Category Archives: Crianças

Homeopatia e a internação Infantil

A saúde e o bem-estar de seus filhos é a maior preocupação dos pais. Por isso quando as crianças passam por algum problema de saúde que leva a internação infantil esse é um momento muito delicado para toda a família. Uma vez que os corpos em desenvolvimento são mais suscetíveis a doenças.

A homeopatia é uma ciência ideal para os pais que desejam proporcionar alívio nos sintomas das doenças genéticas ou naturais comuns da infância. Assim como ajudar as crianças a crescerem mais fortes e saudáveis.

No Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, a Dra. Ana Lucia vai falar um pouco sobre os principais problemas que podem levar a internação infantil.

Se a criança realizar o tratamento homeopático corretamente, com família levando os pequenos as visitas ao médico no tempo correto. Provavelmente, a internação pode ser evitada e proposto o tratamento na residência da criança, tranquiliza a Dra. Ana Lucia Dias.

Quais as maiores causas de internação das crianças?

Com relação aos bebês até quatro meses os quadros de febre alta, situações de comprometimento respiratório importante como as bronquiolites são a maiores causas de internação.

Já as crianças maiores as convulsões recorrentes, quedas de altura, e os acidentes importantes são as maiores causas de internação infantil. Explica a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Mas o que os pais podem fazer para evitar a internação infantil?

O que os pais podem fazer para evitar a internação infantil é cuidar da alimentação de seus filhos desde o nascimento. Manter o aleitamento materno, exclusivo, até os seis meses de vida. Depois desse período é preciso manter uma alimentação mais balanceada e saudável, preferindo sempre os alimentos naturais e comida caseira, indica a Dra. Ana Lucia.

Ainda segundo a Dra. Ana Lucia os pais precisam entender e respeitar as crianças em todas as diferentes fases de sua vida. Entretanto, isso não significa que devem fazer todas as vontades da criança. Mas sim por meio da verdade apresentar limites, estimular a amizade, fraternidade e amor para criar um adulto saudável e feliz.

Se quiser ler mais sobre bronquilite e crianças acesse: https://goo.gl/8YxLBN

Emergências médicas infantis e o tratamento homeopático

Como seres em construção as crianças estão sempre se movimentando com o objetivo de desvendar o mundo que as cerca. Por isso toda vez que as crianças ficam amuadas, tristonhas e sem aquele brilho nos olhos os pais suspeitam logo se tratar de emergências médicas infantis. Dá um aperto no coração perceber que o seu filho está doentinho, mas isso não é motivo para se desesperar. Afinal são coisas que acontecem.

O melhor sempre é manter a calma e procurar ajuda médica.

Assim para facilitar a vida dos pais que não sabem como agir nesse momento tão delicado, que a Dra. Ana Lucia Dias Paulo decidiu compartilhar algumas dicas para os pais ajudarem os filhos quando surgem as emergências médicas infantis.

Os pais devem procurar o pronto-socorro somente nos casos em que não tenham um pediatra de sua confiança para dar atendimento. Ou quando o próprio pediatra oriente a visita ao pronto-socorro.

O pronto-socorro deve ser procurado em situações de mais graves como quedas, fraturas, contusões importantes, quadros clínicos como queimaduras, vômitos ou diarreias intensas, explica a Dra. Ana Lucia.

Os pais podem fazer uma avaliação rápida da situação da criança usando como parâmetro o estado geral do pequeno. Se o humor, apetite e ânimo, estiver comprometido ou alterado isso pode ser indicativo de que de a criança precise de atendimento imediato.

As emergências médicas infantis mais comuns

As doenças pulmonares, principalmente, levam os bebês ao pronto-socorro, pois os menores não possuem grande capacidade de eliminação do catarro e podem necessitar de atenção profissional para isso.

Ainda nos primeiros anos de vida são os acidentes na piscina, tanques ou até mesmo cozinha e ambientes domiciliares que os pais devem ficar mais atentos e orientar os pequenos a evitar ou monitorar as crianças nesses locais.

As queimaduras, torções, fraturas e intoxicações alimentares são mais frequentes nas crianças maiores e adolescentes. Por isso acompanhar os filhos nas atividades do dia a dia pode ser a melhor solução a fim de prevenir esse tipo de problema.

Às vezes os pais acreditam que o problema dos filhos se tratar de emergências médicas infantis e correm com os filhos para o pronto-socorro. Como a homeopatia é uma ciência que trata individualmente o paciente, seja bebê, criança ou adulto, no atendimento pessoal, o médico assistente já pode orientar os pais nas diferentes situações apresentadas.

A Dra. Ana Lucia Dias Paulo destaca o risco que está presente nas visitas ao pronto-socorro, entretanto nos casos de emergências médicas infantis a visita é imprescindível. O que os pais podem fazer para reprimir a contaminação é evitar horários de maior fluxo de pessoas nesses serviços.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, mantêm o compromisso de tirar todas as suas dúvidas sobre saúde.

Doenças no ouvido na infância

Se o bebê está irritado, chorando mais do que o normal e puxando a orelha, isso pode ser um sinal de doenças no ouvido na infância. A dor de ouvido é um problema muito comum, particularmente em crianças. Os pais costumam ficar muito preocupados quando isso acontece. Entretanto a dor de ouvido é causada por uma infecção menor e, muitas vezes, melhorará em alguns dias mesmo sem tratamento.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, apresenta mais um texto escrito pela Dra, Ana Lucia Dias que pretende sanar as dúvidas dos pais acerca das doenças no ouvido na infância.

Segundo a Dra. Ana Lucia o ouvido é uma câmara fechada, no qual a orelha, uma estrutura cartilaginosa, protege o conduto auditivo e todo o ouvido. O ouvido é o órgão que se comunica com todo o restante da face, principalmente seios da face, dentes, especialmente os molares (que ficam no fundo) e olhos. Podendo ser uma importante via de saída de secreções acumuladas nessas estruturas.

Por isso a criança pequena poderá sentir algum desconforto nos ouvidos no momento do nascimento dos dentes, sobretudo dos dentes do fundo (molares). Apesar de alguns dentistas não concordarem, os pediatras com certa frequência examinam as crianças e a única alteração encontrada é justamente o nascimento de algum dentinho. Que pode ser a causa de dor no ouvido.

Nessas situações o que pode aliviar a dor é aquecer o local, usando bolsa de água quente ou toalhas aquecidas. Sendo que o problema pode se resolver em questão de horas com a erupção dos dentes em questão.

A Dra. Ana Lucia Dias lembra que as doenças no ouvido na infância mais comuns são as otites, que podem ser otites externas eczematosas. Essa otite externa eczematosa pode se apresentar através de reação alérgica na pela da orelha, que pode acontecer em crianças alérgicas em diferentes áreas do corpo. Esse problema pode ser tratado pela homeopatia, mas levando-se em conta a totalidade da criança.

Doenças no ouvido na infância

Também temos as otites externas inflamatórias, aqui sim poderemos ter um processo inflamatório  do revestimento do conduto aditivo externo, que pode ser causado pelo uso das hastes flexíveis. Inflamação essa que pode descamar o conduto ou até mesmo contaminar o conduto. Assim, na medida do possível, deve-se evitar o uso de hastes flexíveis.

