Monthly Archives: fevereiro 2016

Caixa preta da esquizofrenia

Mais uma matéria que o Blog Homeopatia e Saúde selecionou. A revista Veja publicou uma texto sobre uma descoberta que cientistas fizeram para desvendar mecanismos de doenças mentais e acelerar processos de cura e tratamento.

Neurocientistas americanos pesquisaram em 22 países com centenas de voluntários e descobriram que o risco de esquizofrenia em jovens está ligado à um gene (conhecido como C4,ou componente complementar 4) presente no sistema imunológico que controla a redução de células e conexão cerebral que não são mais necessárias ao corpo.

Afetando mais de 25 milhões de pessoas no mundo todo, com um expressivo porcentual  de jovens portadores da síndrome, a doença está a um passo de deixar de ser um enigma para os médicos , caminhando para um tratamento mais eficaz e quem sabe, a uma cura definitiva.

Entenda melhor lendo na íntegra: http://goo.gl/tDnOoE 

Alimentação Vegana: Entenda os prós e contras

Uma moda ou alimentação realmente saudável? O Blog Homeopatia e Saúde foi buscar as vantagens e desvantagens para quem deixa de ingerir proteína animal.

Alimentação-Vegetariana

Entendendo melhor o Veganismo

Uma alternativa para quem se preocupa com o meio ambiente e tem forte apego aos animais, o veganismo não é só uma dieta alimentar, é também uma filosofia ética, religiosa, social e moral que modifica hábitos alimentares e sociais, mudando o olhar sobre a vida e consequentemente, mudando também o paladar sobre a própria alimentação.

A alimentação vegana exclui todo alimento de origem animal, e isso inclui além de carnes de aves, boi, peixe, porco, ou outros animais, seus derivados tais como leite, ovos, etc..

Como explicado acima, o veganismo é uma filosofia vegana, porém ela vem sendo usada para quem deseja perder peso através de uma alimentação com baixas calorias, já que a exclusão da gordura animal contribui significativamente para equilibrar os níveis de colesterol e gorduras no sangue.

Os adeptos da dieta vegana tem uma alimentação que consiste estritamente no consumo de alimentos de origem vegetal, como as frutas, os legumes e as verduras, além de leguminosas, cereais, nozes e sementes. É uma dieta simples de seguir, porém como toda alteração alimentar, apresenta seus prós e contras. Vejamos:

Vantagens apresentadas:

A Associação Dietética Americana lançou um estudo onde se propõe que a dieta vegana seja obrigatoriamente indicada na prevenção de doenças crônicas como diabetes, obesidade, câncer e hipertensão, sem restrição de idades, de crianças a adultos.

A justificativa baseia-se nos resultados apresentados em que os níveis de gorduras sanguíneas são baixos, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares, assim como o alto consumo de fibras estimula o bom funcionamento intestinal, além de promover a saciedade por mais tempo quando comparado com outras formas de alimentação.

Embora nada oficial tenha sido publicado, estima-se que os adeptos da alimentação natural sejam em número muito menor de pacientes portadores de doenças graves do que os que se alimentam de forma mais tradicional, onde o consumo de carne e embutidos é cotidiano. Os resultados obtidos relatam que algumas doenças tiveram seus sintomas amenizados e os riscos de gravidade diminuídos significativamente, após pouco tempo da dieta vegana introduzida ao paciente.

No entanto, deve-se levar em conta que ao retirar a carne animal, outros alimentos são introduzidos em acréscimo, o que pode significar que novos minerais e vitaminas alteraram positivamente no resultado da saúde dos pacientes enfermos.

Por reduzir alimentos considerados habituais da dieta, em especial a cozinha dos brasileiros acostumados ao consumo exagerado de carnes, o adepto do veganismo acaba conhecendo novos sabores e consumindo diversas outras fontes de vitaminas e minerais que antes eram ignoradas. É praticamente uma reeducação alimentar.

