Monthly Archives: julho 2014

Remédios Homeopáticos e Fitoterápicos

O poder da água e das plantas medicinais na cura  

fitoterapicos

Você está se sentindo abatido, depressivo ou cansado? Aquela alergia insiste em dar as caras – e justo na sua pele? A ansiedade está gritando com você, querendo dar as ordens no seu dia a dia? Talvez seja a hora de recorrer aos medicamentos para encontrar equilíbrio e harmonia. Mas nada de substâncias sintéticas: o fator de cura dos medicamentos homeopáticos e fitoterápicos está, respectivamente, na água e nas plantas medicinais.

TFGP.

Diferenças…

Mesmo com o acompanhamento de um médico responsável – sempre necessária – a ingestão da alopatia (os remédios comuns, produzidos basicamente com substâncias sintéticas), pode trazer efeitos colaterais tão perigosos e desagradáveis quanto os que pretende combater. Isso porque a alopatia – sistema de medicação utilizado pela medicina tradicional para combater as doenças – provoca no organismo o oposto dos “sintomas”. Assim, a depressão é tratada com antidepressivo e inflamações com anti-inflamatórios.

O fato de usar elementos sintéticos, criados artificialmente, leva a alopatia a tratar determinado problema mas, simultaneamente, provocar um novo problema de saúde. É por esse motivo, por exemplo, que doentes crônicos precisam ingerir, diariamente, medicamentos para proteger ou tratar o estômago.

Para evitar esse tipo de situação, há duas opções bem viáveis: substituir os “sintéticos” por água ou por plantas medicinais.

fitoterápicoshomeopatia-medicamento-01 (1)

… e Semelhanças

Os remédios homeopáticos fazem uso de substâncias naturais, extraídas dos reinos vegetal, mineral e animal, diluídos em água. Essa diluição é, inclusive, uma das principais características do medicamento homeopático, e foi cunhada pelo  alemão Samuel Hahnemann, no século 18.

A proporção utilizada é uma parte do princípio ativo diluída em 99 partes de água. Esse processo de diluição pode ser repetido até 30 vezes, extraindo-se uma parte da solução inicial, diluída em outras 99 partes de água. Note que, ao diluir o princípio ativo em água, a homeopatia consegue neutralizar possíveis efeitos tóxicos que a substância poderia carregar, naturalmente.

Outra diferença do medicamento homeopático em relação à alopatia é o princípio de semelhança. Ou seja: o organismo é tratado com substâncias que provocam os mesmos efeitos que a doença. Esse conceito dá ao organismo uma doença “artificial”, que é usada para tratar a doença real. Um tipo de estágio, no qual o corpo aprende a como trabalhar efetivamente.

saudável

O poder da natureza

Tradição milenar, a terapia vegetal é amplamente difundida entre a população brasileira. São comuns os chás e infusões que prometem – e, muitas vezes, cumprem – curar determinados males, de dor de estômago a problemas de ereção. E as plantas medicinais são a origem da fitoterapia, a única entre as terapias alternativas a contar com uma indústria de medicamentos. Mas essa ‘indústria’ não modifica as substâncias, apenas relaciona as partes da planta mais adequadas ao uso (raízes, folhas, caules, depende da espécie) e as fraciona em porções adequadas.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou uma lista com 66 plantas de comprovado efeito medicinal. Uma consulta à essa publicação pode ajudar na hora de decidir pelo uso do medicamento fitoterápico – mas esse conhecimento não é suficiente para assegurar que o consumo de determinada planta ou erva é seguro. Não custa lembrar: sempre que for necessária a ingestão de um remédio, a indicação deve vir de um médico.

Agora que você já conhece as principais diferenças entre medicamentos alopáticos, homeopáticos e fitoterápicos, já pode exercer o seu poder de escolha.

Seleção Alemã utiliza remédios homeopáticos

A Seleção Campeã da Copa do Mundo de 2014, a Alemanha, foi destaque na mídia do Brasil e do mundo, não apenas pela vitória do campeonato.

Por aqui também se falou muito da simpatia dos jogadores junto à comunidade de Santa Cruz de Cabrália, no litoral Sul da Bahia, onde ficava a sede de treinamentos do time.

Foto: Matin Rose / Getty Images

Foto: Matin Rose / Getty Images

 

A rotina de treinamentos intensos, dedicação e organização do time também foram destaque nos noticiários esportivos. Mas tem uma lado da seleção da Alemanha que pouco se falou, mas que ajudou, e muito, o desempenho dos atletas em campo.