Outra causa de dor no ouvido é a natação, pois a água da piscina pode ficar presa no conduto dando dor até mesmo ao toque ou na mastigação.

Além das situações descritas acima, podem ocorrer ainda nessa região os furúnculos, que podem ser um nódulo inflamatório bastante doloroso, uma vez que chega ocupar a 1/3 do conduto.

Ainda existe a otite média, que compromete o ouvido médio. Problema que pode ser extremamente doloroso em crianças, sendo necessário atendimento, exame e tratamento imediato. Estas otites, bem como as recorrentes ou crônicas, podem ser tratadas pela homeopatia com grande taxa de sucesso, uma vez que é um tratamento personalizado.

Os cuidados em relação à saúde das crianças devem ser contínuos. Quanto as doenças no ouvido na infância, principalmente, em crianças que são mais suscetíveis a enfermidades nessa região, é preciso cuidado redobrado na piscina. O tratamento da água deve ser observado para que não seja mais um fator agravante. Os pais devem ficar atentos e ter os cuidados necessários quando as crianças forem expostas a mudanças de temperaturas, friagem ou vento, adverte a Dra. Ana Lucia Dias.

Com relação ao tratamento correto de piscina é preciso tomar alguns cuidados, visto que piscinas cloradas podem sensibilizar grandemente crianças alérgicas e as salinizadas podem além de ressacar demais a pele sensível das crianças estimular, ainda mais, a produção de muco nos alérgicos.

Pode chorar: porque nunca devemos dizer “engole o choro”

Às vezes quando queremos acalmar uma criança que está chorando depois de ter sofrido uma queda ou durante um acesso de birra costumamos dizer coisas como “engole o choro”, “seja corajoso”, “homens não choram” ou “você acha que chorar vai ajudar a resolver o problema?”. Mas isso pode ser um trauma emocional e levar a doenças. Foi sobre isso que o Blog Homeopatia e Saúde conversou com a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, médica pediatra e homeopata da Clínica Similia.

Mas será que alguma vez paramos para pensar o real significado de frases como “engole o choro”? Usando essas frases não estamos somente dizendo que o comportamento é inaceitável, estamos negando, também, as emoções das crianças. Com essas frases estamos ensinando às crianças a reprimir as suas emoções ao invés de expressá-las. Isso pode causar sérias consequências no desenvolvimento infantil.

Não diga “engole o choro“. Dra. Ana Lucia Dias Paulo, explica que calar o choro, ou o sentimento da criança pode levá-la a desenvolver doenças:

Existe uma forte relação entre a repressão dos sentimentos e alguns distúrbios que as crianças desenvolvem durante o seu desenvolvimento. Uma vez que a criança antes dos 10 anos não tem conteúdo intelectual suficiente para argumentar com um adulto. Portanto quando ela se sente incompreendida ou desrespeitada, a única forma que encontra para expressar o que está sentindo é através de seu corpinho. Por isso, dependendo do grau de acometimento emocional as manifestações físicas ou psíquicas podem ser graves com patologias que podem ir de superficiais como otites e amigdalites. A mais profunda como diabetes, pneumonia, incluindo ainda patologias de ordem emocional como as depressões, transtornos por ansiedade e síndrome do pânico”, conta a médica.

Por mais sem significado que possam parecer, os pais devem, sempre, tratar com respeito e amor qualquer tipo de manifestação emocional das crianças. Jamais menosprezar as demonstrações emocionais de uma criança. Pois essas manifestações podem causar consequências graves no adulto que essa criança se tornará.
Durante o seu desenvolvimento as crianças podem guardar diversos sentimentos negativos que vão interferir na sua vida adulta, explica a médica. Dentre eles podemos destacar:

  • Se vive sendo criticada, aprende a condenar;
  • Se sofre por causa da indiferença ou hostilidade, aprende a brigar;
  • Se vive passando por situações de constrangimento, aprende a se sentir culpada.

Por isso, apesar correria do dia a dia por causa do excesso de trabalho temos sempre que reservar um tempo, de qualidade, para nossos filhos. Também é preciso uma boa dose de paciência e amor, pois é através de sentimentos positivos que transformamos o mundo.

Não podemos esquecer ainda que:

  1. Com estímulo, se aprende a confiar;
  2. Com igualdade, se aprende a ser justo;
  3. Com segurança, se aprende a ter fé;
  4. E com amizade e aceitação, se aprende compartilhar amor e criar um mundo  melhor.

TAGS: 

Metadescrição

 

Palmada na criança: violência ou educação?

Palmada na criança é um tipo de castigo ou punição física que tem como objetivo causar dor ou desconforto por meio da força. Existem muitos outros tipos de punição física como: chacoalhar, beliscar, morder, apertar, etc. dentre outros tipos de violências físicas e mentais que as crianças são submetidas para se comportarem conforme o desejo dos adultos. O Blog Homeopatia e Saúde foi conversar com a Dr. Ana Lucia Dias Paulo, Pediatra e Homeopata da Clínica Similia, que faz um alerta: “NUNCA PALMADA NA CRIANÇA, NUNCA USE VIOLÊNCIA COM AS CRIANÇAS”.

Um relatório divulgado recentemente pelo UNICEF acerca da violência contra as crianças, utilizou dados coletados em 190 países, mostrou uma realidade muito sombria em relação ao dano emocional e físico que as crianças continuam a sofrer em todo o mundo. Grande parte dessa violência é realizada pelos adultos que deveriam garantir a segurança e bem-estar dessas crianças. Assim como a orientação e exemplo a ser seguido pelos pequenos.

Segundo o relatório do UNICEF a violência, em todos os sentidos, pode prejudicar a dignidade da criança, acabar com a sua autoestima e ameaçar o seu desenvolvimento. As crianças não sofrem somente com os seus efeitos imediatos. Pois a violência que elas presenciam e sentem, provavelmente, afetará o tipo de adulto que elas se tornarão, bem como a sociedade em que elas viverão.

A palmada na criança

A forma mais comum de violência enfrentada pelas crianças é a violência disciplinar, os tipos mais comuns dessa forma de disciplina é a força física e a intimidação verbal. Usada pelos pais e professores como punição para controlar ou alterar os comportamentos irritantes e inaceitáveis das crianças, sendo que a palmada na criança é o mais comum deles.

A atitude da palmada, só estimula na criança a ter uma atitude semelhante de agressividade, pode nutrir na criança um sentimento de revolta em relação ao adulto, alimentando a violência neste ser em crescimento e evolução. Seguindo o ditado: amor com amor se paga, e violência também se paga com violência. E como esstá a sociedade temos que criar seres mais pacíficos e tranquilos, nada de criar seres agressivos”, recomenda Dra. Ana Lucia Dias Paulo

Em todo o mundo 6 em cada em cada 10 crianças com idades entre 2 e 14 anos sofrem punição física regularmente, dentre elas a palmada na criança.

Dra. Ana Lucia explica que não é necessário palmada na criança para colocar limites, nem mesmo naquelas mais birrentas. “O que é necessário é ter firmeza na colocação do limite. O adulto precisa explicar com cara de bravo, sério, sem dar risadas ou carinhos, a criança deve perceber (e percebe) que o adulto ficou chateado com aquela atitude, desta forma pensará antes de repeti-la, aconselha a médica.