Alimentos industrializados acabam sumindo da mesa dos veganos, o que é positivamente saudável, dando lugar à alimentos mais frescos e sem aditivos.

Favorece perda de peso, não só pela modificação alimentar, mas também pela diminuição de gorduras ingeridas através das carnes.

Desvantagens:

Excluindo alimentos de origem animal da alimentação, perdemos quantidade significativa de nutrientes como B12, cálcio, ferro e zinco, minerais importantes para manter a saúde dos ossos, sangue e dentes,exigindo constante e atenta monitoração para controlar os níveis adequados de ferro e demais vitaminas, e caso seja necessário,completar com suplementação química receitada por médicos e nutrólogos, através de vitaminas  específicas.

Muito restritiva, exige uma mudança drástica nos hábitos alimentares, podendo trazer emoções conflitantes e alguns transtornos e passa a exigir adaptações sociais, uma vez que quase todas festividades e comércios onde servem alimentos não priorizam os seguidores do veganismo, deixando as festividades sociais com poucas alternativas para comer e beber sem que interfira na dieta. Para um vegano, sair de casa para se divertir requer também uma logística que envolve conhecer o local e a alimentação oferecia ou levar a sua própria marmita de casa.

Se mal feita, a dieta vegana certamente será fonte de transtornos à saúde, pois exige uma monitoração constante junto ao seu médico de confiança, para isso, é importante uma comunicação presente entre ambos.

Por se tratar de uma dieta drástica, não é recomendável que seja introduzida por conta própria, uma vez que sintomas como depressão, cansaço extremo e apatia podem se desenvolver se introduzida sem cuidado ou atenção necessária. A adaptação ao veganismo deve ser feita aos poucos, com paciência e acompanhamento de perto com profissionais da saúde, a fim de se evitar um choque no organismo e prejuízos à saúde.

veganismo-dieta-veganaPara o Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho, a dieta vegana traz muitas vantagens para o organismo, mas deve-se ser sempre acompanhado por um profissional. “Como os veganos deixam de consumir qualquer tipo de proteínas de origem animal, é importante que quem escolha a alimentação vegana faça sempre um acompanhamento com seu médico de confiança. A importante que se façam sempre exames para detectar a deficiência de algum nutriente ou vitamina”, explica o médico homeopata.

Estudo revela horas de sono necessárias para cada idade

Mais um texto selecionado pelo Blog Homeopatia e Saúde, a matéria da Veja indica qual a quantidade de sono necessária para cada idade.

A quantidade de horas de sono certa é importante para afastar problemas de saúde como cansaço, falta de concentração, depressão e Ansiedade. A revista Veja falou com a Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos e teve acesso a sua mais recente pesquisa que determina a quantidade de horas necessárias para cada fase da vida.

Saiba mais na revisa: http://goo.gl/5jM2Qk

Porque mosquitos picam algumas pessoas e à outras não?

O Blog Homeopatia e Saúde, e os Doutores Ariovaldo Ribeiro Filho e Ana Lucia Dias Paulo, sempre em busca de informar sobre saúde e bem-estar, garimpou uma matéria publicada pela BBC Brasil, que tenta explicar porque algumas pessoas são picadas por mosquitos e outras não.

No texto, o reporte entrevista cientistas que alegam que a principal diferente entre os que são picados e os que não são é o suor que produzimos.

Nessa equação que separa sortudos e azarados entram a quantidade de suor que cada pessoa tem e seu cheiro peculiar expelido através dele. Isso foi descoberto depois que estudaram pessoas que não possuem a capacidade de suar versus os que suam demais.

Leia o texto na integra e descubra em que grupo você está.

Acesse: http://goo.gl/36ewxX

Labirintite

De repente o chão oscila, um enjoo terrível nos acomete e parece que estamos dentro de um navio balançando em plena tempestade tropical! Isso é o que acontece quando uma pessoa tem uma crise de labirintite. O blog Homeopatia e Saúde vem explicar tudo sobre a labirintite.

