Monthly Archives: novembro 2015

As cólicas nos bebês!

Nos primeiros meses de vida, o organismo do bebê ainda está em formação, acostumando-se com tudo do lado de fora do útero da mamãe. E por isso, é comum os bebês sentirem cólicas. O Blog Homeopatia e Saúde foi buscar respostas às dúvidas mais frequentes dos pais quando o assunto é cólicas em bebês.

É um choro contínuo e inconsolável; que deixa os pais desesperados, pois nada parece resolver. E essas crises parecem durar uma eternidade. É desgastante. Cedo ou tarde as cólicas aparecem, tirando sono de mães e pais. Segundo a Dra. Ana Lucia Dias Paulo, pediatra e homeopata, desde os primeiros escritos médicos já se tem notícias de cólicas em bebês. A explicação cientifica é que durante a gestação, enquanto feto o bebê não tem estimulada a musculatura do tecido intestinal. Já nas primeiras mamadas do bebê o intestino começa a encher e o esvaziamento se dá por contração desta musculatura, que costuma ser doloroso. “Esse processo de ajuste do organismo pode ocorrer até os 3 meses de idade, quando esta musculatura amadurece e se ajusta aos novos movimentos. E o esforço já não é tão doloroso”, explica Dra. Ana Lucia.

É bom lembrar que cada bebê é um ser diferente, e por isso tem comportamento relativo a dor também diferente. Existem bebês que são muito mais sensíveis a estímulos dolorosos, e outros mais tolerantes. Há casos de bebês que passam por essa fase sem nenhuma cólica. De acordo com a Dra. Ana Lucia essa característica de maior ou menor tolerância à estímulos que causam dor parecem ser hereditários, herdada principalmente da mãe. “Bebês filhos de pais ou mães, sensíveis demais seja na infância ou mesmo na fase adulta a quadros dolorosos, podem ter filhos com estas mesmas características”, expõe Dra. Ana Lucia.

Dra. Ana recomenda que para evitar que os bebês tenham essa intolerância a dor as mães, devem fugir do uso de analgésicos durante a gestação. Isso pode diminuir a capacidade reacional ao estimulo doloroso do bebê em formação. “Também é sabido, mas não custa lembrar que não se deve medicar sem a prescrição médica o bebê, pois o uso indiscriminado de substancias analgésicas podem sensibilizar demais esta criança para o futuro dela”, completa a pediatra.

Atenção

BebeApesar de muitas pessoas tenderem a acreditar que seja mito, a alimentação da mãe que amamenta pode sim causar cólicas no bebê. Mas isso não quer dizer que a mãe deve deixar de comer tudo que pode causar o incomodo, pois muitos desses alimentos são importantes para o organismo da mãe que amamenta e do bebê que precisa da substância. A Dra. Ana Lucia explica como agir diante de alguns alimentes que podem causar cólicas: “Alguns desses alimentos são importantes fontes de ferro e proteína vegetal, como as leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico). Para consumi-los a dica é deixá-los de molho em água pura e limpa, por 12 horas antes do cozimento. Troque a água antes de cozinhar. A mesma dica pode ser utilizada com folhas verdes escuras (couve manteiga, mostarda, escarola). Elas podem ficar de milho em água pura e limpa 30 minutos antes de cozinhar e depois de lavadas”, informou Dra. Ana Lucia.

Porém alguns alimentos devem mesmo ser evitados pelas mães que estão amamentando. “No caso de embutidos como salsicha, linguiça, frios (salame, mortadela, presunto e outros da mesma natureza), temperos artificiais prontos industrializados (mostarda, pimenta, ketchup, maionese, caldos prontos, etc) deve-se mesmo evitar o consumo. Pois podem provocar cólicas nos bebês e não trazem nenhum benefício nutricional para ambos (mães e bebês) ”, explica a médica.