Uma boa estratégia para acabar com a punição física sofrida pelas crianças é a educação dos pais e responsáveis. Mostrando aos parentes quais são os comportamentos normais de uma criança. Afinal muitas vezes elas são punidas porque não atendem as expectativas dos adultos.

Algumas dicas da Dra. Ana Lucia Dias Paulo, para manter no limite e evitar a palmada na criança:

  • RESPEITO, À CRIANÇA: O ditado popular “ Respeite para ser respeitado”, e assim será com uma criança.
  • LIMITES CLAROS: Os limites são necessários, devem ser claros, nada de meias
  • USE SEMPRE A VERDADE: NUNCA mentir para uma criança.

 

Obesidade infantil, precisamos falar sobre isso

A obesidade infantil já é um dos maiores desafios de saúde do século XXI. É um problema global que afeta crianças de todas as classes sociais, principalmente aquelas que vivem nos grandes centros urbanos. O número de crianças com excesso de peso cresceu de forma alarmante nos últimos anos. O Blog Homeopatia e Saúde conversou com a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, Pediatra e Homeopata da Clínica Similia e traz dicas valiosas para as famílias.

Crianças com sobrepeso tendem a manter o excesso de peso também na idade adulta e são mais propensas a desenvolver doenças não transmissíveis como a diabetes e problemas cardiovasculares ainda muito jovens. A obesidade e o sobrepeso são problemas, que na maior parte dos casos, podem ser evitados. Os casos de obesidade infantil precisam de atenção urgente de toda a sociedade.

Hoje em dia as famílias estão pressionadas a terem uma vida com mais saúde, mas esquecem que a saúde é construída no dia a dia. Sendo assim, uma memória alimentar saudável começa a ser construída desde o primeiro dia de vida desta criança. É o LEITE MATERNO. O alimento ideal para os bebes humanos até seus 6-8 meses de vida. A criança crescendo a família deve buscar os alimentos na natureza, evitando os industrializados, que podem originar as alergias alimentares. Aqui, vale colocar, que a sensibilização do bebe a determinados alimentos pode começar ainda na vida intrauterina, cabendo a gestante já procurar fazer escolhas alimentares mais naturais”, recomenda Dra. Ana Lucia Dias Paulo. 

Dietas erratas – obesidade infantil

As principais causas do crescimento da obesidade infantil são as mudanças nas dietas das crianças que passaram a consumir mais alimentos ricos em açúcares e gordura, que são pobres em nutrientes como vitaminas e minerais, ou seja, os industrializados. Assim como a diminuição das atividades físicas.

Crianças obesas podem sofrer de problemas emocionais como a baixa autoestima. Uma vez que podem ser provocadas, intimidadas ou rejeitadas pelos colegas. Crianças que estão infelizes com o seu peso corporal são mais propensas a distúrbios alimentares, depressão e abuso de medicamentos.

Os pais podem ajudar os filhos na luta contra a balança criando hábitos alimentares mais saudáveis, oferecendo as crianças pratos mais nutritivos e lanches com a quantidade adequada de calorias. Os pais também podem substituir ingredientes e transformas os pratos favoritos das crianças em refeições mais saudáveis. Como também podem reduzir a guloseimas que são ricas em calorias. “As crianças seguem os exemplos e imitam os adultos. Os responsáveis mantendo uma alimentação saudável, estarão contribuindo para a alimentação saudável das crianças. Sendo verdadeiros com seus filhos”, completa Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Para incentivar os filhos a praticarem atividades físicas regularmente os pais podem servir de exemplo também. Para isso basta incluir os exercícios físicos a sua própria rotina e encorajar os filhos a participarem das atividades junto.

Como age a homeopatia na depressão?

As doenças emocionais são mais desafiadoras, difíceis e caras de tratarem do que qualquer outro tipo de doença. Sendo que a mais temida e comum entre elas é a depressão. Mas a ação da homeopatia na depressão é eficaz.

A depressão enlutece a alma e mergulha os olhos na tristeza. Embora as lágrimas não sejam a principal barreira que impede as pessoas depressivas de enxergarem as coisas como realmente são.

A depressão também enfraquece o coração, pesa sobre os ombros e dificulta a respiração. O que força as pessoas depressivas a tentar recuperar o fôlego através de sussurros frequentes.

O tratamento homeopático é uma alternativa mais gentil para quem sofre de depressão. Quem já fez uso de antidepressivos sabe o quanto esses medicamentos interferem na rotina diária, causando efeitos indesejados às pessoas que precisam utilizar esses remédios.

Homeopatia na depressão

Nos casos de depressão os medicamentos homeopáticos agem da mesma maneira como em qualquer outro tipo de enfermidade. Atuando sobre o indivíduo na sua globalidade e promovendo um maior equilíbrio na saúde mental e física, é o que explica o Dr. Ariovaldo Ribeiro.

Os medicamentos homeopáticos podem ser administrados em conjunto com os antidepressivos, porém no decorrer do tratamento, com a melhora do paciente, o uso de antidepressivos deve ser reduzido, lembra o Dr. Ariovaldo.

Durante o tratamento as consultas médicas variam conforme a necessidade e como trabalha cada especialista. Mas, no geral a cada 45 ou 60 dias acredito ser uma frequência satisfatória, observou o Dr. Ariovaldo.

A depressão é uma doença muito séria, o seu diagnóstico e tratamento precoce ajuda a salvar vidas, lembrando sempre que a homeopatia na depressão é eficiente

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

A depressão é um problema que afeta os indivíduos, muitas pessoas têm vergonha de falar sobre o problema e acabam não procurando ajuda.

Não tenha medo, pois somente um especialista será capaz de resolver o seu problema.

Crianças e agenda cheia: quais as reais obrigações que as crianças devem ter?

Natação. Inglês. Balé. Piano. Reforço escolar. Essas são algumas das atividades extracurriculares que algumas crianças participam durante a semana. São tantas as obrigações que as crianças devem cumprir que não sobra tempo para brincar de maneira satisfatória. A Dra. Ana Lucia Dias Paulo, médica homeopata e pediatra da Clínica Similia conversou com a equipe do Blog Homeopatia e Saúde, explicando tudo que os pais e responsáveis devem saber para manter, ou não, a agenda dos seus filhos cheia.

Sabemos o quanto é importante às obrigações que as crianças devem ter para o seu desenvolvimento, pois é através delas que as crianças aprenderem disciplina, administrar o seu tempo, se socializar e ajudar outras pessoas. Entretanto o excesso de atividades pode prejudicar o desenvolvimento infantil. Dra. Ana Lucia Dias Paulo explica que uma agenda cheia, gera estresse nas crianças, o que provoca doenças.

“Crianças de até 7 anos (meninas) e 8 anos (meninos) não tem noção clara de responsabilidade, uma b=vez que ainda estão em amadurecimento mental e emocional. Por isso é através dos brinquedos e das brincadeiras que eles amadurecem plenamente. Salvo algumas poucas crianças, a maioria não irá conseguir dar conta de uma agenda cheia. A maneira como mostram esse estresse é ficando doente. Nesta idade e por este motivo (emocional) o adoecimento pode ser profundo e grave, como pneumonias, ulcera gástrica
hemorrágica”,
explica Dra. Ana Lucia Dias Paulo, médica homeopata e Pediatra da Clínica Similia.