A labirintite é uma doença do ouvido, podendo ser de origem bacteriana ou viral, que ataca o labirinto e afeta, entre outras coisas, as estruturas responsáveis pelo equilíbrio corporal, daí a sensação de desequilíbrio seguido de tonturas fortes e oscilação constante.

labirintite similia

Funciona assim, quando inflamadas as áreas do ouvido interno fazem os nervos do vestíbulo acabarem enviando sinais errados e confusos ao cérebro, como se o corpo estivesse se movimentando – vestíbulo é um conjunto de órgãos do ouvido interno responsáveis por comandar o equilíbrio corporal.

No entanto, os demais órgãos como pernas, braços e olhos não recebem essa mesma informação, causando confusão entre os estímulos emitidos pelo cérebro e o que de fato nosso corpo age, fazendo acontecer o desequilíbrio e a tontura intensa.

Muito comum entre mulheres e idosos, por serem mais suscetíveis aos principais sintomas de tontura e náuseas de modo geral, a doença também pode atacar os mais jovens por hábitos nocivos como stress e consumo excessivo de cigarro e álcool. Outro fator que os especialistas apontam entre os mais jovens é o uso exagerado de fones de ouvido, uma vez que o som muito alto aliado à exposição freqüente de ruídos costumam lesionar as células sensoriais de órgãos internos do ouvido que ficam em contato íntimo com o labirinto.

Além do mais, a sujeira acumulada nos fones de ouvido costuma levar bactérias às paredes internas do ouvido e podem causar algumas infecções e diversas inflamações, muitas vezes levando á ocorrência de labirintite.

Para o Dr. Ariovaldo Ribeiro Filho, o maior perigo dessa doença é o surgimento de crises que levam a eventuais quedas acidentes. “Normalmente a pessoa que está em crise tem tendência a cair para um dos lados, e isso, essa vertigem, pode provocar acidentes. As náuseas e vómitos costumas acompanhar as crises também”, explica o médico homeopata.

Alguns fatores de risco contribuem para o surgimento da labirintite ou mesmo um agravamento quando a pessoa já tem o diagnóstico clínico confirmado:

  • Hipoglicemia
  • Colesterol alto
  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Consumo exagerado de álcool
  • Otite
  • Tabagismo
  • Cafeína em excesso
  • Ácido úrico desequilibrado
  • Alimentação deficiente
  • Alguns medicamentos usados no controle da depressão, uso antibióticos e de antiinflamatórios
  • Excesso de açúcar
  • Bebidas que contém quinino, como as gaseificadas
  • Depressão, estados de angústia como síndrome do pânico

Os principais sintomas relatados, que podem perdurar por dias, dependendo do grau de intensidade da crise, são:

  • Vertigem
  • Náuseas acompanhadas de vômito, na maior parte das vezes
  • Suor excessivo
  • Zumbidos no ouvido
  • Alterações gástricas e intestinais
  • Audição comprometida
  • Desequilíbrio
  • Febre
  • Infecções em diversas partes do corpo
  • Descontrole no movimento dos olhos, conhecido cientificamente como nistagmo
  • Fraqueza
  • Em casos raros, convulsões
  • Desmaios

Ao perceber esses sintomas, isolados ou em conjunto de outros, o paciente deve procurar um médico, a fim de realizar exames indicados por ele, que costumam ser eletroencefalograma, exames de audição específicos, ressonância magnética da cabeça, entre outros exames, para definir o diagnóstico exato e iniciar o tratamento correto.

Atualmente, novos tratamentos são usados com muita eficiência para amenizar as crises de labirintite, inclusive fisioterapia, que embora não seja uma doença perigosa, causa muitos transtornos e incômodos ao paciente.

