Monthly Archives: fevereiro 2015

O mosquito do mal

 O verão e o período de maior proliferação da dengue; o combate ao mosquito Aedes Aegypti é fundamental para evitar a doença e a homeopatia oferece o melhor tratamento para os infectados

IMAGEM_Dengue-e-Homeopatia_Similia

Durante o Verão, uma das principais preocupações da população brasileira em relação à saúde tem nome e sobrenome: Aedes Aegypti. Esse pequeno mosquito, parecido com um pernilongo, é o transmissor da dengue. Sua larva, extremamente resistente, fica aguardando a chegada das águas – da chuva ou qualquer outra – para se reproduzir.

Em 2013, foram detectados 1.452.489 casos da doença em todo o país, de acordo com o Portal da Saúde do SUS. Esse número é quase 3 vezes superior ao anotado em 2012. Agora, a situação mostra-se ainda mais preocupante pois, com a crise hídrica, muitas famílias armazenam águam limpa, fundamental para a reprodução dos mosquitos, em recipientes como baldes e caixas dágua, por vezes sem tampa. Existe o risco de um surto ainda mais expressivo do que os que acompanhamos nos últimos anos.

A doença

O vírus causador da dengue possui quatro sorotipos diferentes; assim, uma pessoa que já tenha sido infectada pela dengue corre o risco de ser contaminada por outro subtipo da doença. Todos os tipos causam os mesmos sintomas: febre alta; dores de cabeça, musculares e nas articulações; cansaço e indisposição; enjôos, vômitos, etc. Muitas vezes esses sintomas são confundidos com uma gripe normal. Essa coincidência de sintomas pode levar à automedicação e causar um problema grave, já que portadores do vírus da dengue não devem ingerir paracetamol.

A dengue hemorrágica acontece quando a pessoa infectada com dengue sofre alterações na coagulação sanguínea. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte. No geral, a dengue hemorrágica é mais comum quando a pessoa está sendo infectada pela segunda ou terceira vez. Os sintomas iniciais são parecidos com os da dengue clássica, e somente após o terceiro ou quarto dia surgem hemorragias causadas pelo sangramento de pequenos vasos da pele e outros órgãos. Na dengue hemorrágica, ocorre uma queda na pressão arterial do paciente, podendo gerar tonturas e quedas.

Tratamento

Não existe tratamento específico contra o vírus da dengue: tratam-se os sintomas decorrentes da doença. Nesse sentido, a homeopatia tem se mostrado bastante eficiente. Em 2007, o doutor Renan Marino desenvolveu um remédio homeopático composto de Eupatorium Perfolatium – planta de ação analgésica sobre as dores do corpo; Phosphorus, um mineral que protege as funções hepáticas comprometidas pela ação do vírus; e Crotalus Horridus, que é preparado com veneno de cascavel e auxilia na coagulação do sangue. Assim, o medicamento atua positivamente no organismo dos infectados, podendo ser utilizado inclusive em casos de dengue hemorrágica.

A eficiência do medicamento foi tanta que diversas prefeituras o incluíram entre os tratamentos disponíveis na rede pública de saúde. Um dos principais exemplos vem do estado Rio de Janeiro. Macaé sofreu uma grande epidemia em 2007, com mais de 250 mil casos confirmados da doença. No ano seguinte, com a adoção da homeopatia, o número caiu 60%. Além de recomendar aos pacientes já infectados, as gotinhas homeopáticas foram distribuídas para a população – cerca de 156 mil doses para os 188 mil habitantes. Num segundo momento, outras 60 mil doses foram entregues ao público. Na terceira campanha, chegou-se à 200 mil doses. A campanha teve, ao todo, 5 etapas. A iniciativa reduziu, drasticamente, o número de casos da doença e teve como principal vantagem para o município, além da eficácia, o baixo custo.

Depois do sucesso alcançado em Macaé, outras cidades aderiram ao tratamento homeopático. E, mesmo nas localidades onde o uso da homeopatia não é incentivado pelas prefeituras, ela pode e deve ser usada no tratamento da doença. Por isso, caso apresente os sintomas, procure seu médico homeopata. Além da necessidade da detecção da doença já no início, o tratamento adequado é fundamental para vencer a dengue!

Vale lembrar que o combate à dengue começa em casa! Então, nada de deixar água limpa em recipientes destampados. Combater a proliferação dos mosquitos é o primeiro passo para evitar o contágio.

Carnaval – Divirta-se com responsabilidade!

A festa mais animada do ano requer alguns cuidados para que você possa curtir a folia sem comprometer a saúde. Siga nossas dicas e divirta-se

programacao-carnaval-2014

 

Chegou fevereiro e junto com ele o Carnaval – a festa mais esperada e mais famosa do ano, aqui no Brasil. Durante os 5 dias de festa, muita gente encara uma verdadeira maratona de folia, noites em claro, curtição e badalação. E quando chega a quarta-feira de cinzas está, literalmente, arruinado!

Nesta época é frequente o registro de doenças associadas à transmissão por via alimentar, respiratória, além das transmitidas pelo contato sexual.