HOMEOPATIA E ESPORTE

Segundo estudo publicado pela revista eletrônica especializada alemã, “The Complementary Medical Association“, a comissão técnica e médica da seleção usa medicamentos homeopáticos para tratamentos de seus jogadores, afim de mante-los saudáveis e aptos ao jogo.

Além dos médicos da Seleção Alemã, os médicos dos principais times da primeira e segunda divisões de futebol do país, também utilizam tratamentos homeopáticos. Segundo o estudo, 92% dos médicos da liga de futebol acreditam no tratamento homeopático e na cura natural com relação à medicina tradicional.

Foto: AP Photo/Francisco Seco

Foto: AP Photo/Francisco Seco

Peter Billigmann, pesquisador que levantou esses dados, ficou impressionado com as histórias de sucesso. “Substâncias homeopáticas não têm quaisquer efeitos secundários e ficamos seguros quanto aos testes de doping”, explica o pesquisador.

Segue link da matéria original, para quem quiser acompanhar. 

 

Seu filho come mal?

Ofereça alimentos diferentes – como vegetais e hortaliças – com regularidade e deixe a criança se acostumar com o sabor

  seu filho come mal

Muitos pais se preocupam com a alimentação dos filho, achando que ele come mal. O ideal, como para os adultos, é que a refeição das crianças tenha carboidratos, proteínas, vegetais, hortaliças, cereais – e que o prato apresente, pelo menos, alimentos de cinco cores diferentes. Metade de tudo o que é consumido no dia deveria “vir do chão”: ou seja, brócolis, couve, cenoura, vagem, alface, maçã, banana, laranja, pera e todos os outros vegetais, horatliças e frutas devem fazer parte do cotidiano das crianças.
É preciso que os responsáveis saibam que oferecer os alimentos com regularidade é uma das formas de adaptar o paladar das crianças ao sabor desses alimentos. E que essa oferta será mais bem recebida se for feita antes dos dois anos de idade.

Como oferecer
Estudos de Universidades como a de Leeds, no Reino Unido, sugerem que cada alimento deve ser oferecido para as crianças de 5 a 10 vezes, antes que os pais aceitem, definitivamente, a recusa. E esse alimento deve ser apresentado de diversas formas, para que a criança possa identificar se, com uma outra forma de preparo, o alimento lhe parece apetitoso.

hortaliças e vegetais

A Nutricionista Gabriela Kapim, que apresenta o programa Socorro! Meu filho come mal, no GNT, dá como exemplo as cenouras: “o legume pode ser servido cru, cortado em rodelas, ralado, cozido… Se a criança não gosta da cenoura normal, você pode oferecer a baby. Da mesma maneira, os adultos podem inovar no preparo dos alimentos e das refeições. Que tal substituir a farinha de mandioca por couve flor na hora de preparar uma farofa? Já pensou em usar mandioquinha (batata baroa) para fazer chips assados, ao invés de fritos?”, sugere a especialista.

Pode esconder?
Kapim ressalta que inovar no preparo não quer dizer que você deva mascarar o alimento em meio a outro – como colocar legumes no feijão, por exemplo! – nem esconder os vegetais e hortaliças. Segundo ela, é muito mais produtivo mostrar para a criança o que ela está comendo. “Tente envolvê-la no processo. Vá ao mercado, apresente alimentos diferentes, desperte a sua curiosidade. Depois, vá para a cozinha e coloque a mão na massa”, explica.
“A criança sempre deve saber o que está comendo. Além do que, esconder é enganar a criança e ninguém gosta de ser enganado. O melhor é ser honesto e apresentar novos alimentos. É importante que a criança conheça novos sabores e o próprio paladar”, justifica a nutricionista, que comanda o programa toda terça-feira, às 21h30.

brocolis

Ao incluir os vegetais e hortaliças os pais e responsáveis asseguram uma dieta saudável e muito mais completa para as crianças. Vale lembrar que elas ficam mais relutantes em experimentar coisas novas após os dois anos de idade – mas isso não te impede de tentar! Uma alimentação desregrada, repleta de guloseimas, fast food, frituras e com ausência de vegetais, hortaliças e frutas pode levar a diversos problemas de saúde, como colesterol alto e sobrepeso – problemas cada vez mais comuns no universo infantil.