O tratamento, além de medicamentos e fisioterapias específicas, inclui uma mudança de vida significativa, como evitar bebidas alcoólicas e fumo, adotar uma dieta saudável, atividades físicas, que além de equilibrar a saúde de uma forma geral, ajudam no controle do stress e da ansiedade, que são um dos fatores desencadeantes de crises de labirintite.

Durante a crise, o paciente deve tomar algumas medidas a fim de diminuir o desconforto e apressar a cura, tais como:

  • Se manter quieto e descansar o máximo possível
  • Evitar stress ou aborrecimento, pois a doença é intimamente ligada aos estados de espírito alterados, como ansiedade, depressão e nervosismo.
  • Evitar movimentos bruscos
  • Evitar esforço físico e sobre carga muscular
  • Procure ambientes de pouca claridade, evitando leitura e estímulos visuais
  • Dirigir carro ou moto, operar eletrônicos cortantes são atividades que só podem ser realizadas apenas 15 dias após o sumiço dos sintomas.
  • Subir escadas se torna uma ação de risco até uma semana depois da crise aguda.

Após o tratamento, em poucos dias os sintomas mais agressivos desaparecem, como a instabilidade e a angustiante sensação de pisar no espaço vazio, mas deve-se lembrar sempre que mesmo desaparecendo os sintomas agressivos, a doença ainda não foi estabilizada completamente e seu controle é lento e exige constante atenção, principalmente quanto aos hábitos e estilo de vida, tanto alimentar quanto emocional.

“A homeopatia pode ajudar, com medicamentos e no controle dessa doença, evitando que a pessoa entre em crise”, completa Dr. Ariovaldo.

Procure sempre um médico se sua confiança.

Cuidado com a Desidratação!

Com o calor, eventos nas ruas como carnaval, por exemplo, e agitação física: Além da alegria, seu organismo também pode ser tomado por uma desidratação severa com essa combinação. O Blog Homeopatia e Saúde foi investigar o que acontece no seu corpo quando ele desidrata.

 A desidratação acontece quando perdemos mais líquidos do que repomos: junto da água, o organismo perde também sais minerais e vitaminas, desequilibrando de maneira severa todo o funcionamento perfeito do corpo. Parece comercial de isotônico, mas é a verdade.

Além disso, a água é a responsável por nutrir as células do nosso corpo garantindo que todas as funções sejam cumpridas de forma saudável, transportando o oxigênio e sais minerais que o organismo precisa diariamente.

Para quem brinca atrás do trio elétrico, por exemplo, dançando e pulando em baixo de um sol de verão beirando os 40 graus, o cuidado com a hidratação deve ser mais rigoroso e atento, porque com um calor excessivo e atividade física intensa também perdemos sais minerais, sódio e potássio.

Para evitar a desidratação e suprir as necessidades, preste atenção nesses sintomas:

  • Irritação
  • Aumento da sede
  • Perda da elasticidade da pele
  • Olhos fundos
  • Diminuição na quantidade de urina expelida.
  • Fraqueza
  • Câimbras

Desidratação e o consumo de Álcool

Vale lembrar que no caso de consumo de bebidas alcoólicas esse processo é mais rápido. Um dos motivos é que o consumo do álcool diminui a produção de um hormônio antidiurético e, com isso, a pessoa urina mais. Além disso, o álcool aumenta a pressão, faz a pessoa suar e perder mais líquido do corpo.

Funciona assim quando bebemos: O órgão responsável por metabolizar o álcool é o fígado, e que ele só metaboliza em média uma dose de bebida alcoólica por hora – entenda uma dose como uma lata de cerveja (360ml), uma taça de vinho (100ml) ou de destilado (40ml).

Como está calor, e o corpo já está suando, ao ingerir uma quantidade de álcool que o corpo não consegue filtrar, o corpo passa a eliminar a água. Portanto, se tomarmos seis latas de cerveja, por exemplo, nosso fígado irá levar seis horas para metabolizar todo o álcool presente em nosso corpo. E enquanto o fígado metaboliza a primeira latinha, o resto do álcool fica circulando no sangue e intoxicando, causando alterações e danos em diferentes órgãos.