Quais as reais obrigações que as crianças devem ter?

Alguns pais acreditam que é preciso manter os filhos constantemente ocupados. Atitude que está impedindo as crianças de terem tempo livre para brincar, explorar e aprender por conta própria. Os pais ainda sentem que seus filhos vão perder oportunidades se não forem tão bons quanto às outras crianças.

Claro que nos dias de hoje nem sempre o ideal é conseguido, por pressão do meio social, mães que trabalham fora de casa, e as crianças são levadas às escolinhas prematuramente, muitas vezes ainda com poucos meses de vida. O ideal é que as crianças entrem na escola após os 5 anos de idade, depois de muito brincar e sentir o amor da família, para que se sentam seguras numa sociedade tão agressiva e exigente”, recomenda Dra. Ana Lucia

As crianças estão sofrendo muita pressão externa, pois precisa ser o “melhor” em todas as situações. Com isso as crianças estão enfrentando níveis elevados de estresse, ansiedade e depressão. Assim como estão recorrendo a trapaças na escola, com mais frequência.

As brincadeiras não devem ser encaradas como simples passatempo, mas sim como uma ferramenta essencial para o desenvolvimento infantil. Os jogos possuem benefícios valiosos, incluindo o desenvolvimento de habilidades físicas, emocionais, sociais e cognitivas.

É preciso ter cuidado para que as obrigações que a criança deve ter não atrapalhe o seu desenvolvimento, ter muitas atividades pode ser mais prejudicial que benéfico para a saúde e desenvolvimento infantil.

O que pode ser obrigações que as crianças devem ter?

“Na primeira infância todas as crianças aprendem melhor brincando e via de regar TODAS adoram imitar os adultos, inclusive nas obrigações domesticas, portanto crianças após os 2 anos, já podem ajudar suas mães a lavar quintal (criança adora água), desde que tudo acabe em farra e brincadeira, faz com que a criança cresce considerando estes afazeres como divertidos  de executar. Nesta mesma idade, estando ou não nas escolas precisam participara da arrumação dos brinquedos que elas mesmas desarrumaram.  Após os 4 anos podem juntos com familiares (inclusive o pai) participar da arrumação da cama e do próprio quarto, claro com atividades leves, proporcionais ao tamanho e peso corporal, tudo com proposta lúdica. Fazer as tarefas da escola após os 7-8 anos, a não ser desenhos e pinturas, crianças são artistas natos, sentem imenso prazer em trabalhos manuais”, recomenda Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, acredita no poder das brincadeiras como forma de socialização e desenvolvimento infantil.

Fralda: quando e como tirar?

 

A fralda faz parte dos anos inicias dos bebês. Além de serem extremamente convenientes para os pais nos primeiros dois anos de vida de seus filhos. Mas elas podem se tornar uma grande dor de cabeça para os pais quando chega o momento de fazer com que os pequenos abandonem essa peça. No texto de hoje, a Dra. Ana Lucia explica todos os passos: Fralda: quando e como tirar?

O sucesso no momento de retirar a fralda das crianças depende de aspectos relacionados aos estágios de desenvolvimento infantil. Pois o esforço que todo o processo exige dos pais, visto, dentre outra variáveis, que podem interferir no progresso.

Não existem métodos infalíveis, mas existe uma série de técnicas para ajudar a criança a abandonar a fralda o mais natural e rápido possível.

Em primeiro lugar, por mais que os pais acreditem que a criança já tem idade suficiente para largar as fraldas, existe uma idade recomendada para iniciar o processo. Porém essa idade é diferente para meninos e meninas, pois cada um tem suas particularidades.

Para as meninas a idade recomendada para deixar a fralda é a partir dos 18 meses, no caso dos meninos é 24 meses. Mas essa é só uma recomendação, isso não quer dizer que a criança tem que deixar a fralda nesse período. É preciso respeitar o ritmo de desenvolvimento de cada criança.

“O que nunca deve ser feito é repreender ou insistir demais no assunto. Pois o resultado de atitudes como essa pode ser o oposto do desejado. Isso significa que pode causar traumas nas crianças, o que vai dificultar, ainda mais, o processo. A regra número 1 é ter paciência”, Recomenda Dra. Ana Lucia Dias Paulo.

Como tirar a fralda?

O procedimento mais recomendado pelos especialistas para ajudar as crianças a deixarem a fralda durante o dia é bem simples. Consiste em levar a criança para sentar no troninho a cada duas horas e deixá-la à vontade para fazer o que tem que fazer. Essa é uma forma de criar o hábito. Se for usar o redutor de assento sanitário é recomendável ter um banquinho para que as crianças apoiem as pernas, explica a Dra. Ana Lucia Dias Paulo

A Dra. Ana Lucia também esclarece que os pais e responsáveis conhecem a rotina das crianças, e podem usar essa informação para levar as crianças para o troninho nos horários que elas costumam fazer suas necessidades. “A criança precisa associar que o que ela sente no corpo significa fazer coco, ou fazer xixi. Por isso, os pais ou cuidadores, que já sabem como o organismo da criança funciona, devem sempre associar os nomes, e tornar isso o mais natural possível”, explica a médica.

O procedimento de tirar as fraldas durante a noite é mais demorado. A pessoa precisa considerar que esse é um processo de longo prazo, afinal existem menos truques e recomendações que podem ser utilizados.

A orientação básica é sempre colocar a criança para fazer xixi antes de dormir. Evidente que essa atitude não é o suficiente quando estamos falando de uma pessoa que vai dormir a noite inteira, principalmente quando consideramos que muitas crianças têm uma maior necessidade de urinar no decorrer da noite. Mas isso já ajuda.

Com essas dicas que Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, seguindo as dicas da Dra. Ana Lucia o momento de tirar a fralda das crianças vai ser menos estressante para os pais, e traumática para as crianças.

Visite sempre um cardiologista

A maior parte das pessoas sabe o quanto é importante ter uma vida mais saudável, por isso é preciso consultar um médico regularmente.

No entanto, apesar de todos os esforços já realizados com o objetivo de propagar a prevenção para manutenção da saúde, as doenças cardiovasculares continuam sendo a maior causa de morte em todo o mundo.

A fim de minimizar os problemas cardiovasculares é preciso melhorar a qualidade de vida por meio de hábitos saudáveis, além de fazer visitas regulares ao médico independe da idade.

