidas e angustiadas, a não ser que sejam estimuladas por outros adultos  a terem essa atitude. Qualquer um destes sinais serve de alerta para se investigar ou consultar um profissional.

Estarem constantemente presentes na vida das crianças é um dos cuidados a fim de evitar que as crianças sofram abusos. Pois as crianças e jovens devem ter liberdade vigiada, os pais precisam conhecer os amigos dos seus filhos, e principalmente os pais desses amigos.

Os pais precisam também conquistar a confiança dos filhos, para isso eles precisam mostrar que são amigos de seus filhos, estarem dispostos a ouvir mais do que falar, não julgar as crianças e evitar desenvolverem sentimentos de medo e inseguranças nos pequenos. Os pais precisam ensinar os filhos a serem fortes, e que precisam confiar neles e em outros familiares de confiança dos pais. Estar sempre disponível e aberto sempre que os filhos tiverem a necessidade de conversar.

Essas são algumas das atitudes que podem ser tomadas pelos pais a fim de evitar que seus filhos sejam expostos a situações de abusos, pois a prevenção ainda é a melhor forma de evitar que situações como esta aconteçam com sua família. As crianças precisam sentir-se amadas e protegidas por aqueles que a cercam.

A população, profissionais da área da educação e jurídica podem ajudar no combate ao abuso e exploração infantil, identificando e ajudando crianças e adolescentes em situações de risco. Faça a sua parte, denuncie e disque 100. Juntos podemos mudar a realidade de muitas crianças e adolescentes.

TAGS: Prevenção, Abuso infantil, Crianças, Adolescentes

Vamos falar sobre licença maternidade e paternidade?

São muitas as dúvidas acerca da Licença Maternidade, por isso o Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, foi pesquisar sobre o assunto para sanar as dúvidas existentes.

Com a aprovação do Marco da Primeira Infância, as empresas que fazem parte do programa Empresa Cidadã conferem 20 dias de licença paternidade para os pais e 6 meses de licença maternidade para as mães.

Após a publicação dessa lei o Brasil tornou-se o primeiro país a América Latina a admitir a importância da criança e a valorizar a primeira infância.

As mulheres têm direito há 120 dias (4 meses) de licença maternidade, entretanto para as empresas que estiverem inseridas no programa Empresa Cidadã este prazo pode ser estendido por mais 60 dias.

Quem paga o salário maternidade, no caso de mulheres com carteira assinada, é a empresa, depois o INSS repassa esse valor à empresa.

Nos casos onde a empresa amplia a licença por mais 2 meses o valor é pago integralmente pela empresa, que depois desconta o valor integral dos impostos.

As grávidas têm direito a se ausentarem da empresa para até 6 consultas médicas e exames complementares durante a gestação, sem que sofram qualquer tipo de penalidade.

Também não podem ser demitidas da empresa sem justa causa, para mulheres que trabalham com carteira assinada, a partir do momento que avisam a empresa sobre a gestação.

Mulheres que adotam também possuem direito a licença maternidade pelo período de 120 dias, para crianças de até 12 meses, e 60 dias nos casos de crianças entre 1 e 4 anos.

O pai tem direito a 5 dias de licença por motivo de nascimento ou adoção de filhos, que começam assim que a criança nasce. Para empresas integrantes do Programa Empresa Cidadã esse prazo pode ser ampliado para até 15 dias.

Estas foram algumas dúvidas que resolvemos compartilhar aqui no blog, para o artigo completo acesso o link: https://goo.gl/lg5TnS
TAGS: Licença maternidade, Crianças, Empresa Cidadã, INSS

Dor da rejeição de pai pode ultrapassar a barreira emocional

Não é necessário levantamentos ou pesquisas que comprovem que a ausência de um pai em casa pode causar transtornos para os filhos. Essa é uma figura que contribui, e muito, com o desenvolvimento de qualquer criança. Algo que ainda não estava comprovado, no entanto, foi confirmado por pesquisadores da Universidade de Connecticut (EUA). O estudo realizado mostrou que a rejeição de um pai, para a criança, vai além de uma condição emocional e passa a ser também uma dor física.