Boa notícia – assim como começam, as cólicas um dia sessam. Segundo nossa especialista, por volta de 3 a 5 meses de idade do bebê. “Mas existem crianças que podem ir além deste prazo, sendo assim o pediatra deve ser consultado para fazer uma diferenciação diagnóstica. Com os refluxos, as síndromes de má absorção, intolerância a lactose, etc.”, relata Dra. Ana Lucia.

E como acalmar os bebês com cólica?

downloadMantenha-se calmo. Essa é a primeira dica. Calma e paciência pois as crises tendem a melhorar conforme o bebê cresce. Também é bom lembrar que brigar com o bebê só vai deixa-lo mais nervoso e irritado. “O pais , podem  colocar uma bolsa de água quente sobre o abdômen do bebê (cuidado com a temperatura), o calor local alivia bastante. Podem também massagear levemente a barriga do bebê no sentido horário, o que pode dar um grande alívio. Essa massagem pode ser feita com óleo antialérgico, pois que facilita a massagem” dá a dica a pediatra.

O importante é lembrar que essa é uma fase normal. E que o pediatra de sua confiança deve sempre acompanhar o bebê.

 

O “Dia da Homeopatia” no Brasil – 21 de Novembro

Samuel Hahnemann

Samuel Hahnemann

Benoit Jules Mure é considerado o introdutor na Homeopatia no Brasil. Discípulo de Charles Fourier, um dos mais expressivos filósofos franceses do século XVIII, em 21 de novembro de 1840, Mure vem ao Brasil com o objetivo de instalar e fazer prosperar aqui um “falanstério”, como se designava as comunidades formadas segundo os modelos propostos por Fourier.

Contando com a simpatia de algumas importantes autoridades brasileiras, especialmente a de José Bonifácio de Andrada e Silva, Mure obtém concessão de terras no local que havia escolhido para sua experiência comunitária, a Barra do Sahy, na divisa dos Estados do Paraná e de Santa Catarina.

Após cerca de dois anos, devido principalmente a várias cisões entre os colonos, fracassa o ideal comunitário de Mure, e ele que já militava difundindo a homeopatia na Europa, regressa de Sahy ao Rio de Janeiro, propondo-se ao projeto de implantar e difundir a Homeopatia no Brasil.

Bento Mure

Bento Mure

Em 19 de dezembro de 1841 ele escreve no Jornal do Comércio o primeiro artigo versando sobre a homeopatia. Depois disto, mantendo intensa produção literária, ele funda em 1844 o Instituto Homeopático do Brasil e em 1845 a Escola Homeopática do Brasil que é reconhecida oficialmente em 1846. Em 1847 ele forma a primeira turma de médicos homeopatas em nosso país.

Em 1848 Mure retorna à Europa, deixando a nós um legado sem igual que persiste até nossos dias.

Feliz “Dia da Homeopatia” a todos!

 

Ariovaldo Ribeiro Filho

Diabetes

Diabetes é uma síndrome metabólica, que atinge mais de 12 milhões de pessoas apenas no Brasil. O Blog Homeopatia e Saúde foi investigar as causas mais comuns da diabetes e como prevenir o aparecimento desse mal.

downloadSegundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), o número de pacientes com diabetes no Brasil quase 13 milhões. Esse número foi atualizado no censo de 2010. De origem múltipla o diabetes é decorrente da falta de insulina ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos, causando um aumento da glicose (açúcar) no sangue.

O que é diabetes?

O diabetes acontece porque o pâncreas não é capaz de produzir o hormônio insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo, ou porque este hormônio não é capaz de agir de maneira adequada (resistência à insulina).

A insulina promove a redução da glicemia ao permitir que o açúcar que está presente no sangue possa penetrar dentro das células, para ser utilizado como fonte de energia. Portanto, se houver falta desse hormônio, ou mesmo se ele não agir corretamente, haverá aumento de glicose no sangue e, consequentemente, o diabetes.