Analisando sua própria urina

A cor da urina também é um indicativo forte e bem fácil para diagnosticar os sinais de como anda a sua saúde, não apenas na desidratação, mas em geral. Preste atenção nos seguintes indicativos de cores da urina e seus significados.

  • Urina sem cor, transparente: muita água, o que também não é bom (ou excesso de álcool, pois o rim não está filtrando corretamente)
  • Amarelo claro e amarelo: boa hidratação continue assim.
  • Amarelo forte ou escuro: normal, mas indica a necessidade de mais hidratação.
  • Cor de mel: pouca hidratação.
  • Avermelhado: pode ser indícios de corante alimentar ou sangue na urina.
  • Laranja: hidratação insuficiente ou problemas no fígado
  • Azul ou verde: presença de corante forte ou alguma bactéria.
  • Espuma na urina: presença de excesso de proteínas.

Como foi exposto acima, uma análise a olho nu da própria urina pode indicar a normalidade ou detectar precocemente a presença de alguma doença ou disfunção orgânica, que não é apenas sobre rins, mas de outros órgãos também. Para uma melhor observação, usar um copo plástico para recolher a urina pode ajudar na observação. Caso perceba algo estranho, entre em contato com um médico urgentemente, só um profissional qualificado poderá indicar o melhor tratamento.

Como repor da maneira mais saudável e rápida:

desidratação homeopatia e saúde

Se tiver alguma resistência em tomar mais água, abuse de alimentos ricos, como melancia, melão, maça, pepino, água de coco batido com alguma fruta e verduras em geral. Além de serem ricos em água, esses alimentos são menos calóricos e exigem menos esforço do organismo. Outra dica gostosa no verão são os picolés de frutas, que refrescam e hidratam com sabor além dos isotônicos, que possuem todos os sais minerais necessários para reporem o que já foi perdido através do esforço físico e do suor.

A cada trinta minutos, deve-se repor o líquido perdido, da forma que melhor escolher, mas sempre dando preferência aos sucos naturais ao invés de refrigerantes. Lembre-se que as bebidas alcoólicas aumentam a diurese, apressando mais ainda a desidratação e mesmo sendo líquidos, não contribuem para hidratar nem para fornecer nutrientes. Portanto, a cada copo de cerveja, dois de água devem ser tomados, só assim a reposição será de um perfeito equilíbrio.

Quanto se deve tomar de água no verão, para evitar uma perda excessiva?

Pelo menos dois litros de água, que podem ser divididos em sucos, chás ou outras bebidas refrescantes.

Com esses simples cuidados e um pouco de atenção, sua alegria estará garantida e sua saúde segura para brincar durante o verão sem ter nenhum problema.

Crianças e Idosos

Os idosos têm por hábitos esquecer de ingerir água. Então atenção redobrada à quantidade de água que estão tomando, principalmente quando fazem uso de medicamentos de uso contínuo.

As crianças também, em meio as brincadeiras, esquecem de beber água. Leia o texto sobre água e os bebês, e saiba como e quando inserir água na alimentação do bebê.

Sinais de desidratação – Atenção

Desidratação - Homeopatia e Saúde

Ser Mulher – O que é Endometriose?

O principal fator que leva a mulher a infertilidade, a endometriose afeta entre 7 a 10 milhões de mulheres, somente no Brasil. Entenda nesse texto do Blog Homeopatia e Saúde, o que é, quais as causas e tratamentos da Endometriose.

O que é endometriose?