O blog Homeopatia e Saúde, da Clínica Similia comandada pelo Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, foi buscar mais informações sobre este tema. Esse estudo foi publicado no Science Daily e apresentou ainda a influência do amor do pai – ou a falta dele – na fase adulta. Para os estudiosos, não existe uma experiência nesse sentido que ocasione um impacto tão forte na vida de uma pessoa quanto a de se sentir rejeitada pelo próprio pai, em especial se ainda se trata de uma criança.

O reflexo disso na vida de quem se sente rejeitado pode aparecer de inúmeras formas, mas geralmente surge como ansiedade e também insegurança. Essa é uma dor tanto emocional quanto física. Isso porque no caso da dor emocional, esta pode ser revivida ano após ano.

Saiba mais

Se você se interessou por este tema levantado pelo blog Homeopatia e Saúde e quer saber mais sobre, clique aqui para continuar lendo.

Médico defende que não se pode obrigar os filhos a comer

Pediatra defende que os pais não devem obrigar os filhos a comer. É sobre esse assunto que o médico espanhol Carlos Gonzáles aborda no livro “Meu Filho Não Come”, da editora Timo. Para se aprofundar mais no tema, o blog Homeopatia e Saúde pesquisou a respeito e encontrou um material rico em informações sobre esta afirmação defendida pelo pediatra. O blog faz parte da Clínica Similia, comandada pelos médicos Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Na obra de 224 páginas, o autor pontua que os pais criam muitas expectativas frente ao comportamento dos filhos e acabam achando que as crianças comem pouco, o que na realidade não procede. O médico defende que toda criança ingere exatamente aquilo que necessita, a não ser em casos que esteja doente.

A postura de Gonzáles divide opiniões. Ele defende também que os pais devem permitir que os filhos fiquem no colo o tempo que for necessário e durmam na mesma cama dos pais o quanto achar que devem. Quando o assunto é alimentação, o equívoco maior cometido pelos pais é o de obrigar os filhos a comer, além de prometer prêmios ou convencê-los a ingerir todos os alimentos postos no prato a partir de ameaças de castigos ou chantagem emocional.

O blog Homeopatia e Saúde buscou uma entrevista que o espanhol concedeu quando veio ao Brasil divulgar o livro. Se quiser continuar lendo sobre este assunto, clique aqui.

Saiba quais alimentos evitar para o seu filho pequeno

Quando o assunto é filho, a educação se estende até mesmo a alimentação: quanto mais cedo se aprende a comer bem, menos trabalho futuro para uma reeducação alimentar para extinguir maus hábitos. O blog Homeopatia e Saúde, da Clínica Similia, encontrou um estudo divulgado pelo Ministério da Saúde que aponta que quase 61% das crianças com menos de 2 anos já consumiram ou consomem bolachas, biscoitos ou bolo e 32,3% ingerem suco artificial ou refrigerante. Fora esses alimentos que não são recomendados para crianças, há uma lista de outras opções que não devem ser oferecidas aos pequenos nessa faixa etária.

Evite

É o caso do mel, que pode estar contaminado por esporos de uma bactéria chamada Clostridium botolinum, principal responsável pelo botulismo. Nesse caso o sistema imunológico da criança não está formado e precavido para encarar esse tipo de bactéria. Outro alimento que oferece esse risco de contaminação é o amendoim, que além de ser potencial desencadeador de alergias, contém uma substância chamada aflatoxina, originária de um fungo e pode intoxicar o pequeno.

Embora sejam os preferidos das crianças, doces não devem ser oferecidos até os dois anos, porque isso faz com que o paladar fique cada vez mais doce e induza as crianças a quererem consumir mais desse tipo de alimento. Mesmo pensamento se aplica ao chocolate, que contém muito açúcar e gordura, podendo prejudicar o sono da criança. Já que estamos falando de doces, achocolatado, refrigerantes e adoçantes não são indicados, bem como a gelatina, que possui muito corante e conservante, principais responsáveis por alergias na pele.

Quando o assunto é conservante, os embutidos e enlatados além de não oferecerem valor nutricional, são ricos em conservantes e sódio. Fritura, bolacha recheada – cheia de gordura trans -, e sucos artificiais também devem ficar fora do cardápio das crianças. O blog Homeopatia e Saúde reforça a importância de uma alimentação balanceada e saudável desde cedo. Responsáveis pela Clínica Similia, o Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo destacam a importância de um prato sempre colorido.