O diabetes tipo 1 é resultante da destruição autoimune das células produtoras de insulina. O diagnóstico desse tipo de diabetes acontece, em geral, durante a infância e a adolescência, mas pode também ocorrer em outras faixas etárias.

Já no diabetes tipo 2, o pâncreas produz insulina, mas há incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. Esse tipo de diabetes é mais comum em pessoas com mais de 40 anos, acima do peso, sedentárias, sem hábitos saudáveis de alimentação, mas também pode ocorrer em jovens.

Mitos

diabetes_4__O jornal do Estado de São Paulo, publicou essa semana uma série de mitos sobre diabetes. Compilamos as melhores respostas.

1 – Diabético pode consumir mel e caldo de cana sem problemas

MITO: O consumo desses alimentos não é aconselhável. Eles são ricos em açúcar e podem atrapalhar o controle da glicemia

2 – A aplicação de insulina causa dependência química

MITO: A insulina não provoca dependência. Quando o paciente precisa deste hormônio com frequência é porque ele realmente é deficiente na produção da insulina

3 – Não comer doce evita diabetes

MITO: além dos doces, outros alimentos também podem se transformar em açúcar no sangue e contribuir para o aparecimento da doença. Entre eles estão os alimentos ricos em amido como pães, bolos, raízes e massas

4 – A fruta é um alimento liberado para o diabético

MITO: O consumo de frutas tem de ser controlado porque elas contêm um açúcar chamado frutose que pode contribuir para o descontrole glicêmico no organismo. A recomendação é que o diabético coma até quatro frutas ao dia, de tipos diferentes e em horários diversos

5 – Canela controla o diabetes

MITO:  Muitos alimentos, como a canela, podem trazer benefício no controle glicêmico. Porém, não substituem a necessidade de dieta, uso do medicamento e acompanhamento médico periódico

6 – O diabético está proibido de ingerir bebida alcoólica

MITO: Ele pode consumir bebidas alcoólicas com moderação e se o médico autorizar. Recomenda-se evitar bebidas adocicadas como vinho doce, caipirinhas que levam açúcar, bem como a cerveja, que contém carboidrato

Tratamento

No tratamento do diabetes, o ideal é que a glicose fique entre 70 e 100mg/dL.  A partir de 100mg/dL  emjejum ou 140mg/dL duas horas após as refeições, considera-se hiperglicemia e, abaixo de 70mg/dL,hipoglicemia. Se a glicose permanecer alta demais por muito tempo, haverá mais possibilidade de complicações de curto e longo prazo. A hipoglicemia pode causar sintomas indesejáveis e com complicações que merecem atenção.

Tanto insulina, quanto medicação oral podem ser usadas para o tratamento do diabetes. A insulina é sempre usada no tratamento de pacientes com diabetes tipo 1, mas também pode ser usada em diabetes gestacional e diabetes tipo 2 (quando o pâncreas começa a não produzir mais insulina em quantidade suficiente).  A medicação oral é usada no tratamento de diabetes tipo 2 e, dependendo do princípio ativo, tem o papel de diminuir a resistência à insulina ou de estimular o pâncreas a produzir mais desse hormônio.

A prática de exercícios pode ajudar a controlar a glicemia e a perder gordura corporal, além de aliviar o estresse. Por isso, pessoas com diabetes devem escolher alguma atividade física e praticar com regularidade, sob orientação médica e de um profissional de educação física.

Ainda não há cura para o diabetes. Porém, estão sendo realizados estudos que, no futuro, podem levar à cura. Para o diabetes tipo 1, está sendo estudada a terapia com células-tronco em pacientes recém-diagnosticados. Já para o diabetes tipo 2, os estudos com a cirurgia de redução de estômago (gastroplastia) têm mostrado aparentes bons resultados, mesmo em pacientes que não estão acima do peso. Salienta-se que esses métodos ainda são absolutamente experimentais.

