Monthly Archives: março 2014

O clima e a saúde

Mudança de temperatura aumenta o risco de doenças; saiba como evitá-las

Durante o outono, o clima muda e muitas pessoas começam a notar oscilações em sua saúde. Gripe, resfriado, amidalite, bronquite e até pneumonia são doenças que nos acometem com a mudança de temperatura, mais baixas, e com variações da qualidade do ar.

131_paisagem_de_outono

Isso acontece por causa da baixa na nossa imunidade, que possibilita a entrada de vírus em nossos organismos, causando processos inflamatórios na mucosa – e geram as grifes e resfriados. As bactérias também se aproveitam dessa baixa imunológica e podem estartar males como a pneumonia.

O clima mais seco, comum durante o Outono, também dificulta a dispersão de poluentes, provocando ressecamento nos olhos, na boca e na pele, o que pode causar rachaduras e, até, sangramento.

doencas-do-outono

Como evitar?

As principais recomendações para esse período do ano são:

  • mantenha uma boa alimentação – com horário estabelecido, e com intervalos de até 3 horas entre uma refeição e outra;
  • beba muito líquido, pois a boa hidratação é fundamental para melhorar a imunidade – os líquidos podem, inclusive, virem das frutas, legumes e verduras;

beber-agua-51433914571d4

  • durma bem! Além de tentar repousar por 6 a 8 horas, é necessário manter um local aconchegante, limpo e com ventilação e temperatura adequadas;
  • faça atividades físicas regularmente e
  • evite alterações bruscas de temperatura (o conhecido “choque térmico”).

Se, mesmo assim, você perceber os sintomas de gripes, resfriados e alergias, resista à tentação de se automedicar. Procure seu médico homeopata: ele poderá orientá-lo da melhor maneira.

Homeopatia na Infância

 

 

O tratamento homeopático funciona melhor com crianças. Veja por quê. 

homeopatia na infância

A homeopatia não tem contra indicação, pode-se administrar a um bebê recém-nascido, desde quando haja uma consulta médica prévia. A escolha de um pediatra homeopata muitas vezes é feita antes do filho nascer, ainda na gestação. Quanto mais cedo uma criança começa a utilizar os benefícios da homeopatia, melhor é a resposta em relação ao tratamento.

As crianças costumam responder à homeopatia, porque, de modo geral, usam menos medicamentos (embora, infelizmente, na nossa cultura atual isso esteja mudando) e também por seu organismo ainda estar em formação, por não ter sido muito manuseado e ainda não apresentar doenças crônicas.

Vantagens da homeopatia frente aos tratamentos convencionais

O uso e reconhecimento da homeopatia como medicina cresceu muito nas últimas décadas e dentro deste crescimento observamos o aumento da utilização em lactantes e crianças. Isto deve-se principalmente, ao fato de muitos pais terem reconhecido a homeopatia como segura e sem efeitos tóxicos.

Por causa dos efeitos colaterais dos medicamentos convencionais, principalmente quando são administrados aos bebês ou às crianças muito pequenas, muitos pais recorrem a  homeopatia para tratar problemas pediátricos, agudos ou crônicos, como a asma, as alergias, as cólicas, eczemas, inclusive as desordens de conduta, a otite, e a diarreia.

Como é a consulta?

A primeira consulta, como de praxe, é bem extensa e conta com uma investigação minuciosa da criança. O pediatra homeopata pode perguntar, inclusive, sobre o período gestacional, histórico familiar, temperamento, comportamento e hábitos (de sono, alimentares) da criança, entre outras coisas.  O objetivo é traçar um perfil e, a partir daí, sugerir qual o tratamento mais indicado àquela criança.

Se a auto-medicação é contra indicada na alopatia, isso reforça-se muito mais na homeopatia. É muito comum que alguns pais consultem amigos e familiares que têm filhos e que já usaram a homeopatia, para curar o que seu filho tem. Cada criança é unica, com uma realidade diferente e tem que ser avaliada diferentemente. Não se pode utilizar a mesma medicação homeopata de uma criança para outra, se por exemplo existir membros da família da criança que sejam alérgicos a determinado produto, é necessário que a homeopatia não contenha substâncias que possam provocar as mesmas reações alérgicas no bebê.