Melhor opção

Opte por frutas, verduras, legumes, para enriquecer o cardápio dos seus filhos. Além de estimular as crianças a se alimentarem com qualidade desde cedo, com base no aprendizado, preocupar-se com o cardápio oferecido para elas auxilia a evitar possíveis crises alérgicas ocasionadas por alguns alimentos, como é o caso do leite de vaca, por exemplo. A saúde do seu pequeno agradece!

Quando é a hora de ir para a escolinha?

Os três primeiros anos são a base para toda a vida do ser humano, diz a ciência. Em muitos países, só após essa idade a criança poderá começar a frequentar a “escolinha”. Entretanto, a correria do dia a dia e a ordem social muitas vezes forçam os pais a colocar seus filhos muito mais cedo. Saber quando é a hora, escolher o local ideal e como lidar com o período de adaptação é uma dúvida comum entre os país.

Nesse artigo, a Dra. Ana Lúcia Dias Paulo, médica pediatra e homeopata da Clínica Similia, tira todas as dúvidas dos pais sobre o tema escolinha em entrevista exclusiva para o blog Homeopatia e Saúde. Confira!

A organização social pouco centrada na família frequentemente obriga os pais a colocarem seus filhos cada vez mais cedo nos berçários e creches. Não surpreende o aumento do número de berçários nos últimos anos, já que muitas mães às vezes não têm outra opção que não deixar seu bebê de 3 ou 5 meses em outro ambiente para trabalhar.

Para a Dra. Ana Lúcia, a hora de ir para a escolinha depende muito da dinâmica familiar. A necessidade de trabalho dos pais normalmente fala mais alto. “Pensando no bem estar emocional e físico da criança, o ideal é entrar para escola já andando e controlando o xixi e o cocô, o que se dá, em geral, a partir dos 14 meses”, diz a pediatra.
downloadA médica afirma que, ainda do ponto de vista emocional, a criança só se prepara para a socialização com pessoas e ambientes diferentes do seu lar a partir dos 3 anos. “O dia a dia em casa e com a família constituem estímulos suficiente para os bebes até 14-18 meses” e recomenda apenas, como atividade externa, a natação, por ser uma habilidade importante para a sobrevivência.

Desde que seja possível para a família, o ideal é deixar as crianças em casa (ambiente conhecido), com alguém que além de atender suas necessidades, seja de confiança. Uma pessoa zelosa, amorosa e de confiança principalmente por parte da criança”, afirma a Dra. Ana Lúcia Dias Paulo

 

Escolhendo a escolinha e ajudando na adaptação

A pediatra ainda dá dica aos pais na hora de escolher a escolinha ideal. Sugerindo que usem uma planilha para anotar os pontos positivos de cada escola, Dra. Ana Lúcia elenca cinco pontos que considera crucial na hora escolher a creche para os filhos:

  1. Espaço físico: onde ficam as crianças e espaço de atividades
  2. Metodologia: a linha pedagógica da instituição
  3. Formação dos professores: pedagogos com especialização para a idade específica (pré-escola, fundamental, básico, etc)
  4. Equipe: observar o número de pessoas disponível para atender as crianças, desde a parte pedagógica até a preparação dos lanches e limpeza do local
  5. Distância da residência: quanto mais próxima da casa da família, melhor

Para a adaptação, que às vezes pode ser difícil, a pediatra recomenda que seja feita de forma gradual e baseada numa relação de confiança e vínculo. “Uma vez escolhida a escola, a criança pode ir visitar sem nenhum compromisso de lá ficar, conhecer seus espaços e principalmente as pessoas que irão lhe acompanhar no período fora de casa.”, diz ela.

Para os pais, ela completa: “nos primeiros dias, observe com quem da escolinha a criança se identificou mais e crie um vínculo harmonioso. Se possível, na porta da escolinha, a criança deve sair do colo de um dos familiares para esta pessoa em quem ela já confia”. Fala também da importância dos pais conversarem com os filhos, reforçando os pontos positivos sem, entretanto, inventar mentiras sobre.

Para finalizar, a Dra. Ana Lúcia lembra que crianças realmente precisam brincar, não somente preencher o dia com atividades para “gastar energia”. “Crianças tranquilas e calmas, vivem em famílias e lares tranquilos e calmos”, reforça.