 

Gravidez e tratamentos estéticos – O que pode e o que não pode?

Para quem está esperando bebê, todo cuidado é pouco. Muitos produtos de beleza contêm substância prejudiciais à criança. Então o Blog Homeopatia e Saúde pesquisou e fez uma lista de tudo que a mulher que está gravida não pode chegar perto, e do que convém evitar.

Na gravidez a mulher deve ficar mais atenta às mudanças que seu corpo passa, e por isso, muitas vezes recorrem a tratamentos estéticos, para amenizar possível reações desagradáveis, como estrias, inchaço, etc. Sem falar em procedimentos de beleza, que muitas vezes a mulher já está acostumada, como químicas nos cabelos, etc, que devem obedecer outras regras, já que agora elas guardam a criação de uma nova vida.

creme-gravidez-perigosPor isso fizemos uma lista de tudo que não pode, e do que convém evitar. Em geral, gestantes devem sempre tomar muito cuidado antes de fazer tratamentos ou usar qualquer produto de beleza, seja na pele ou no cabelo. Na dúvida, procure sempre o médico que está acompanhando o pré-natal, pois dependendo da quantidade e frequência de uso de certos produtos proibidos para gestantes há graves riscos para o bebê, inclusive de aborto e malformação fetal.

Descoloração de pelos

A água oxigenada é permitida, porém o uso de descolorantes acionados não é recomendado. Lembre-se porém, que a pele da gestante é mais sensível e essa ação pode levar a irritação.

Bronzeador e protetor solar

Gestantes devem usar filtros solares ou bloqueadores diariamente. já bronzeadores não são indicados para nenhuma pessoa, principalmente gestantes.

Vale lembrar que existe um protetor solar ideal para cada tipo de pele. O mais adequado é que a gestante procure a orientação de um dermatologista para saber qual o produto certo para ela durante a gestação, quando a pele pode sofrer alterações de oleosidade..

Esmaltes e Acetona

As soluções removedoras de esmaltes que contém concentração máxima de 50% de acetona em sua fórmula e esmaltes podem ser usadas durante a gestação e a amamentação sem problemas.

Depilação

Não há restrições para depilação com cera, tanto fria quanto quente, e lâminas durante a gestação. Porém, é bom evitar o uso de cremes depilatórios à base de tioglicolato, pois pode haver absorção da substância pela pele.

A depilação a laser é proibida na fase gestacional, mas não há contraindicação na fase da amamentação.

gravidez_e_produtos_quimicos_para_o_cabelo_o_que_p__16a02bada4Cosméticos

Todo produto registrado como cosmético não pode ter restrições para gestantes ou mamães amamentando. Sob o ponto de vista dermatológico, o certo é consultar um especialista para indicar os melhores produtos para cada tipo de pele.

Cosméticos anti-idade

Está proibido às gestantes o uso de produtos que contenham em sua fórmula ácido retinoico, ácido glicólico e hidroquinona.

Gel redutor

Apesar de não haver contraindicação na bula, a maioria dos médicos recomenda evitar géis redutores e outros produtos que possam provocar irritação na pele ou calor local, pois podem gerar uma vasodilatação intensa e alterar a pressão arterial da gestante.

Hidratante e óleos para banhos

Qualquer hidratante usado não pode conter ureia acima de 3%. Os demais hidratantes, em geral, não apresentam problema, mas o ideal é que seja prescrito pelo dermatologista.

Xampu normal, anticaspas, contra piolhos

Não há problema em usar xampus comuns. Mas, em geral, xampus de tratamento anticaspa ou contra piolhos não são registrados como cosméticos e sim como medicamentos. Em muitos casos, o xampu anticaspa contém uma substância que não deve ser usada na gravidez, o Cetoconazol.

Xampus para tratamento antiparasitários não devem ser usados na gravidez, mas, o médico pode recomendar algum outro tipo de tratamento nesta fase.