É importante ressaltar que,  muitos adultos apresentam respostas a tratamentos, às vezes mais favoráveis que crianças, portanto, nunca é tarde para procurar um profissional e iniciar um tratamento homeopático.

 

 

 

 

Obesidade – o mal do século XXI

obesidade

Responsável por mais mortes que a fome, a obesidade mata 2,8 milhões de pessoas por ano. 

Segundo dados da OMS 12% da população mundial é obesa. A obesidade é o acumulo de gordura corporal quase sempre causada pelo consumo excessivo de alimentos sem gasto energético correspondente. Suas causas estão principalmente na má alimentação, sedentarismo, ingestão abusiva de sódio, açucares e gorduras, além de fatores metabólicos, entre outros.

Ocupando o ranking de segunda maior causa de mortes evitáveis na America Latina, a obesidade é responsável pelo aparecimento de doenças como: hipertensão, diabetes, doenças cardíacas, problemas nas articulações, dificuldades respiratórias, gota, pedras na vesícula e até algumas formas de câncer.

 

O mundo é obeso?

Para ser considerada obesa, a pessoa precisa ter o IMC (Índice de Massa Corporal) igual ou maior que 30.

Ao redor do mundo todo, principalmente em países emergentes, existem casos de obesidade. No continente americano – região com maior incidência do problema –  26% dos adultos são obesos, e, aqui no Brasil, estima-se que 40% das pessoas está acima do peso, sendo que destas 10 milhões são obesas.

 

Como tratar? 

O tratamento da obesidade envolve necessariamente a reeducação alimentar, o aumento da prática de atividades físicas e, eventualmente, o uso de algumas medicações auxiliares. Dependendo da situação de cada paciente, pode estar indicado o tratamento comportamental envolvendo o psiquiatra e também o psicólogo.

Nos casos de obesidade mórbida e doenças relacionadas como diabetes e hipertensão, a cirurgia bariátrica (redução de estômago) é indicada para controle do peso.

 

Como prevenir?

Mais importante e eficaz que o tratamento é a prevenção. Opte por hábitos saudáveis e alimentação leve e fracionada. Não trate distúrbios como a ansiedade com comida. Procure sempre ajuda médica.

A prática de atividades físicas regulares e a opção por uma alimentação mais sadia livre de frituras e alimentos industrializados é a melhor forma de combate à obesidade e manutenção da saúde.

Alimentos Funcionais

São aqueles que além das funções nutricionais básicas produz efeitos metabólicos, fisiológicos e benéficos ao funcionamento do corpo. Saiba quais são os alimentos que compõem este grupo e turbine sua saúde.

Alimentos funcionais caracterizam-se por oferecer vários benefícios à saúde, além do valor nutritivo inerente à sua composição química, e desempenham papel importantíssimo no combate aos radicais livres e na redução do risco de doenças crônicas degenerativas, como câncer e diabetes, dentre outras.

Os principais alimentos classificados como funcionais são: soja e derivados, cereais integrais (aveia, centeio, cevada, farelo de trigo), tomate, uva, couve-flor e brócolis, linhaça, hortaliças com talo, leite fermentado, entre muitos outros. Incluí-los em sua alimentação é garantia de boa saúde.

Abaixo listamos, os principais benefícios dos alimentos funcionais para o organismo.