Para te ajudar a não vacilar na hora de cuidar da saúde de seu coração vamos passar os principais motivos para ir visitar o cardiologista:

  • Quando for recomendado por um médico: se o seu médico pediu para você visitar o cardiologista faça isso o mais rápido possível;
  • Em casos de dor no peito ou ao redor do coração: existe uma grande lista de doenças que podem causar dor no tórax. Não tente descobrir a origem da dor sozinho, para isso procure um cardiologista;
  • Histórico familiar: se algum membro da família passou por problemas cardíacos é preciso ser cauteloso, pois você pode ter uma predisposição a certas doenças cardíacas;
  • Colesterol elevado: os níveis mais elevados de colesterol aumentam o risco de doenças cardiovasculares;
  • Pressão alta: pessoas que sofrem de pressão arterial elevada precisam consultar um cardiologista para determinar o risco do problema para o coração;
  • Diabetes: a diabetes pode causar doenças cardíacas e vasculares;

Estes são alguns dos motivos para procurar um cardiologista. Sendo que o especialista pode passar os seguintes exames com o objetivo de investigar a saúde de seu coração: ecocardiograma, eletrocardiograma, teste ergométrico e ressonância magnética. Os casos que apresentarem qualquer tipo de alteração outros exames serão solicitados.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, trouxe essa matéria para que você possa manter a saúde de seu coração em dia, para mais informações acesse: https://goo.gl/Yc84Gz

 

 

Solidariedade Feminina

Com o aumento dos casos de abusos, mortes, assédio sofrido por mulheres que vem tomando conta dos noticiários da televisão nunca a solidariedade feminina foi tão necessária e importante para essa parcela da sociedade.

Uma vez que as pessoas ainda não entenderam que a internet não é “Terra de ninguém”, que a sua liberdade termina quando começa a do outro e, principalmente, que o corpo dos outros não é espaço público e deve ser respeitado. Manter um comportamento solidário minimiza os estragos desses problemas na vida de quem sofre ou sofre por causa deles.

Recentemente o metrô de São Paulo lançou uma campanha com o objetivo de acabar com o assédio sexual sofrido pelas mulheres dentro de suas composições. Entretanto, na mesma semana que o metrô iniciou a sua campanha de conscientização tivemos um lamentável exemplo de assédio sexual sofrido pelas mulheres dentro do transporte público. E que por uma decisão infeliz de um juiz que poderia ter feito a diferença se repetiu alguns dias depois.

Em tempos de redes sociais uma palavrinha vem sendo compartilhada sistematicamente. Entretanto a grande maioria das pessoas que passam essa informação adiante não entendem o seu real significado e importância. Estamos falando do termo sororidade, uma palavra que não existe no dicionário brasileiro, mas que faz toda a diferença em casos como os mencionados acima.

A sororidade é o apoio mútuo entre as mulheres, que tem como objetivo o suporte entre mulheres, a fim de extinguir todas as formas de opressão, para que todas possam alcançar o empoderamento e transformar as suas vidas.

Contudo, não podemos esquecer que comportamentos machistas são assimilados. Mas como os homens aprendem esse tipo de comportamento? Por incrível que parece grande parte desse comportamento é transmitido pelas mães. Por isso as mulheres podem ajudar umas a outras começando com a criação de seus filhos. Afinal um homem machista pode ter sido criado por uma mulher machista.

Rodrigo Hilbert é chamado nas redes sociais de “homão”, porque ele divide com a mulher as tarefas domésticas e cuidados com os filhos. Sempre que perguntado por suas atitudes ele responde que não faz mais do que a sua obrigação, afinal a sua mulher não deve fazer tudo sozinha se a família é dos dois.

Hilbert destaca também a criação que teve por parte de sua família, desde cedo ele aprendeu a ajudar nas tarefas do lar, assim para ele realizar esse tipo de tarefa é normal e faz parte de sua rotina.

Agora por que os demais homens não podem se comportar do mesmo jeito?

Porque foram protegidos pela mãe durante anos, não aprenderam a se virar sozinhos, sendo assim acreditam que a mulher deve servi-los como sua mãe fazia.

Considerando as mudanças que querem para a sociedade em que vivem as mulheres podem começar a serem solidárias umas com as outras dentro de suas casas. Convide os homens de sua vida a participarem da rotina de afazeres domésticos. Ensine para os seus filhos que as atividades do lar não são somente responsabilidade da esposa.

Essa pequena atitude vai melhorar o futuro de muitas mulheres, até da sua filha que pode, quem sabe, sofrer na mão de um homem machista.

Todos têm responsabilidades com relação ao convívio em sociedade.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, acredita no poder da solidariedade. Vamos transformar o mundo e espalhar mais amor e respeito. Leia um pouco mais sobre o assunto no link: https://goo.gl/vk3mSs

 

 

Como a solidariedade entre mulheres pode melhorar a vida de todos e ainda contribuir para a transformação da sociedade espalhando respeito e empoderamento

Qual a idade ideal para engravidar?

É uma unanimidade entre os cientistas que o avanço da idade interfere na fertilidade. Entretanto com relação aos países ocidentais as pessoas estão tendo filhos mais tarde. Sendo que uma dos motivos para o atraso da maternidade é que as mulheres estão investindo mais em sua vida profissionais e postergando a gravidez para um momento mais oportuno.

Nos países mais desenvolvidos como é o caso do Reino Unido 50% dos bebês são filhos de mães com mais de 30 anos. O Brasil também já apresenta essa mudança de comportamento, uma vez que em 2005 13% mulheres engravidavam entre os 30 e 40 anos, mas atualmente esse número subiu e já estamos na casa dos 20%.

Segundo a especialista em fertilidade do Hospital de Portland em Londres Sarah Mattheus a idade com menor risco de complicações para a gravidez e pós-parto é entre 25 e 29 anos, considerando somente a perspectiva biologia.

Sarah ainda destaca que as pessoas ainda possuem pouco conhecimento sobre fertilidade, uma vez que as escolas se preocupam mais com programas de prevenção da gravidez e doenças, por isso as pessoas atingem a idade adulta sem muitas informações sobre o assunto.

Se considerarmos a perspectiva social ter filho mais tarde é benéfico para o casal, afirma a socióloga Melinda Mills da Universidade de Oxford que também fica no Reino Unido. Pois os casais que atrasam a gravidez têm um aumento de cerca de 10% na renda familiar a cada ano de espera.

Segundo a perspectiva de gênero e demográfica não existe uma idade ideal para engravidar.

São muitos os fatores que interferem na decisão de ter filhos, também não é possível dizer com precisão quando a fertilidade começa a diminuir mais intensamente em ambos os gêneros, pois existem fatores genéticos que são determinantes.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, acredita que ter um filho é uma decisão muito importante, para mais informações sobre o assunto acesse o link: https://goo.gl/ZKS7ZM

TAGS: Fertilidade, Gravidez, Família, Mulher, Bebê

 

Mau Comportamento Infantil

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, traz um artigo onde a Dra. Ana Lucia Dias Paulo fala um pouco sobre o mau comportamento infantil.

Mas o que é o mau comportamento infantil?

É qualquer atitude por parte de uma criança, pessoas que têm entre 0-12 anos, fora dos padrões comportamentais estabelecidos pela sociedade onde ela vive com sua família. Isso se partir do pressuposto de que a família é fundamental na formação da psique infantil.

Por isso para abordar o assunto vamos considerar uma família baseada na estrutura familiar apontada como padrão, com um pai e uma mãe, e crianças tidas como normais. Não iremos abordar os diferentes tipos de famílias existentes nas sociedades atuais, nem tampouco crianças com alterações genéticas de qualquer natureza, pois esses fatores de caráter familiar ou genético também podem influenciar no comportamento das crianças.

É preciso lembrar também que comunidades, sociedades ou países com hábitos e costumes e, principalmente, valores éticos distintos podem ter maneiras diferentes de compreender as atitudes comportamentais infantis.