Tente outra vez!
Por isso, seja persistente! Ofereça ao(s) seu(s) filho(s) legumes, saladas, uma refeição variada e saudável. Se ele recusar, tente novamente! Mude a forma de preparo e, até mesmo, de apresentação do prato. Certamente você vai conseguir fazê-lo gostar da comida – e nunca mais terá que reclamar que o seu filho come mal!crianca comendo salada

Amamentar – muito mais que um ato de amor

A amamentação até o primeiro ano de idade promove muito mais que alimentação sadia, fortalecimento do sistema imunológico e a promoção do vínculo entre mãe e filho; saiba mais sobre essa bela experiência materna

O aleitamento materno favorece bem mais que a nutrição e vínculo mãe e filho

Apesar do ato ser um dos mais simples e instintivos da face da terra, amamentar ainda é uma incógnita para muitas mães – para algumas mulheres soa como algo difícil, quase impossível, nem parece que somos mamíferos. Embora amplamente divulgado nos meios de comunicação a importância da amamentação quanto à demanda nutricional e afetiva, a expectativa quanto aos benefícios do aleitamento materno vai além e é responsável direta pela formação dos ossos e músculos da face, por ensinar o bebê a respirar e a realizar as funções de mastigação e deglutição corretamente, além de favorecer a fala.

A formação facial e o aleitamento materno

A face humana é constituída por ossos e músculos, que numa perfeita combinação formam a estética facial bem como o bom desempenho das funções a eles devidas, como sucção, mastigação e, principalmente, a respiração nasal. Como nos explicou a Pediatra Homeopata da Clínica Similia – Dra. Ana Lucia Dias Paulo: “por ocasião do nascimento, os ossos e músculos da face ficam todos flácidos e sem função, para que na hora do parto normal  a cabeça do bebê, que em geral a termo pode ter um perímetro de 30 cm, possa passar sem dificuldade pela dilatação de 10 cm do colo uterino da mãe. Para que isto ocorra com tranquilidade estes ossos e músculos adquirem uma forma levemente ogival”. A doutora compelta: “temos que comentar, que mesmo um parto não pélvico (e sim via cesariana), músculos e ossos se comportam da mesma maneira.”

Após todo esse esforço, os ossos e músculos voltam ao seu lugar dando um aspecto esférico às cabecinhas dos bebês aí, ainda segundo a Dra. Ana Lúcia: “para uma perfeita harmonia, e como sabem a beleza está na harmonia, esses ossos e músculos precisam ser estimulados, e é pelo ato da amamentação, que através do perfeito posicionamento da boca e língua do bebê que irá sugar o leite do peito materno, ao mesmo tempo capaz de executar uma eficiente massagem no palato duro (céu da boca), providenciando a ele uma forma arredondada, que constitui a  estética facial humana.”

Como todo exercício precisa de constância e tempo correto, a amamentação precisa ser continua e por pelo menos 6 a 12 meses para que todo este aparelho (músculos e ossos) consiga desenvolver-se e formar a face arredondada da criança, com arco dental dessa mesma forma, e auxiliando este aparelho a desenvolver suas funções de maneira perfeita. Complementando sua ideia, a Dra. Ana ensina que é a amamentação correta que constrói uma mastigação correta e, por consequência, uma respiração nasal correta, “pois o ser humano deve respirar pelo nariz. E quando todo este processo fica alterado é possível que a criança desenvolva, já nos primeiros meses de vida, um padrão respiratório misto (boca- nariz) que  é evidentemente equivocado que, além de determinar uma estética facial alongada, gera alteração da posição dos lábios e dos dentes, além de servir de base a diversas patologias da infância como as rinites, bronquites, sinusites”. Essas patologia, quando agravadas pela má oxigenação dos tecidos, podem se tornar crônicas ou mesmo evoluirem agudamente para quadros de pneumonia severos ou asma brônquica, conforme ressalta a pediatra.

10444330_573300016121203_4624711849138200414_n

A importância da amamentação para a formação facial do bebê. Imagem: Dr. Gerson Kolher – AMS Brasil

É um bicho de sete cabeças?

Amamentar não é impossível, na verdade todos os bebês já sabem mamar ao nascer pois possuem o reflexo de sucção. O ato requer um pouco de paciência e dedicação, mas nada que seja um bicho de 7 cabeças.

Listamos aqui algumas dicas que podem favorecer a amamentação:

1 – Informe-se

Leia sobre o assunto, pergunte a profissionais, tire suas dúvidas. Informar-se é o primeiro passo para você não se desesperar e, principalmente, não desistir;

2 – Keep Calm

Paciência: pare, pense, respire! Lembre-se que seu bebezinho depende de você e, embora tenha nascido sabendo sugar, precisa de você para sugar corretamente – e talvez seus mamilos precisem se adaptar à amamentação. Respeite o tempo de vocês, tudo se ajusta;

3 – Pega

O sucesso em amamentar consiste basicamente na pega correta. A pega correta garante, entre outras coisas, uma amamentação sem dor. A posição do bebê no colo também favorece a pega correta;