Silenciosa na maior parte das vezes, a endometriose atinge mulheres desde a primeira menstruação até a última e o diagnóstico definitivo acontece por volta dos 30 anos de idade. No Brasil, são entre 7 e 10 milhões de mulheres sofrendo com a doença e dessas, 30 % correm o risco de ficarem estéreis devido ao desconhecimento tardio e o tratamento errado da doença.

endometriose - similiaPara entender melhor: o endométrio é o tecido que recobre o interior do útero e a doença se caracteriza quando esse tecido cresce fora da cavidade uterina, atingindo órgãos como intestinos, trompas, bexiga, ovários, vagina e reto e causando severas inflamações.

Além de causar dores intensas, desconforto pela hemorragia menstrual, a doença atinge também o lado emocional da paciente, uma vez que sua qualidade de vida se torna muito comprometida, impedindo ou prejudicando sua vida social e atividades normais.

Principais sintomas:

  • Menstruação intensa com fortes cólicas
  • Dor pré-menstrual
  • Dor e desconforto durante a relação sexual
  • Dor na região da pélvis
  • Cansaço extremo
  • Dor ao defecar
  • Dor ao urinar
  • Gases
  • Inchaço abdominal
  • Presença de sangue na urina e fezes
  • Dificuldade para engravidar
  • Alteração intestinal e urinária, durante o período menstrual

Qual a causa da endometriose?

Não há uma pesquisa conclusiva sobre a causa, o que se sabe de fato é que a doença acomete mais as mulheres com histórico familiar de endometriose, como filhas e irmãs de pacientes com o diagnóstico, onde um baixo nível de progesterona que causa um descontrole hormonal pode ser um dos fatores do surgimento da doença.

Outra provável causa é a menstruação retrógada, quando uma parte do sangue menstrual flui através da trompa. No entanto, é importante frisar que muitas mulheres com endometriose não acusam sintoma algum dos citados, e só descobrem a doença quando não conseguem engravidar. Especialistas sugerem que a vida moderna, onde a mulher demora mais a engravidar porque privilegia a profissão, tem menos filhos e, portanto, menstruam por mais tempo, também pode ser considerado um fator para o surgimento da doença.

Para confirmar o diagnóstico, é necessário realizar uma videolaparoscopia, ultrassonografia ou ressonância magnética. Pode ser importante também a realização de uma biópsia, a fim de identificar o grau da lesão nos órgãos atingidos, mas apenas se a situação parecer mais grave.

Porque a endometriose pode causar infertilidade em mulheres saudáveis?

Durante a ovulação na mulher saudável a trompa abraça o ovário, provocando a fertilização normal. Com a presença da endometriose, a trompa está grudada pelo tecido impedindo a fertilização.

Como é feito o tratamento?

É primordial um tratamento correto, que pode ser simples, a base de contraceptivos hormonais, antiinflamatórios, analgésicos e hormônios ou, se a gravidade da doença exigir, intervenção cirúrgica de pequeno porte e de rápida recuperação. O tratamento varia conforme a área que foi afetada, o grau de intensidade dos sintomas e da inflamação, a tolerância da paciente quanto aos sintomas exibidos (como dor, desconforto, ansiedade, depressão), a idade, o estilo de vida, etc..

Aliados aos medicamentos, os exercícios físicos específicos, como os aeróbicos e uma alimentação mais saudável são extremamente importantes para uma resposta positiva mais rápida. Uma dieta balanceada para diminuir o peso é indicada, já que a gordura corporal em pacientes acima do peso demonstra aumentar a gravidade da doença.

Após o tratamento, as chances de a mulher engravidar se tornam bem maiores, o que também favorece na cura da própria doença. Mulheres que já não estão mais em idade fértil que já entraram na menopausa também podem ter endometriose, uma vez que a falta de estrogênio pode agir no desenvolvimento da doença.

Portanto, fique sempre atenta aos sintomas e mesmo que não tenha percebido a presença deles, estar em dia com seus exames clínicos e com suas consultas médicas é a melhor forma de se prevenir ou tratar-se com segurança e tranqüilidade.