Pirraça é uma atitude mental/emocional que possui representação física, cujo entendimento depende da faixa etária na qual a criança está inserida, sendo que:

Entre 0 a 3 anos

Podem ocorrer manifestações físicas por parte da criança, perfeitamente aceitável, que pode estar dentro do esperado, uma vez que a maioria das crianças nesta fase ainda não tem total domínio da fala, não tem vocabulário, conteúdo e conhecimento emocional para entender suas emoções ou sensações.

Nessa faixa etária as crianças são egocêntricas, ou seja, se sentem o “centro”, em alguns casos são mesmo, pois são filhos, netos ou até mesmo a única criança da família rodeada de muitos adultos, por isso são e se sentem únicos, assim como o centro daquele pequeno universo que é a sua família.

Acredito que por causa desse contexto algumas crianças fazem a chamada pirraça – reação física que pode ser se jogar no chão, bater com a cabeça na parede ou piso, bater nos adultos ou jogar objetos longe – com o objetivo de atrair a atenção dos adultos próximos ou responsáveis.

Uma vez que por causa da pouca idade não têm domínio da linguagem falada, mas possuem domínio absoluto da linguagem corporal, além de, provavelmente, se sentir desatendido.

Este é o ponto crucial deste assunto à falta de atenção que a criança possa sentir, e que poderá ser momentânea ou permanente, e não conseguem expressar de outra maneira.

Mas estas atitudes nessa fase precisam ser totalmente compreendidas, consideradas dentro de sua normalidade, quando não são demasiadamente intensas e nem coloquem em risco a integridade física da própria criança ou dos envolvidos na questão.

Porém o compreender pode ser diferente do entender, sendo que um pode depender do outro. O primeiro pode significar considerar o sentimento que aquela atitude física quer demonstrar. Que fique claro que as vontades das crianças não precisam ser satisfeitas no mesmo momento, pois devemos lembrar que “dizer não também é um ato de amor”.

E considerando que a criança é um indivíduo em construção e está se desenvolvendo, será através destas vivências emocionais que ele poderá se tornar um adulto equilibrado. Os limites devem ser colocados claramente e sempre com a verdade.

 

Qual a influência do seu irmão na sua vida?

Tem dias que eles são os nossos melhores amigos, em outros eles no deixam furiosos. Mas no geral, amamos os nossos irmãos e irmãs. Pesquisas mostraram que o nosso vínculo com os irmãos vão além dos almoços em família e das brigas por causa do controle remoto. Crescer ao lado de um irmão pode realmente impactar a nossa saúde mental e física, assim como pode ajudar a moldar a nosso comportamento futuro.

 Ter um irmão faz com que sejamos mais altruístas

Um estudo da Universidade de Brigham Young sugere que o irmão permite com que as crianças desenvolvam empatia. Os pesquisadores analisaram a relação entre irmãos em mais de 300 famílias e descobriram que um relacionamento de qualidade com um irmão pode promover a generosidade em adolescentes, principalmente em meninos.

Os irmãos podem melhorar nossa saúde mental

Ainda falando sobre a pesquisa realizada na Universidade de Brigham Young e chefiada por Laura Padilla-Walker, que por meio de análises também descobriu que a irmã, especificamente, tem o poder de impulsionar a saúde mental de um jeito que os pais não são capazes de proporcionar. Segundo os resultados independente da distância ter uma irmã ajuda os adolescentes em relação a sentimentos negativos como culpa, medo, solidão e falta de amor.

Até as brigas entre irmãos ajuda no controle das emoções.

O irmão faz com que sejamos mais felizes

Para muitas pessoas o convívio com o irmão significa ter suporte emocional, uma amizade mais profunda e muitos momentos de humor. Por isso não é surpresa que irmãos que mantém um relacionamento mais próximo têm mais chances de conquistar a felicidade no futuro.

Pesquisas identificaram ainda que pessoas mais velhas que têm irmãos possuem uma percepção moral mais elevada, pois os vínculos entre irmãos não é importante apenas para o nosso crescemos e desenvolvemos como indivíduo, mas também pode proporcionar benefícios ainda maiores para a nossa vida.

Os irmãos nos mantêm fisicamente bem

Relacionamento com os irmãos, ou amigos, pode nos ajudar a permanecer ativos. Se considerarmos a inspiração 43% das pessoas consideram que amigos e familiares exercem maior influência sobre sua saúde e estilo de vida. Assim como manter a boa forma ajudar a aumentar o vínculo entre irmãos, afinal quase um terço das pessoas com hábitos de vida saudáveis se distanciam daquelas que não compartilham do mesmo estilo de vida.

Irmãos ajudam a aumentar a expectativa de vida

Além de impulsionar a saúde mental e física os laços sociais mais forte podem ajudar a viver mais tempo, de acordo com uma pesquisa publicada pela revista PLoS Medicine. Pessoas com relações sociais pobres morrem 7,5 anos antes em comparação as pessoas que têm conexões sociais sólidas com amigos e parentes. Essa relação é a mesma que a observada entre pessoas fumantes e não fumantes.

Isso pode ter relação com o fato de que os cuidados dispensados com amigos e parentes nos inspiram a cuidar melhor de nós mesmo. Ou porque recorremos a amigos e parentes quando estamos passando por algum problema.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, trouxe mais essa matéria interessante que destaca a importância dos laços familiares para a nossa saúde e bem-estar, para mais informações acesse: https://goo.gl/zXUmWu

TAGS: Família, Irmãos, Saúde, Bem-estar

Criança tem que ser criança

O dia mundial da infância é celebrado em todo no mundo em 24 de agosto, essa celebração tem como objetivo refletir sobre as condições econômicas, educacionais e sociais que as crianças estão inseridas.

Segundo a Declaração Universal dos Direitos das Crianças todas têm direito a saúde, alimentação, educação, liberdade, lazer, conviver em família e sociedade. Assim como também devem ser protegidas da exploração, discriminação, violência, negligencia dentre outros direitos que tem como objetivo garantir a sobrevivência e desenvolvimento social e físico da criança.

O desenvolvimento físico, emocional e social das crianças influência diretamente o seu desenvolvimento como um todo e também sobre o tipo de adulto que elas se tornarão. Por isso é tão importante entender as necessidades da criança ainda muito cedo, isso vai assegurar diversas oportunidades futuras e garantir o seu bem-estar.

Pesquisas neurológicas comprovaram que os primeiros anos de vida desempenham um papel fundamental no desenvolvimento do cérebro infantil.

Desde a sua concepção os bebês começam a aprender sobre o mundo que os cerca, durante a fase do pré-natal, perinatal (imediatamente antes e depois do nascimento) e pós-natal.

As primeiras experiências das crianças, os vínculos que elas criam com seus pais e os primeiros aprendizados, são situações que afetam profundamente seu desenvolvimento físico, cognitivo, emocional, e social futuro.

A disciplina é importante para que as crianças aprendam quais comportamentos são aceitáveis ou não para uma vida em comunidade. Ao estabelecer limites os pais apontam para os filhos o que é esperado deles e como se comportar em sociedade. Isso é muito importante para que a criança possa se tornar um adulto responsável.

Brincar ajuda melhora a criatividade e imaginação das crianças.