Casca de uva, vinho tinto e maçãs – Redução de doenças cardiovasculares e formação de coágulos e inflamações

Soja e derivados – Redução do risco de doenças cardiovasculares, alívio das ondas de calor em mulheres na menopausa

Brócolis, repolho, couve-flor e rabanete – Aumento da atividade de enzimas que combatem a formação de células cancerígenas

Tomate, goiaba e melancia – Atividade antioxidante, redução do risco de doenças cardiovasculares e proteção contra o câncer (especialmente de próstata)

Folhas Verdes – Proteção contra degeneração macular, manutenção de uma boa visão

Linhaça – Inibição de tumores, prevenção de doenças cardiovasculares e controle de doenças  auto-imunes e inflamatórias

Grãos integrais, frutas e vegetais em geral – Melhora na saúde intestinal, redução do risco de câncer de cólon e controle do colesterol e glicemia

Leites fermentados e iogurtes – Melhora da saúde intestinal e redução do risco de câncer de cólon

alimentos-funcionais

Este post é de caráter informativo e educativo. Visite sempre um médico para obter melhores orientações. 

Socorro, meu filho não quer comer!

Pesadelo de todos os pais, a má alimentação das crianças é reflexo dos maus hábitos alimentares dos pais. 

O seu filho comia de tudo, dava gosto de ver, até que aos 2…3 anos: boom! Rejeita todos os alimentos que você oferece, faz intermináveis ‘greves de fome’, literalmente tranca a boca. Saiba que todos os pais passam por esta fase – a fase de inapetência –  e que é até natural que por volta desta idade seu filho perca o interesse pela hora da refeição. Isso acontece, principalmente, por que nesta idade a criança está muito mais interessada em explorar o mundo do que em comer.

Porém, como a alimentação é uma questão de hábito, é fundamental que os pais e familiares estabeleçam uma rotina alimentar e ofereçam alimentos nutritivos e saudáveis para que a criança não sofra com a má alimentação nesta fase, carregando os maus hábitos para a vida. Mudanças simples fazem toda a diferença.meu filho não quer comer

Desligue a TV

A hora da refeição é sagrada. Estabelecer uma rotina com horários, sentar-se a mesa e fazer da refeição um momento tranquilo livre de interferências – desligue a TV, rádio, telefones e celulares ou quaisquer outro eletrônico que possa atrapalhar – podem ajudar nessa batalha na busca por bons hábitos para os pequenos e também para os pais.

Você é o que você come

Não adianta querer que seu filho coma de tudo se você mesmo não o faz! O que vemos são crianças se adaptando aos maus hábitos alimentares dos pais. Afinal de contas, a criança não tem autonomia para escolher suas refeições, esta é uma tarefa dos pais. Olhe para o seu prato: o que você come?
Segundo a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) apenas 4% das crianças comem 5 porções (a quantidade recomendada) de frutas, verduras e legumes por dia. Isso por que, apenas 3,5% dos pais possuem esse hábito também.

Como vencer?

Segundo a Pediatra Homeopata Dra. Ana Lucia Dias Paulo, o prato bonito  (no sentido de lúdico), colorido, bem elaborado, torna a refeição convidativa. Opte por vegetais diferentes, folhas e proteínas magras. Lembre-se que uma criança come pequenas quantidades, portanto não force seu filho a comer. Se você ver que a fase está se prolongando, procure um especialista.

 

Cigarro faz mal! Mesmo!

Se você ainda tem dúvidas de que o cigarro faz mal, esse é o momento de desfazer as questões e entender que sim, ele é muito prejudicial à saúde. 

Considerando que um fumante consuma de 1 a 9 cigarros por dia, suas chances de ter um câncer de pulmão é 5 vezes maior do que a de um não-fumante. Além de afetar o pulmão – e provocar enfermidades como enfisema e bronquite crônica – o cigarro é um dos principais detonadores de câncer cervical, de pâncreas, laringe e de boca, entre outros.

O cigarro – que por muito tempo acreditou-se auxiliar na manutenção de peso, hipótese já descartada pela medicina e pelos especialistas – também contribui para o infarto do coração e outras doenças vasculares, como o derrame cerebral.

Como se não bastasse, o cigarro provoca partos prematuros, assim como o nascimento de crianças com peso muito baixo. Sem contar os inúmeros casos de asma nas famílias de pessoas que fumam – aliás, mesmo sem fumar, as pessoas que convivem com fumantes (chamados de fumantes passivos) também vêem aumentar exponencialmente, a possibilidade de adquirir uma doença. Estima-se que, de 25 a 46% as mulheres e de 13 a 37% dos homens vítimas de câncer de pulmão eram fumantes passivos.