Uso de sabonetes de tratamento no próprio corpo e em animais

Sabonetes e xampus antiparasitários não podem ser usados. Sabonetes antissépticos podem alterar a flora bacteriana normal da pele e não devem ser usados sem receita médica por nenhuma pessoa, principalmente se o uso for prolongado. Em caso de necessidade de uso, a gestante poderá usar sabonete de Clorexidine, mas a concentração será estabelecida pelo médico assistente.

A gestante não deve manipular nenhuma substância antiparasitária (contra pulgas, carrapatos e outros) para tratamento de animais, pois poderá haver absorção do produto através da pele.

Esfoliantes para pés e mãos 

Contanto que não haja concentração de ureia acima de 3%, cremes, géis e sabonetes esfoliantes podem ser usados sem riscos pela gestante.

Pintar e alisar os cabelos

Não é permitido tintura, tonalizante ou alisante durante a gravidez, apenas os reflexos com água oxigenada. Na fase de amamentação podem ser usadas as tinturas, tonalizantes e alisantes químicos convencionais, que utilizam tioglicolato de amônia, guanidina e hidróxido de sódio ou lítio.

Escovas progressivas para alisamento dos cabelos que levam formol são proibidas nas fases de gestação e amamentação.

É importante que os produtos utilizados não contenham resorcina, metais pesados, como o chumbo, ou hidroquinona, componentes normalmente encontrados em alisantes ou tintas de cabelos.

O ácido glioxílico também não deve ser utilizados em alisamentos, progressivas, relaxamentos, diminuidores de volumes, quando estes exijam que para alcançarem o efeito desejado (liso dos cabelos) seja necessário utilizar secadores (ar quente), pranchas, chapinhas, etc. ou qualquer fonte de calor, pois o ácido glioxílico quando aquecido libera formol.

tratamentos-pele-1600Laser, botox e bronzeamento artificial

Gestantes não podem fazer nenhum tratamento de laser, botox ou bronzeamento artificial.

Tratamento para micoses

Há algumas substâncias usadas em tratamento para micoses que só o médico pode prescrever. Todos têm certo grau de risco e deve-se pesar o benefício do seu uso e em qual período da gravidez poderá ser utilizado.

Clareamento dental

Clareamento dental, seja com produtos químicos ou laser, não é recomendado durante a gestação. A gengiva da gestante fica mais sensível, por isso mais propensa a sangramentos, o que pode gerar uma inflamação grave, ou até uma infecção. Geralmente, o que os dentistas fazem nesse período é uma limpeza leve.

Intervenções cirúrgicas, plásticas ou lipoaspiração

Em hipótese alguma podem ser realizadas. As cirurgias podem ser abortivas e só são efetuadas em casos de extrema urgência.

Massagens e drenagens linfáticas

Existem dois tipos de massagens que podem ser feitas em gestantes: Massagem clássica, para relaxamento e drenagem linfática manual.

Ambos estilos só são indicados se realizados por profissionais especializados em obstetrícia.

A massagem clássica possui diversos benefícios para a gestante, melhora a ansiedade, o humor, aumenta a qualidade do sono, diminui dores lombares, as complicações na hora do parto e na recuperação pós-parto.

A drenagem linfática tem como maior objetivo diminuir a retenção de líquidos, normalmente imposta pela gestação. Mas, deve-se tomar cuidado com variações na pressão arterial da mamãe. Para realizar um procedimento seguro para mamãe e bebê, o profissional deve medir a pressão antes de iniciar a massagem.

Antissépticos Bucais (enxaguante bucal)

Os antissépticos bucais não são contraindicados na gestação.  Mas, estes produtos normalmente são substâncias alcoólicas, por isso não devem ser engolidos, são feitos apenas para o enxágue bucal.