As brincadeiras são importantes para o desenvolvimento, pois contribuem para o bem-estar cognitivo, social, físico e emocional das crianças e jovens. Além de ser uma ótima oportunidade para os pais se envolverem plenamente com os filhos.

Apesar de todos os benefícios dos jogos e brincadeiras o tempo reservado para esse tipo de atividade diminui consideravelmente, dentre os fatores que reduziram o tempo de brincar podemos destacar o estilo de vida apressado que vivemos, as alterações na estrutura familiar e um maior investimento em atividades educativas que tem como objetivo formar adultos mais bem-sucedidos.

A brincadeira é tão importante para o desenvolvimento infantil que foi reconhecida pelas Nações Unidas como um direito das crianças.

Os jogos e brincadeira permitem que as crianças pratiquem a criatividade enquanto desenvolvem a imaginação, destreza e força física, pois o jogo é importante para o desenvolvimento saudável do cérebro. É através das brincadeiras que as crianças se engajam e interagem como o mundo ao seu redor.

A brincadeira permite que as crianças criem e explorem um mundo no qual possam dominar, desafiando os seus medos e receios enquanto fingem que são adultos, algumas vezes essas brincadeiras tem a participação de outras crianças ou de adultos.

Conforme vão conquistando o seu mundo as brincadeiras ajudam as crianças a desenvolverem novas competências que proporcionam confiança e resiliência, qualidades necessárias para enfrentar desafios futuros.

Para o Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, a brincadeira é uma atividade divertida e essencial para a formação das crianças, se quiser saber mais sobre o assunto acesse: https://goo.gl/B31pNM

 

TAGS: Criança, Infância, Brincadeiras, Jogos, Desenvolvimento

Por que estudar faz bem à saúde mental?

Um estudo revela que pessoas que estudam mais tende a ser mais felizes e têm uma maior expectativa de vida.

A relação entre educação e os benefícios sociais vem sendo reconhecida há muito tempo, ainda na Grécia Antiga quando Aristóteles e Platão ressaltaram a importância do estudo para o bem-estar social. Assim pesquisas recentes vêm revelando que a educação não só abrem as portas para o mercado de trabalho como ajuda a melhorar a saúde, a promover a cidadania e a diminuir a violência.

Pessoas que estudaram mais são mais felizes porque alcançam maior satisfação em diferentes aspectos da vida. Sendo que essa satisfação é 18% maior em concluiu o ensino superior em comparação aos indivíduos que não concluíram o ensino médio.

Os dados mostraram também que a expectativa de vida está fortemente ligada à educação, pois um indivíduo de 30 anos com ensino superior pode viver 8 anos a mais que um que não completou a educação básica.

Pessoas com maior nível de escolaridade se mostraram mais engajadas socialmente, participando ativamente do processo eleitoral, voluntariado e na vida política, além de serem mais autoconfiantes.

A educação desempenha um papel importante no crescimento econômico, já que a inovação e o conhecimento ajudam na melhoria dos padrões de vida, incentivando a economia e influenciado nas políticas públicas.

Pessoas com maior nível de educação são mais preocupadas com a própria saúde, assim reduzem o tabagismo, praticam atividades físicas regularmente e diminuem o consumo de bebidas alcoólicas, bem como evitam o consumo de drogas.

Além de melhorar a renda estudar desenvolve as habilidades dos indivíduos, reduz os números da violência e aumenta a participação na sociedade. Ao reconhecer o poder da educação as autoridades precisam criar políticas que contemplem um maior acesso a educação de qualidade.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, matéria completa no link: https://goo.gl/uFV4zd

 

TAGS: Estudo, Sociedade, Educação, Políticas públicas

Qual a influência dos avós na vida dos netos?

Com a correria da vida moderna os avós estão desempenhando papéis cada dia mais importantes na vida das famílias. Com os pais trabalhando são eles que ajudam na educação e cuidados dos netos. Ainda que sejam acusados, muitas vezes, de mimar as crianças, a sua contribuição é significativa.

Diversos estudos foram realizados em alguns países sobre a influência dos avós na vida dos netos. Sendo que as pesquisas mais conhecidas foram feitas nos Estados Unidos, Europa e Ásia. O principal objetivo é determinar se existiu um impacto significativo dos avós durante o desenvolvimento dos netos, considerando também a influência na vida adulta.

Apesar das diferenças culturais, da personalidade dos avós e classe social das famílias, os pesquisadores conseguiram encontrar alguns denominadores comuns positivos no decorrer das análises.

Segundo os pesquisadores da Universidade Brigham Young, em Utah, nos Estados Unidos, os avós conseguem influenciar no comportamento social das crianças.  Os pesquisadores enfatizaram que “os avós distantes”, aqueles que moram longe dos netos, assumem o papel de encorajar o desenvolvimento positivo ao invés de disciplinar comportamentos negativos. Principalmente durante a adolescência, quando aumenta o conflito entre pais e filhos. Nessas situações que as crianças e adolescentes encontram aliados seguros na figura dos avós, além de sentirem o cuidado e proteção.

As pesquisas também mostraram que a relação emocional entre avós e netos pode afetar, significantemente, o desenvolvimento psicológico, acadêmico e social das crianças. Foi possível verificar que as crianças que recebem mais carinho dos avós são mais autoconfiantes. Sendo que essa relação causa impactos positivos de longo prazo na vida das crianças, até mesmo com relação a valorização dos cuidados dispensados e recebidos para outra pessoa.

O relacionamento entre avós e netos pode deter os efeitos negativos de eventos adversos da vida, já que eles conseguem acalmar as crianças melancólicas. Esse detalhe serve de indício para  futuros estudos, uma vez que precisam prestar mais atenção ao papel dos avós no desenvolvimento da resiliência nos jovens.

Impactos positivos e benefícios ao desfrutar da presença dos avós:

  1. Os avós transmitem as crianças um sentimento de pertencimento, continuidade familiar e histórica;
  2. Ajudam a disseminar e reforçar a tradição e cultura do seu povo;
  3. São mais um modelo na vida das crianças, sendo às vezes mais importantes que pais ou ídolos;
  4. As crianças e, principalmente os adolescentes, se sentem mais confortáveis em confiar nos avós, pois os consideram mais tolerantes que os pais;
  5. Os avós são uma fonte de autoconfiança e positividade, o que ajuda as crianças a se tornarem pessoas mais ambiciosas no futuro;
  6. Eles fornecem uma dose extra de segurança simplesmente com a sua presença;
  7. Inspiram atitudes, personalidade, desenvolvimento e melhora do caráter;
  8. Os avós são uma considerável fonte de valores e boas maneiras.

O Blog Homeopatia e Saúde, um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, trouxe mais essa matéria interessante para comemorar o Dia dos Avós, pois sabe da importância que a família tem no desenvolvimento da criança, para mais informações acesse: https://goo.gl/NWiijF

TAGS: Família, Avós, Vovô, Vovó, Filhos

O desmame precoce

Quando uma criança vem ao mundo a vida dos pais se transforma de uma maneira muito especial. Amamentar é um momento de interação entre a mãe e o seu bebê, esse simples gesto é capaz de criar vínculos entre mãe e filho. Entretanto, amamentar não é tão simples quanto parece. É preciso muita orientação a fim de evitar o desmame precoce da criança.