Por que faz mal?

As folhas de fumo contêm mais de 4.500 complexos químicos, muitos dos quais se transformam em outras combinações. Esses complexos incluem arsênico, amônia, sulfito de hidrogênio e cianeto hidrogenado.

Talvez o mais letal de todos os elementos seja o monóxido de carbono, que é idêntico ao gás que sai do escapamento dos automóveis. Isso mesmo que você entendeu: tragar a fumaça de um cigarro é equivalente a aspirar o gás que sai do escapamento do seu carro. Como o monóxido de carbono tem mais afinidade com a hemoglobina do sangue do que o próprio oxigênio, ele toma o lugar do oxigênio, deixando o nosso corpo totalmente intoxicado!

Pare de Fumar

Nem sempre é fácil largar o hábito do fumo. Mas sempre é bom para a saúde. Se você é um fumante e deseja parar de fumar, saiba que alguns benefícios são quase imediatos. 30 minutos depois de fumar o seu último cigarro, sua pressão arterial, seu batimento cardíaco e sua temperatura voltam ao normal. Ao final de 8 horas, o nível de oxigênio e gás carbônico do seu sangue começa a se equilibrar, e a sua chance de ter um ataque do coração já começa a cair.

Algumas semanas depois de ter parado de fumar, o seu olfato e o paladar começam a funcionar direito, e a sua respiração se normaliza. Você vai se sentir com mais energia e o seu risco de desenvolver um ataque do coração, após alguns meses, cai para menos de 50% do que quando você fumava.

Como Parar de Fumar

Se você está se perguntando como abandonar esse vício, a resposta é: comum tratamento que elimine a dependência da nicotina.

Vários tratamentos têm sido sugeridos. Um deles é o uso de grupos de apoio, nos moldes dos “Alcoólicos Anônimos”, em que são feitas discussões sobre os malefícios do fumo e as pessoas recebem apoio para eliminarem o vício. Também a hipnose e psicoterapia podem ajudar nos casos em que a ansiedade é um fator importante. Algumas pessoas se beneficiam do uso de acupuntura, com bons resultados.

Para muita gente, parar de fumar é muito difícil. Mas pense em todos os benefícios que isso irá trazer à sua saúde e encontre o caminho mais adequado para o seu organismo e para a sua vida.

Se pensar nos benefícios que abandonar o cigarro podem trazer à sua vida não bastar para a sua decisão, pense também na grande economia financeira que irá fazer!

Vai uma vitamina?

Quem já não ouviu a recomendação “toma uma vitamina”? Ela não poderia ser mais acertada! A ingestão de vitaminas, na alimentação ou na forma de comprimidos, é um dos fatores essenciais na manutenção da saúde.

Há 12 tipos especialmente importantes para o nosso organismo: A, as do complexo B,  vitaminas C, D, E, K, Biotina e o Ácido Fólico.

Agora que você já sabe quais são as vitaminas fundamentais para a sua saúde, conheça um pouco mais sobre cada uma delas.

frutas

VITAMINA A (RETINOL)

Favorece o crescimento e é responsável pela manutenção de muitas funções importantes do organismo. Sabe-se que está em falta quando notamos visão deficiente à noite, sensibilidade à luz, redução do olfato e do paladar, ressecamento e infecção na pele e nas mucosas, estresse.

É encontrada nos seguintes alimentos: cenoura, espinafre, batata-doce, couve, alface, ovos, fígado, peixe, queijos gordurosos, leite, manteiga, escarola e salsa.

VITAMINA B (TIAMINA)

Auxilia as células na produção de combustível para que o corpo possa viver. Está sentindo nervosismo, irritação, fadiga, depressão, dores no abdômen e no peito, sensação de agulhadas e queimação nos pés, perda do tato? Pode ser evidência de falta de Tiamina!

Para regularizar, consuma arroz integral, cereais integrais, pão integral, ervilha, nozes, feijão, fígado, rins, carne de porco, peixes e gema dos ovos.