Tags: crianças, filhos, infância, educação

 

A importância do sono para as crianças

A população moderna ocidental vive em constante correria, tudo pede pressa e isso reflete até mesmo na relação dos pais com os filhos. Especialmente no sono. A pressa para que a criança durma sozinha, a ansiedade para que durma bastante. Mas qual é o tempo de sono ideal? Como garantir um bom período de sono para a criança? Qual a sua importância?

A Dra. Ana Lúcia Dias Paulo, Pediatra e Homeopata da Clínica Similia, concedeu uma entrevista ao blog Homeopatia e Saúde para tirar as dúvidas dos pais em relação ao sono dos filhos. Confira!

 

Dormir muito e acordar pouco? Ou o contrário?

A reclamação é geral entre pais e mães, especialmente de primeira viagem: ou o bebê dorme pouco e acorda muito e ninguém consegue dormir; ou dorme muito e acorda pouco e a mãe não sabe se deve acordá-lo para mamar ou não.

Segundo a Dra. Ana Lúcia, as horas de sono podem variar de acordo com a idade da criança, havendo uma maior necessidade quanto mais nova for. “Bebês de até 6 meses dormem, em média, 18h por dia e noite – que podem não ser seguidas. Conforme vão crescendo, a necessidade de horas de sono pode ir diminuindo”, afirma.

O período noturno pode ser o pesadelo de muitos pais, que se sentem soterrados com o sono aparentemente “inquieto” do bebê. Contudo, a pediatra reitera que bebês que dormem muitas horas seguidas não são regra e sim exceção. “Bebês têm dificuldade em continuar o sono e podem ter leves acordadas a cada 2 horas, mas não havendo nada para agitar o cérebro infantil (luz, brincadeira e som), eles voltam ao sono em seguida” afirma Dra. Ana Lúcia Dias.

Quanto aos bebês que são mais dorminhocos, a doutora conta que não é preciso acordá-lo para mamar. Mas que pode ser colocado para mamar caso esteja num sono muito inquieto ou agitado, pois bebês mamam mesmo quando estão dormindo.crianca-doirmindo-620x470

A pediatra também reforça a importância do sono durante o dia. Diz que a soneca é importante para todas as idades na infância, algumas até duas vezes ao dia. Recomenda um sono mais curto de até 40 minutos durante o dia e outro mais longo, de até 90 minutos, durante a tarde. E para antecipar qualquer preocupação, ela avisa: “Esse sono não atrapalha em nada o sono da noite, mas deve ser no máximo até às 17h. Caso contrário a criança não vai ceder antes das 23h”.

 

Como estabelecer uma rotina de sono?

A rotina é muito importante para a criança, principalmente porque antecipa o que irá acontecer a seguir e, assim, ela se prepara para tal. No sono, isso é especialmnte verdade e pode facilitar a vida dos pais.

Dra. Ana Lúcia recomenda que a rotina deve ser estabelecida desde os primeiros meses e indica: “a casa toda deve ir se tranquilizando a partir das 19h (evitar som alto, televisão ligada, brincadeiras excitantes), para que às 20h a criança ou bebê já esteja dormindo”.

A pediatra e homeopata ainda frisa que o sono é fundamental na vida da criança. Não só porque é no sono que agem os hormônios do crescimento, mas principalmente porque pode determinar o seu sono no futuro.

“O bom sono na infância pode determinar o bom sono do adolescente e do adulto, portanto vamos construí-lo de vagar, com paciência e muito amor.”, diz ela.

 


Dra. Ana Lúcia Dias Paulo se graduou em Medicina em 1983 na Universidade São Francisco – CRM 47937. Atua profissionalmente na área de clínica médica e pediátrica desde 1984. É Especialista em Homeopatia pela Associação Médica Homeopática Brasileira em convênio com AMB e CFM, realizou o curso de Especialização em Acupuntura pelo Center AO, em convênio com a UNIFESP. Além disso, é membro do Corpo Docente da Alpha-APH em convênio com a Associação Paulista de Homeopatia (APH), professora convidada de diversas associações e instituições de ensino da Homeopatia, bem como, conferencista em inúmeros eventos relacionados (congressos, cursos etc.) e autora dos livros Os Miúdos. Pequenos Medicamentos em Pediatria Homeopática e O que você precisa saber sobre o Medicamento Homeopático, ambos da Editora Organon.


Tags: sono da criança, homeopatia e saúde, sono infantil