A amamentação é muito importante nos primeiros 6 meses de vida do bebê, sendo que a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda somente o leite materno durante esse período, e essa amamentação precisa continuar, de maneira complementar, até os 2 anos de idade.

O Blog Homeopatia e Saúde, que é um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, entende a importância do aleitamento materno e por isso traz algumas dicas para evitar o desmame precoce do bebê.

Mastite

Popularmente conhecido como empedramento de leite, é uma inflamação da glândula mamária provocada pelo excesso de leite. Para evitar a inflamação retire o excedente de leite após cada mamada, em seguida realize compressas frias para aliviar o incomodo.

Parto antes da hora

Em alguns casos de cesarianas programadas o leite pode demorar a surgir, o que preocupa muitas mães. Isso acontece porque durante o processo de parto natural o corpo se prepara para a produção do leite, mas esse processo não ocorre em partos cirúrgicos. Porém, as mães não precisam ficar preocupadas, pois assim que o bebê começar a sugar o seio o hipotálamo, glândula que fica no cérebro, vai começar a produzir a prolactina, e consequentemente o leite começa a surgir.

Pega incorreta

Para o sucesso da amamentação o bebê precisa estar na posição correta. Senão haverá problemas de fissura nos seios e no estímulo da produção do leite. É sempre bom contar com a ajuda de um profissional neste momento, mas na falta de um mantenha o bebê com o corpo voltado para a mãe, barriga com barriga, a cabeça precisa estar acima do bumbum, na altura dos seios. Os lábios do bebê precisam abocanhar o máximo que puder da aréola.

Matéria completa no link: https://goo.gl/yoZr1Z

 

TAGS: Desmame, amamentação, Bebês, Pais, Filhos, Crianças

As causas da dor do crescimento

Um dos principais motivos das visitas ao pediatra são as queixas de dor. As dores mais comuns são a de cabeça, barriga e pernas, a maior parte dessas dores está ligada ao que chamamos de dor do crescimento. Em alguns casos a dor não está relacionada a doenças graves, porém é importante que os pais estarem sempre alertas quanto a qualquer alteração.

O que é a dor do crescimento? Ela recebeu esse nome porque aparece na fase mais importante do desenvolvimento infantil, principalmente entre os 3 a 8 anos. É uma dor recorrente que não tem uma origem específica. Segundo os médicos de 5 a 15% das crianças já enfrentaram esse problema pelo menos uma vez na vida. Contudo esse índice pode ser ainda maior, algumas universidades estrangeiras já apontaram um percentual na casa dos 40%.

Uma das causas da dor do crescimento seria o fato de os ossos crescerem mais rápido que os músculos e tendões, o que leva a uma sobrecarga, mas isso ainda não foi comprovado pela ciência.

Outra causa possível seria a fadiga muscular motivada pelo excesso de atividades físicas e brincadeiras no decorrer do dia, que pode ser agrava pelo estresse. Também pode ter origem hereditária, visto que os pais de crianças que sofrem desse mal passaram pelo mesmo problema na infância.

Ainda não existe comprovação científica sobre a relação do termo dor do crescimento, que é um termo conhecido e usado, com o desenvolvimento infantil. Entretanto, as crianças sentem realmente dor.

A dor é mais frequente nas pernas e pés, e surge mais no período do final da tarde e início da noite.

A dor do crescimento pode dura por meses ou até anos, pois é uma dor que vai e volta, no geral, a dor dura alguns minutos, mas em alguns casos pode durar de 1 a 2 horas. Em 70 a 80% dos casos a dor vai embora com o passar dos anos, em outros pode permanecer até a vida adulta.

O Blog Homeopatia e Saúde, que é um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, com o propósito de informar trouxe mais essa curiosidade para vocês. Para qualquer dúvida consulte sempre um especialista, mais informações: https://goo.gl/GT2LRc

TAGS: Família, Criança, Saúde, Dor do Crescimento, Dores

Atitudes simples que ajudam a estimular a inteligência dos bebês

Assim que nascem os bebês já são capazes de interagir e aprender com o meio social que os cerca. Conviver com os pais é a melhor forma de estimulação ainda nos primeiros anos de vida dos pequenos. Esse contato é muito benéfico para a saúde física e mental das crianças. Ainda não se convenceu?  A ciência já comprovou que 50% do desenvolvimento do cérebro infantil acontece no primeiro ano de vida. É nessa fase que os estímulos certos podem ajudar a melhorar a inteligência e percepção infantil.

A partir dos estímulos os pais conseguem transmitir mensagens que constroem o universo afetivo, psíquico e cultural do bebê.

O Blog Homeopatia e Saúde, que é um espaço informativo da Clínica Similia Homeopatia de qualidade em São Paulo – próximo da Av. Paulista, filiada ao Dr. Ariovaldo Ribeiro e a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, lista a seguir algumas atitudes que os pais podem tomar para estimular a inteligência dos pequenos.

Sempre que estiver amamentando ou conversando com o bebê mantenha o contato visual, são em momentos como esse que a criança começa a registrar sensações e construir a memória, visto que os bebês já nascem prontos para essa vivência com a mãe.

Demonstre os seus sentimentos, pois as crianças são capazes de ler as expressões faciais e corporais dos adultos em sua volta.

Cante para o seu bebê, ou coloque música para ele escutar, estudos já comprovaram que a música clássica ajuda no aprendizado da matemática.

Na hora de trocar a fralda dê leves batidinhas na barriga e no bumbum da criança, essa atitude vai despertar o sentido do humor.

Converse com o seu bebê, fale sobre qualquer coisa como: o tempo, sobre como ele mudou a sua vida, o importante é sempre conversar com a criança. Não se esqueça de fazer pausas durante a conversa para o bebê aprender o momento de falar e o de ouvir, isso vai ajudá-lo a perceber a melodia e o timbre da sua voz.

Leve o bebê para passear, ele precisa de outros tipos de estímulos para se desenvolver, mas tenha cuidado com a quantidade e qualidade desses estímulos, pois o excesso pode deixar o bebê mais agitado.

Durante o banho aproveite esse momento para ensinar os pequenos as partes do corpo humano, enquanto a criança se diverte você vai dizendo o nome dos membros do corpinho dele.

A partir do quinto mês brinque com o bebê na frente do espelho e mostre coisas novas, como o umbigo.

Deixe o bebê sentir o cheiro das coisas na hora do banho, do almoço, essa simples atitude vai ajudar a criança a desenvolver sensações básicas de prazer e satisfação.

Brincar de esconde-esconde, essa brincadeira ajuda os bebês a superar situações de separação, como no caso da mãe que sai para trabalhar.

Deixe as crianças manusearem objetos coloridos e com luzes.

Permita que o bebê ande sobre o seu corpo, isso vai ajudar na coordenação motora da criança.

Faça massagens suaves nos pés, barriga e braços, o contato desencadeia sensações de afeto e segurança.

São pequenas atitudes que os pais podem tomar e ajudar no desenvolvimento intelectual e físico do bebê, entretanto é importante respeitar o tempo de desenvolvimento da criança, pois cada indivíduo tem o seu ritmo próprio de evolução.

Para matéria completa acesse: https://goo.gl/MzUVfR

 

 

TAGS: Bebês, desenvolvimento, afeto, estimulo, inteligência