VITAMINA B2 (RIBOFLAVINA)

Protege o sistema nervoso e favorece o metabolismo das gorduras, açúcares e proteínas. Se notar rachaduras nos cantos da boca, estomatite, coceira e ardência nos olhos, sensibilidade excessiva à luz, pele seca, depressão, letargia e histeria aumente a ingestão de cereais em grão, levedura de cerveja, leite, queijo, ovos e fígado.

VITAMINA B3 (NIACINA)

Encontrada no fígado, em aves, nozes, leguminosas, peixes, carnes magras, cereais integrais e enriquecidos, a vitamina B3 protege o fígado, a pele, os tecidos nervosos e o aparelho digestivo. Ajuda a regular a taxa de colesterol no sangue.

Sinais de falta: fadiga, irritabilidade, insônia, dor de cabeça, depressão nervosa, diarréia e dermatite.

VITAMINA B5 (ÁCIDO PANTOTÊNICO)

Fadiga, baixa produção de anticorpos, cãibras musculares, dores e cólicas abdominais, insônia, mal-estar geral podem indicar a deficiência de Ácido Pantotênico, conhecido com Vitamina B5. Encontrada no fígado, em cogumelos cozidos, milho, abacate e carne de galinha, controla a capacidade de resposta do corpo ao estresse. Ajuda no metabolismo das proteínas, gordura e açúcares.

VITAMINA B6 (PIRIDOXINA)

Favorece a respiração das células e ajuda no metabolismo das proteínas.

Sinais de falta: dermatite, anemia, gengivite, feridas na boca e na língua, náusea, nervosismo. É encontrada na carne de porco, vísceras, germe de trigo, aveia, cereais em grão, arroz integral, banana, batata, leguminosas, aveia, aves e atum.

VITAMINA B12 (COBALAMINA)

Essencial ao sangue e ao funcionamento do sistema nervoso, a Cobalamina, ou vitamina B12, é encontrada em: leguminosas, cereais integrais, fígado, carne de porco, peixes, leite e derivados. Anemia, fraqueza, palidez, tonturas, depressão e diarréia são indícios de sua falta no organismo.

VITAMINA C (ÁCIDO ASCÓRBICO)

Encontrada na laranja e acerola, no limão, abacaxi, mamão, manga, caju, pimentão e nas verduras, a Vitamina C previne gripes, fadiga, fraqueza muscular e infecções. Ajuda o sistema imunológico e a respiração celular, estimula as glândulas supra-renais e protege os vasos sangüíneos.

Você pode perceber que ela está em falta quando aparecem feridas que demoram a cicatrizar, hemorragia, dentes moles, perda de peso, dores nas juntas, gengivas inflamadas.

VITAMINA D (CALCIFEROL)

A vitamina D, ou Calciferol, fixa o cálcio e o fósforo nos ossos. É encontrada em alimentos de origem animal, como fígado, peixes de água salgada e óleo de fígado de peixe, e ativada quando ficamos expostos ao Sol.

Sinais de falta: raquitismo, nascimento tardio de dentes mal formados que caem logo, envelhecimento precoce.

VITAMINA E (TOCOFEROL)

Vital para todos os tecidos e para o sangue, a vitamina E também tem fama de vitamina “afrodisíaca”. O consumo de germe de trigo, nozes, amêndoas, semente de girassol, margarina, cereais em grão, verduras, peixes, carnes e leite garante a porção diária ao organismo.

VITAMINA K

Age como fator importante na coagulação do sangue, evitando hemorragia. É encontrada: fígado, vegetais de folhas verdes (espinafre, couve-flor, repolho), leite, tomate, arroz integral, ervilha e óleos vegetais.

ÁCIDO FÓLICO (FOLACINA)

Especialmente indicado para as mulheres que estão pensando em engravidar, o ácido fólico contribui para o crescimento e formação de células do sangue. Está diretamente relacionado às unhas, cabelo, medula óssea, sistema imunológico e células vermelhas.