Sempre pensando em sua saúde e bem estar, o Blog Homeopatia e Saúde preparou este post com algumas dicas valiosas para que você caia na folia do Rei Momo, sem se arrepender amanhã!

Hidrate-se

Nos dias de Carnaval a tendência é perder mais líquido do que nos dias normais, portanto, entre profissionais de saúde a dica é unânime: Beba muita água! 

hidratacao-carnaval-bazarlaboutique

Para se ter ideia, a quantidade de água que perdemos em uma tarde de trabalho é perdida em seis minutos de folia. Portanto, o consumo de água e de outras bebidas hidratantes como água de coco, suco e até isotônicos, são essenciais para manter o corpo a salvo da desidratação e para repor sais minerais e carboidratos perdidos com o suor.

Para quem consome bebidas alcoólicas é interessante alternar com outras bebidas não alcoólicas para evitar quadros de desidratação. Não exagere nas bebidas alcoólicas e, principalmente, não dirija após consumi-las!20140223133346161253a

 

Alimente-se

Saco vazio não para em pé – é bem verdade – mas, escolha a dedo os alimentos que irá consumir. Comidas pesadas como feijoada e frituras, devem ficar de fora do cardápio. Pense leve e aposte em verduras, legumes, frutas e carboidratos para repor as energias.

nutricao-carnaval

 

Uma boa pedida é preparar seus próprios lanchinhos, ou ainda consumir barras de cereais e frutas pequenas como maçã, pera, uva – que podem ser consumidas em qualquer lugar. Caso prefira alimentar-se na rua, fique atento(a) à procedência e higiene dos alimentos e bebidas.

Cuide do corpo e da mente

Nesses dias loucos e de folia, sempre que possível, tire uma soneca para recuperar as horas perdidas de sono. 30 minutos de soneca após o almoço são recomendados para reequilibrar corpo e mente. Hidrate corpo e cabelos, mantenha as unhas bem aparadas, utilize roupas e sapatos confortáveis e não se esqueça de utilizar protetor solar.

carnaval1O cuidado deve ser redobrado para quem está no litoral, já que a incidência de raios ultravioleta é maior. Em entrevista ao portal UOL Notícias, a dermatologista Flavia Ravelli, explica que na praia, estamos expostos a radiação por todos os lados: “O bronzeamento (ou queimadura) da pele depende exclusivamente da incidência de radiação ultravioleta (UV). E, na praia, ela não vem apenas de cima para baixo, como pode parecer, mas também de baixo para cima, já que é refletida na areia e na água do mar”.

Além disso, o sal desidrata e resseca pele e cabelos, portanto, é bom alternar e tomar algumas duchas de água doce, após algum tempo em contado com a água do mar. Escolha um protetor solar com fator de proteção adequado para o seu tipo de pele e reaplique-o na frequência necessária.

O velho conselho de evitar o sol das 10h às 16h sempre é válido, pois é nesse horário que há a maior quantidade de raios ultravioletas.

Proteja-se

camisinha coloridaSegundo Caio Westin, técnico em saúde do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids da Secretaria de Saúde de São Paulo “Não há dados que indiquem um aumento da incidência de DSTs nesse período. Porém, temos observado que o abuso de drogas como o álcool, aliado à ideia de que se deve aproveitar todo o ano nesses quatro ou cinco dias, fazem com que as pessoas se cuidem menos”.

Um levantamento exclusivo da UniCarioca publicado esta semana no Jornal O Globo, indica que no último ano 53% dos jovens sexualmente ativos fizeram sexo sem proteção. A pesquisa revela ainda que 88% dos cariocas fariam sexo sem camisinha no Carnaval.

O uso de preservativos é a forma mais eficaz de se proteger de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada, portanto, é indispensável!Veja mais sobre o assunto no último post da série Ser Mulher.

Com pequenos cuidados, é possível se divertir como se houvesse amanhã.

Bom carnaval!

 

 

 

DSTs Femininas – Tudo que você precisa saber sobre

ser mulher

 

 

 

A melhor maneira de evitar DSTs é prevenir-se de comportamentos sexuais com risco; No post de hoje da Série Ser Mulher, uma abordagem sobre as DSTs, sua prevenção e tratamento

calcinhas-varal-25210

Os números são assustadores: de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 10 milhões de brasileiros já apresentaram algum sinal ou sintoma de DST (Doença Sexualmente Transmissível). Deste total, 18% dos homens e 11,4% das mulheres não procuraram ajuda médica, principalmente pela dificuldade em detectar alguma alteração como sendo DST.

Entende-se por DST as doenças transmitidas, principalmente, via contato sexual sem proteção com uma pessoa que esteja infectada. São causadas por vários tipos de agentes – vírus, bactérias, parasitas – e as mais comuns são: gonorreia, clamídia, tricomoníase, sífilis, condiloma acuminado ou HPV (verruga genital), cancro mole, herpes genital, hepatite B e infecção por HIV (o vírus da AIDS).