Selagem do Cabelo

O uso da selagem térmica é baseado no colágeno, na elastina e aplicado a princípio somente no fio do cabelo, portanto, pelas informações disponíveis, não deve ser absorvido pelo organismo e poderá ser realizado durante a gestação. Porém, como medida de segurança, é aconselhável evitar no primeiro trimestre da gravidez, e ainda observar se os fabricantes dos produtos não advertem sobre riscos do uso na gravidez.

ANVISA

Vale ressaltar que todos esse produtos deveriam ser fiscalizados pela ANVISA e consequentemente deveriam orientar o consumidor sobre a segurança ou não dos produtos de acordos com as características do consumidor (se é criança, se é gestante, etc.), porém o que vemos é um fiscalização deficiente e que somente reage após denúncias ou noticiários nacionais e internacionais.

Ser Mulher – Aborto – Espontâneo e doloroso

ser mulherA gravidez é (ou deveria ser) um momento de muita felicidade na vida de uma mulher. Mas nem sempre tudo sai como esperado. No texto desse mês da série “Ser Mulher”, o Blog Homeopatia e Saúde traz um olhar diferente sobre os filhos que não nasceram.

Cerca de 20% das gestações são “perdidas”, ou seja: terminam em um aborto espontâneo. Aliás, esse número pode ser até maior, pois muitas mulheres perdem o bebê antes mesmo de saberem que estão grávidas. Na cultura popular é comum ouvir que uma mulher só conta sobre sua gravidez para os conhecidos após o terceiro mês, pois as chances de abortar diminuem.

aborto-espontaneo

Segundo o Dr. Adailton Salvatore Meira, médico ginecologista, obstetra, especialista na saúde da mulher, a maior causa de aborto são as más formações genéticas do feto. “Infelizmente, essas más formações que geram o aborto são detectadas apenas após a mulher já tê-lo sofrido”, explica o médico.

Quando uma mulher tem uma sequência de abortos, 3, 4 até 5 consecutivos, é chamado de aborto de repetição. Nesse caso, a ajuda de um médico de confiança não é apenas recomendada, mas imprescindível, para que ela consiga superar esse obstáculo e engravidar e, principalmente, para que essa sequência de abortos não a prejudique emocionalmente.

Como evitar?

Muitas vezes a mulher quer tanto um filho que foca sua atenção apenas na gravidez, deixando de pensar que ela, como grávida, deve ter uma boa saúde e uma vida saudável. “Uma vida saudável significa uma alimentação sadia, atividade física coerente e a parte emocional o mais organizada possível. É importante para a futura mamãe estar em harmonia com sua família e com o seu companheiro. Indico que minhas pacientes busquem conhecer a história de vida dos pais, do pai e da mãe, para que ela saiba que vem de uma descendência de pessoas. Assim, ela estará em harmonia consigo, com a família e com o clã ao qual ela pertence”, avalia o Dr. Salvatore.

Como agir se acontecer?

Em primeiro lugar, não se culpe. Como dissemos, mais de 20% das gestações resultam em abortos. Procure um médico ou pronto atendimento. Após o aborto ser confirmado a mulher deverá ser orientada a retornar para casa e esperar que o organismo elimine todo o conteúdo do útero. “É comum, hoje em dia, que o procedimento da curetagem seja indicado logo de cara, porém é uma situação natural do organismo. Depois do sangramento que dura entre 7 e 10 dias é indicada a realização de um ultrassom, para verificar se algum conteúdo uterino ainda permaneceu. Caso isso ocorra, será indicada uma curetagem”, enumera o médico.

É preciso lembrar que uma mulher que abortou esteve grávida; portanto, ela deve ter os mesmos cuidados que uma mulher que acabou de dar à luz, como o repouso e o resguardo. Algumas mulheres têm dificuldade de aceitar a morte do filho que esperavam. “Por isso é importante para a mulher que sofre um aborto reservar em seu coração um lugar para aquela criança. E viver o luto como a perda de alguém que se ama”, aconselha o médico.