Além de unhas e cabelos em mau estado, anemia, diarréia, memória fraca, indigestão, insensibilidade nas mãos e nos pés e língua inflamada são sinais de deficiência dessa substância no organismo. A reposição pode ser feita com o consumo de vegetais folhosos verdes, vísceras, leite, ovos, cogumelos, ervilha, nozes, pão integral, feijão e fígado.

BIOTINA (EX-VITAMINA H)

A Biotina age diretamente na formação da pele e indiretamente na utilização dos hidratos de carbono (açúcares e amido) e das proteínas. Atua sobre todas as células vivas. Fígado de galinha ou boi, rim, gema de ovo, leguminosas (amendoim), farinha de soja e cereais – com exceção do trigo – são as melhores fontes de Biotina.

Quer saber se está em falta no seu corpo? Observe queda de cabelo, náuseas, vômitos, perda do apetite, anemia, insônia, problemas cardíacos, fraqueza, depressão.

30 Dicas para manter a saúde

Separamos algumas dicas sobre comportamento e bem estar e vão ajudar a manter-se saudável.

Coma alimentos bem nutritivos – Dê preferência a uma dieta com baixo teor de gordura, cheia de frutas, vegetais e cereais.

Não se sobrecarregue – Faça aquilo que você sabe que vai conseguir fazer; evite se sobrecarregar. Descanse e relaxe sempre que tiver uma chance.

Rir, o melhor remédio – Mantenha-se sempre positivo, com bom senso de humor; nada como uma boa risada para se relaxar.

Mantenha-se ativo – Arranje sempre uma atividade para fazer; andar, praticar algum esporte, ter algum hobby, sempre ajuda a manter a mente saudável.

Seja seu próprio dono – Controle sua vida como você deseja; seja independente. Não deixe que os outros ditem o que você deve fazer ou pensar.

Ajude aos outros – Procure se voluntariar para alguma atividade; ajudar aos outros traz felicidade e bem-estar.

Pare de fumar – Fumar só traz prejuízo à sua saúde, à dos que estão ao seu redor e ao bolso.

Não coma demais – Comer demais acaba provocando mal-estar; evite comer de 2 a 3 horas antes de ir para cama, a comida aumenta a quantidade de ácido em seu estômago e você não vai dormir bem.

Reduza o álcool, chocolate e alimentos gordurosos – Esses alimentos provocam aumento de ácido no estômago, causando má digestão.

Pense antes de beber – Coma algum alimento antes de beber, para evitar que a bebida seja absorvida muito rapidamente. Saiba quando parar também!

Não coma muito rápido – Coma aos poucos, sem pressa, mastigando bem os alimentos.

Não encha o prato até a boca – Pegue um pouco de cada comida e vá saboreando aos poucos.

sol2

Não tome muito sol – Sol em excesso estraga sua pele, sem falar que pode provocar desidratação.

Use um protetor solar – Aplique um protetor solar em sua pele sempre que for se expor ao sol. Comece com um fator 15 e reaplique a cada 2 horas.

Use equipamentos de proteção solar – Chapéus, óculos escuros com proteção contra raios ultravioleta, guarda-sol e roupas adequadas são muito úteis para se proteger do sol.

Evite as horas de “pico de sol” – O horário das 10 da manhã às 3 da tarde é o pior para se tomar sol.

Evite o bronzeado excessivo – Ficar com ‘aquele’ bronzeado é muito bonito, mas estraga a pele e provoca envelhecimento precoce, além de poder causar câncer.

Durma bem – Durma pelo menos 8 horas por noite, num lugar tranquilo. Mantenha sempre a mesma rotina, a mesma hora de ir para a cama e de acordar.

Coma alimentos ricos em anti-oxidantes – Vitamina C, Beta caroteno e vitamina E contribuem para evitar o envelhecimento, aumentam a resistência física às infeccões e evitam a destruição das células que podem levar ao câncer. Evitam também doenças do coração e disfunção cerebral.