Estar infectado por uma DST causa sérios problemas de saúde podendo, inclusive, levar à morte. Pessoas com uma doença sexualmente transmissível estão 18 vezes mais vulneráveis a contrair o vírus da AIDS (Ministério da Saúde) – isto ocorre por causa de feridas e de inflamações nas mucosas e pele dos genitais, que acontecem com freqüência nas DST´s.

Entre as mulheres, as doenças mais comuns que podem ser transmitidas via contato sexual são: HPV, AIDS, Clamídia, Gonorreia, Tricomoníase e Herpes Genital.

Não ignore seu corpo

mulher-dstAlguns sintomas ou sinais no corpo feminino podem indicar a hora de uma consulta ao ginecologista para avaliar a possibilidade de estar infectado por uma DST. Listamos abaixo, os principais sintomas, fique atenta ao seu corpo:

  • Secreção vaginal ou corrimento – pequenas secreções claras e sem cheiro até uma semana antes da menstruação são comuns e normais. O problema é quando essa secreção ou corrimento persiste e possui cor amarelada, esverdeada, rosa ou até mesmo branca e odor. Isso pode significar  alguma infecção ou doença, como a gonorreia;
  • Verrugas Genitais – O aparecimento de verrugas serve como alerta para o aparecimento de doenças como o HPV que na mulher aumenta as chances de se ter câncer de colo de útero. Qualquer verruga na região genital deve ser examinada e investigada;
  • Cheiro Forte – O odor forte quase sempre está ligado à alguma bactéria ou infecção, por isso é importante que nesse caso vá ao médico de sua confiança;
  • Coceira – Normalmente a coceira não tem relação com uma DST, mas pode estar relacionado a alguma bactéria, infecção ou fungo como a cândidíase;
  • Dor durante relação sexual – Principalmente nas mulheres, sentir dores durante o ato sexual é um sinal de alerta, uma vez que a maioria das DST´s provoca ferimentos internos;

HPV e HIV

São de longe as DST´s mais perigosas para as mulheres, uma vez que o HPV (condiloma acuminado) é o principal responsável pelo câncer no colo do útero e o HIV, causador da AIDS, a síndrome mais temida desde os anos 80 e sem cura.

Recentemente foi incluída no calendário oficial de vacinação a polêmica vacina contra o HPV. Ela divide opiniões médicas, uma vez que algumas meninas que tomaram a vacina apresentaram efeitos colaterais graves; e, também, porque a prevenção ao HPV pode ser feita simplesmente com educação sexual.

Quanto ao HIV, muita coisa foi descoberta ao longo desses 30 anos: houve mudanças significativas na expectativa de vida de soropositivos, porém não há cura, nem previsão.

Previna-se

beneficios-do-sexo-619x288A melhor e mais eficaz forma de não ter uma DST é praticar sexo com segurança, utilizando camisinha e evitando comportamentos chamados de risco como: frequente troca de parceiros, sexo oral desprevenido, contato com sangue ou secreções.

blogqspaidspreservativofeminino0Embora exista um preconceito quanto ao uso, as indústrias que fabricam camisinhas, estão sempre em busca de inovação e tecnologia, para que o produto não interfira no prazer dos casais. Existem camisinhas de modelos femininos e masculinos e a lógica de uso é praticamente a mesma: proteger os genitais de secreções ou feridas que possam contaminar com DSTs.

As camisinhas masculinas são distribuídas gratuitamente pelo SUS e, além de prevenir doenças, funcionam também como método contraceptivo.

Não se iluda! O sexo oral é o tipo de sexo que mais oferece risco de contágio para a contração de doenças sexualmente transmissíveis. Seja hétero ou homossexual, o sexo oral deve ser feito com proteção. Hoje em dia existem até camisinhas próprias para usar na língua. Além disso não compartilhe seringas, canudos, cachimbos ou qualquer outro objeto relacionado ao uso de drogas; e também vibradores e qualquer outro objeto de uso sexual..

Tratamento

Mas, se você foi infectado (ou desconfia ter sido) por uma DST, a primeira coisa a se fazer é procurar um médico de sua confiança, para que faça os exames comprobatórios, além de propor o tratamento mais adequado para o seu caso.

Pela medicina alopática, a maioria das DSTs pode ser tratada com um ciclo de antibióticos. Mesmo no caso das doenças incuráveis como o herpes genital, os surtos podem ser facilmente controlados com medicamentos antivirais. É importante ter em conta que se lhe foi diagnosticada uma DST, deve evitar o contato sexual com o(a) sua/seu parceiro(a) até que a infecção esteja completamente curada, caso contrário, corre o risco de transmitir a doença. Além disso o parceiro(a) deve tratar-se também.

Na homeopatia, os resultados de tratamentos contra AIDS, hepatite e Sífilis, apresentaram resultados bastante favoráveis. Também podem ser utilizados em conjunto com alopatia, como complementares. Melhor do que qualquer tratamento e sua eficiência só mesmo a prevenção. Portanto, não vacile: use sempre camisinha!