Na pega correta:

• O Bebê abre bem a boca

• Abocanha quase toda a aréola

• Mantém boca bem aberta e acoplada ao seio

• Lábios evertidos (boca de peixe)

• Queixo do bebê encosta no seio

• Fica mais aréola visível acima da boca do bebê do que abaixo

• O Bebê suga, respira e engole de forma natural e coordenada

• Sucções lentas e profundas

• Mão em formato de “C”, apoiando a mama

• Língua do bebê em contato com gengiva inferior

• Bochechas do bebê ficam arredondadas

• Bebê fixo no seio, sem escorregar;

4 – Não dê chance à confusão de bicos

Se você não quer correr o risco de um desmame precoce, não ofereça mamadeira, chupetas, não use bicos de silicone. Seu peito basta;

5 – Acredite!

As técnicas não valem de nada sem sua crença: você é completa, plena e absolutamente capaz de amamentar seu bebê.

Leite – Qual o mais adequado à sua dieta?

Dos vários tipos de leite existentes no mercado, entenda quais as vantagens e desvantagens de cada um e escolha o que melhor atender às necessidades da sua dieta:

 

Leite integral

Fuja desse tipo de leite, principalmente se você faz dieta para perda de peso. Isso porque ele é rico em gordura, principalmente saturada. Apesar disso, é o tipo de leite mais consumido no mundo. Pode ser encontrado nos tipos A, B ou C, e essas nomenclaturas referem-se à quantidade de gordura encontrada nele.

Tipo A – possui o menor teor de micro-organismo, recomenda-se o consumo em até 5 dias após embalado.

Tipo B – tem uma maior quantidade de micro-organismo, recomenda-se o consumo em até 3 dias.

Tipo C – É o que apresenta maior teor de bactérias após a pasteurização. Recomenda-se o consumo em no máximo dois dias após embalar.

*Esses prazos para consumo não são válidos para leite longa vida, onde se deve observar as instruções da embalagem.

leite homeopatia

 

Semidesnatado

É ideal para dietas de baixa caloria, pois mantêm a mesma quantidade de proteínas e cálcio, mas com apenas 50% de gordura. Indicado como uma opção saudável para adultos que necessitam perder peso.

 

Desnatado

Por ter 100% de redução de gordura em comparação ao leite integral é indicado para pessoas que sofrem com colesterol alto. Para dietas para perda de peso, vale lembrar que a ingestão desse tipo de leite pode deixar as pessoas com fome  e, assim, suscetível à ingestão de guloseimas sem necessidade.

 

Leite de Quinoa

Rico em aminoácidos, o leite de quinoa contém valores nutritivos semelhantes ao leite comum.

Entre todos os cereais, a quinoa apresenta o maior teor de proteínas, além de conter aminoácidos não produzidos pelo organismo e que precisam ser ingeridos.

 

Leite de Soja

Opção mais indicada para quem sofre de intolerância à lactose, o leite de soja apresenta elevado valor nutricional e é rico em proteínas. Também é a opção mais consumida por quem é adepto da dieta vegana.

Além de apresentar baixo teor de gordura saturada quando comparado ao leite comum integral, o extrato de soja pode ser benéfico para reduzir os riscos de câncer de mama, doenças cardiovasculares e osteoporose.

 

Leite de Arroz

Rico em carboidratos, possui até 17g num copo, mas com baixo teor de gorduras, o leite de arroz não possui proteínas, tornando-se uma opção saudável de bebida para veganos e intolerantes à lactose. Convém ficar atento ao consumo, pois a versão de leite de arroz possui menor teor de vitaminas e maior índice glicêmico.

leite

Leite de Amêndoas

Este leite, feito através da mistura de amêndoas moídas com água, tem sabor mais agradável que o leite normal, não possui lactose e tem taxas muito baixas de calorias, carboidratos e gordura.

Como as amêndoas são naturalmente muito nutritivas, o leite de amêndoa não precisa ser fortificado.

 

Leite de Aveia

Aveia é uma fibra solúvel, e por isso ajuda a diminuir a absorção de açúcar e gordura no nosso intestino. Uma ótima pedida para dietas hipocalóricas pois ajuda na perda de peso, e também uma opção vegana.

Receita de leite de aveia:

1. Durante uma hora, deixe a aveia de molho em um recipiente com água.

2. Adicione uma colher de chá de extrato de baunilha e açúcar, se necessário.

3. Bata a mistura no liquidificador, coe com um pano fino e leve a geladeira.

O prazo de validade em refrigeração é de aproximadamente três dias.

Tabela Nutricional