Coma menos gordura – Mantenha uma dieta com apenas 20 por cento das calorias derivadas de gordura; você vai reduzir o risco de ter uma doença do coração e alguns cânceres, além de se manter em forma.

Mantenha uma lista com o nome dos médicos da família ou dos hospitais com os quais você tem convênio.Na hora da emergência, qualquer minuto conta.

Tenha o número do telefone de um Centro de Controle de Intoxicações. Crianças estão sempre mexendo onde não devem e podem ingerir algum produto perigoso.

Aprenda como fazer Ressuscitação Cardio-respiratória – Você pode salvar a vida de alguém! Quanto menos tempo a pessoa ficar sem respirar e sem batimentos cardíacos, mais chance ela tem de se recuperar e ficar sem sequelas.

Mantenha com você um bilhete com as doenças importantes – Se você tem uma doença especial como eplepsia, diabetes ou doença do coração, ou se você toma algum remédio importante, escreva num papel e ande sempre com ele. Num caso de emergência, pode ser crucial.

Trabalhe com a cabeça – Use sempre equipamento de proteção se o seu trabalho requer. Você pode evitar muitos acidentes de trabalho.

Use cinto de segurança – Essa medida tão simples pode evitar muitas mortes, bem com reduzir o trauma físico durante um acidente.

Use capacete – Quando andar de bicicleta, use capacete. Crianças tem uma alta incidência de quedas quando andam de bicicleta, muitas vezes batendo a cabeça, causando lesão cerebral que pode ser irreversível ou mesmo levar à morte.

Evite lugares com fumantes – Respirar fumaça dos outros fumantes também aumenta o risco de desenvolver cancer de pulmão, além de outras doenças respiratórias.

Tenha uma vida sexual saudável e segura – Use preservativos sempre que tiver relações sexuais. Prefira as relações monogâmicas nas quais você tenha certeza de que o parceiro não tenha o vírus da Aids ou outra doença genital.

Fonte:http://members.aol.com/hpleite/index.html/

Homeopatia e a Consulta

A Homeopatia trata o individuo como um todo e não cada uma de suas queixas. Entenda como funciona a consulta médica na homeopatia.

Diferente da consulta alopata, tradicional, na homeopatia o médico busca sintomas aparentes, comuns às doenças, como um peito chiando ou uma garganta inflamada, mas também sintomas peculiares de cada paciente, fatos que o torna individual, como sentimentos e atitudes. Por isso se diz que a homeopatia trata o individuo e não suas doenças.

O que o médico vai perguntar?

Muito mais que saber o que o paciente tem (consequência) na consulta homeopática os médicos se interessam pelos sintomas mentais, sentimentos e ações (causa) de seu paciente. Portanto é comum na consulta homeopática o médico perguntar sobre o comportamente em família ou socialmente, suas ansiedades, angústias, medos, tristezas e alegrias, sensações diferentes, etc. Também é comum perguntas sobre sono, sonhos, sobre a alimentação do paciente, como ele gosta dos alimentos e dos temperos. Perguntará também como reage às condições e mudanças climáticas, a nível do mar, frio, calor, umidade, etc. Tudo é indício para chegar a um diagnostico.

Muitas vezes são solicitados exames laboratoriais, mas eles serão mais para acompanhar a evolução do quadro, do que para fazer o prognóstico da doença e indicar medicamentos.

Todas as perguntas que o médico homeopata fizer tem uma razão de ser, mesmo que pareçam absurdas. Todas as respostas são absolutamente necessárias, ainda que pareçam não ter relação alguma com a enfermidade. É fundamental que o paciente seja absolutamente sincero com seu médico, desta forma estará se ajudando e ajudando o médico a curá-lo.

69517_232469866925159_2130529112_n

Retorno e acompanhamento do paciente

A avaliação na homeopatia é sempre global. Então as consultas periódicas fazem parte do tratamento. Em cada visita ao médico, o paciente será questionado sobre novos sintomas, reaparecimento de sintomas antigos e modificação de sintomas atuais. Só através destes dados que o médico poderá determinar se deverá manter ou se será necessário alterar o medicamento ou sua potência.